Após a votação, a proposta orçamentária deverá ser dirigida para apreciação em sessão plenária do Congresso Nacional.

Em nota divulgada nessa quinta-feira, 5 de dezembro de 2019, o Conselho Federal de Odontologia (CFO) manifestou preocupação com a aprovação de relatório preliminar da Comissão Mista de Orçamento (CMO), do Congresso Nacional, que possibilita o aumento do fundo eleitoral a custo de realocação de verba destinada originalmente ao Fundo Nacional de Saúde (FNS).

A Autarquia foi a primeira instituição ligada à Saúde a se manisfestar diante da aprovação do relatório da Comissão. 
O documento tem a intenção de contingenciar aproximadamente R$ 500 milhões que seriam destinados à saúde – limitando a estruturação de novas unidades, reduzindo investimentos na formação de profissionais de saúde e em programas como a Farmácia Popular – causa impacto social enorme às pessoas em situação de vulnerabilidade e que necessitam de programas de apoio na rede pública de saúde.
Conforme em nota, o presidente do CFO, Juliano do Vale, explicou que o CFO continua defendendo o aumento de recursos no sistema público de saúde, principalmente na área de saúde bucal, que historicamente recebe investimentos inferiores a 2% do FNS.
“Reafirmamos o papel protagonista na defesa da saúde da população brasileira e dos profissionais da área, sobretudo, dos ligados à saúde bucal”, destacou o presidente.
  
Sobre o relatório 
Segundo estabelece o cronograma da CMO, será preciso votar o parecer final do deputado federal Domingos Neto (PSD/CE) até o dia 17 de dezembro.
Após a votação, a proposta orçamentária deverá ser dirigida para apreciação em sessão plenária do Congresso Nacional.
NOTA
Conselho Federal de Odontologia desaprova transferência de recursos do FNS para fundo eleitoral
O Conselho Federal de Odontologia (CFO) recebeu com preocupação na manhã desta quinta-feira, dia 5 de dezembro, a aprovação de relatório preliminar da Comissão Mista de Orçamento, do Congresso Nacional, que possibilita o aumento do fundo eleitoral a custo de realocação de verba destinada originalmente ao Fundo Nacional de Saúde (FNS).
A intenção de contingenciar aproximadamente R$ 500 milhões que seriam destinados à saúde – limitando a estruturação de novas unidades, reduzindo investimentos na formação de profissionais de saúde e em programas como a Farmácia Popular – causa impacto social enorme às pessoas em situação de vulnerabilidade e que necessitam de programas de apoio na rede pública de saúde.
O CFO continua defendendo o aumento de recursos no sistema público de saúde, principalmente na área de saúde bucal, que historicamente recebe investimentos inferiores a 2% do FNS.
Reafirmamos o papel protagonista na defesa da saúde da população brasileira e dos profissionais da área, sobretudo, dos ligados à saúde bucal.
Juliano do Vale
Presidente do Conselho Federal de Odontologia
Por: Verônica Veríssimo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here