Marla Cristina Barbosa foi presa na noite desta quarta-feira (17) em Palmas. Segundo Polícia Civil, médico dormiu na casa dela na noite do crime e os dois viajaram juntos durante a fuga dele.

A Polícia Civil começou a ouvir a assistente social Marla Cristina Barbosa Santos, de 42 anos, na manhã desta quinta-feira (18), em Palmas. Ela foi presa na noite desta quarta-feira (17) e é ex-namorada do médico Álvaro Ferreira da Silva, principal suspeito de matar a professora Danielle Christina Lustosa. Ela chegou na delegacia por volta das 11h.

O médico também está na delegacia e será ouvido logo depois de Marla.

De acordo com a Polícia Civil, o médico dormiu na casa de Marla na noite do crime e os dois viajaram juntos para Morro de São Paulo (BA) durante a fuga dele. Ele também foi levado para a Delegacia de Homicídios de Palmas na manhã desta quinta-feira e vai ser ouvido após a mulher.

Médico e ex-namorada serão ouvidos na delegacia de homicídios (Foto: Gabriela Lago/ G1)

Marla Cristina foi presa na casa da mãe dela, Josefa Maria Barbosa, que é advogada do médico. A informação é que os dois namoraram por cerca de 6 meses e terminaram em novembro. Mesmo assim, a Polícia Civil confirmou que Marla buscou Álvaro no presídio no dia em que ele foi solto após agredir a ex-mulher. A soltura dele aconteceu em 16 de dezembro, dois dias antes de Danielle ser encontrada morta.

A Polícia Civil quer saber qual é a relação entre Marla e Álvaro Ferreira. Ela passou a noite no presídio feminino de Palmas. A prisão dela é temporária e tem prazo de 30 dias.

“Como não se tinha notícia da mesma desde então, nem no trabalho nem no endereço conhecido pela polícia e, estando o suspeito foragido à época do pedido de prisão, cogitou-se a possibilidade de Marla ter participado e/ou saber de detalhes que ajudem no esclarecimento dos fatos”, disse o delegado Pedro Ivo Costa Miranda, da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP).

A defesa de Marla confirmou que ela teve um relacionamento com o médico, mas afirmou que a assistente social não teve nenhuma participação no crime e que vai prestar todos os esclarecimentos à polícia.

Marla Cristina foi presa em Palmas (Foto: Reprodução/TV Anahnguera)

O crime

O corpo da professora foi encontrado no dia 18 de dezembro. O médico Álvaro Ferreira é o principal suspeito do crime porque havia sido preso dois dias antes, quando invadiu a casa e tentou esganar a ex-mulher. Mesmo assim, foi solto um dia depois, após audiência de custódia. O Ministério Público chegou a pedir a prisão preventiva dele, mas o pedido foi negado pelo juiz, que determinou a liberdade sem pagamento de fiança.

De acordo com o advogado de Danielle, Edson Monteiro de Oliveira Neto, o ex-marido já havia ameaçado matá-la outras vezes. O advogado informou que chamou a polícia após não conseguir contato com ela durante todo o dia.

O corpo de Danielle foi localizado de bruços na cama. O registro da ocorrência feito pela Polícia Civil aponta que foram encontrados hematomas no pescoço da professora e havia odor característico de urina no short que a vítima vestia. A perícia confirmou que ela foi estrangulada.

A fuga

O médico ficou quase um mês foragido após o crime. Ele foi preso no dia 11 de janeiro em Goiás e levado para a Casa de Prisão Provisória de Palmas no dia seguinte. Ele foi localizado após postar uma selfie em uma igreja nas redes sociais. Enquanto esteve foragido, ele deu entrevistas por telefone e mandou mensagens para a mãe da vítima.

A polícia identificou que ele fugiu primeiro para Salvador, pegou um barco para Morro de São Paulo, viajou para Campinas (SP) e acabou em Goiás.

O médico foi preso enquanto estava no cinema de um shopping em Anápolis. A prisão foi realizada por uma equipe da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), comandada pelo delegado Pedro Ivo Costa Miranda em parceira com as Polícias Civis de Goiás e São Paulo.

Médico foi localizado após postar foto em igreja (Foto: Arquivo Pessoal)

Outro lado

A defesa de Álvaro Ferreira alega que os áudios divulgados pelo advogado da vítima não correspondem a toda verdade. Segundo a advogada Josefa Barbosa, existem áudios que mostram a mulher pedindo para o médico voltar para casa e garantindo que desistiria da medida protetiva.

“Já que ela tinha tanto medo e ele era agressivo porque ela constitui união estável com ele no cartório. Eles foram no cartório no dia 11 de dezembro e fizeram isso”, disse.

A advogada afirmou ainda que está colaborando com a Justiça para esclarecer os fatos e buscar a verdade, porque o cliente está sendo condenado sem ter provas. Disse ainda que enfrenta dificuldades para ter acesso às informações do caso.

G1 Tocantins

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here