Janot pede prisão de Aécio e Rocha Loures ao plenário do STF

Na semana passada, o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato, negou a prisão preventiva dos deputados.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recorreu ao plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) pela prisão do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e do deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

Na semana passada, o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato, negou a prisão preventiva dos deputados.

Desta vez, o recurso apresentado por Janot será apreciado pelo plenário do STF, formado pelos 11 ministros da corte.

Noticias ao Minuto

Dilma viaja a São Paulo para discutir crise com Lula

Os dois ex-presidentes também foram citados na delação da JBS.

A ex-presidente Dilma Rousseff viajou a São Paulo na manhã desta segunda (22) para discutir com Lula a crise política e a atuação que cada um deles deve ter no embate contra o governo de Michel Temer.

Lula já defendeu a saída do atual presidente e a convocação de eleições diretas.O encontro, no Instituto Lula, terá participação também do presidente nacional do PT, Rui Falcão, e do presidente estadual da legenda, Eunício de Souza.

Os dois ex-presidentes também foram citados na delação da JBS.

O empresário Joesley Batista, dono da empresa, afirmou que doou US$ 150 milhões para campanhas eleitorais tanto de Lula quanto de Dilma.

Os recursos teriam sido sacados de contas que ele mantinha no exterior. Com informações da coluna de Mônica Bergamo, da Folhapress e Noticias ao Minuto.

Crise política: revelações sobre Temer racham base do governo

Saiba como se posicionou cada partido, após revelações sobre Michel Temer.

A delação premiada dos donos da JBS causou grandes impactos na política brasileira. O STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou a abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer (PMDB) e a base do governo federal sofreu duas baixas. Os partidos PPS e Podemos (ex-PTN) anunciaram o rompimento com o Planalto. Um ministro, do PPS, se demitiu por conta da repercussão das revelações.

Como destaca o UOL, foram protocolados oito pedidos de impeachment desde a noite desta quarta (17). Parlamentares do PSDB assinaram um dos pedidos e o partido anunciou a permanência no governo até segunda ordem, depois de reuniões de avaliação de cenário.

O senador Aécio Neves (MG) foi afastado do cargo pelo STF e pediu licença da presidência do PSDB “para provar sua inocência”.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, pediu, em nota, que Fernando Coelho Filho, entregue o Ministério de Minas e Energia e volte a exercer o mandato de deputado federal pelo partido, o que não ocorreu até o fim de quinta-feira (18).

A reportagem do UOL listou a posição adotada pelos partidos que compõem o Congresso:

Podemos (ex-PTN) 

O ex-PTN tem uma bancada de 13 deputados e anunciou oficialmente o rompimento com o governo Temer. O partido prometeu assumir posição de “independência” a partir de agora. A deputada federal Renata Abreu (SP), presidente da sigla, afirmou que o partido deverá entregar todos os cargos que possui atualmente no governo federal, entre eles o da presidência da Funasa (Fundação Nacional de Saúde).

PPS 

O PPS anunciou a decisão de deixar o governo federal, “tendo em vista a divulgação do conteúdo da delação premiada de sócios da JBS envolvendo o presidente Michel Temer e a gravidade da denúncia” e defende a renúncia de Temer. A sigla comandava dois ministérios, tem nove deputados federais e um senador, Cristovam Buarque (DF). Roberto Freire, agora ex-ministro da Cultura, entregou o cargo na tarde de quinta. Já o ministro da Defesa, Raul Jungmann, “irá permanecer na função pela relevância de sua área de atuação de segurança do Estado brasileiro neste momento de crise e indefinições”, segundo nota assinada pelo presidente da legenda, Davi Zaia.

PSB 

O PSB, que conta com 35 deputados e sete senadores, divulgou uma nota na qual pede a saída do ministro Fernando Bezerra Coelho Filho. O presidente do partido disse que a sigla não pode “admitir” que um de seus membros faça parte de um governo “antipopular que perdeu, por inteiro, sua legitimidade para governar o Brasil”.

PSDB 

É o segundo partido com maior número de ministros no governo Temer, são quatro. O PSDB até ameaçou desembarcar do Planalto, mas decidiu permanecer na base por conta de “sua responsabilidade com o país, que enfrenta uma crise econômica sem precedentes”.

DEM 

O partido no Senado, Ronaldo Caiado (GO), disse que o presidente fez a pior das opções para ele e para o país “ao insistir em permanecer no cargo mesmo admitindo o quadro já instalado de ingovernabilidade”. O senador pediu a renúncia de Temer, admitiu apoiar um processo de impeachment caso ele não renuncie e disse que o peemedebista “desafiou a crise”. Já o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) deve rejeitar todos os pedidos de abertura de processo de impeachment contra o presidente.

PP 

O partido tem dois ministérios. O senador Ciro Nogueira (PI) defendeu “um rápido esclarecimento dos fatos por parte da Justiça, para que o país volte o mais breve possível à normalidade e recupere sua estabilidade política e econômica”. “O PP reafirma o seu compromisso com o Brasil e acredita que as políticas adotadas pelo atual governo do presidente Michel Temer são necessárias para a retomada e consolidação do crescimento do nosso país”, diz o comunicado.

PR 

O PR conta com um ministro no governo e divulgou uma nota assinada pela direção nacional da sigla. “Reiteramos a condição de partido da base governista no Congresso Nacional, na oportunidade em que renovamos a confiança no trabalho do presidente Michel Temer”.

PTB

Com um representante na Esplanada dos Ministérios, o PTB se posicionou por meio de comunicado do líder do partido na Câmara, Jovair Arantes (GO): “em nome da bancada do PTB na Câmara dos Deputados, reiteramos o apoio dos parlamentares do Partido Trabalhista Brasileiro ao governo do presidente Michel Temer”.

PMDB 

A bancada do PMDB da Câmara declarou confiar na palavra de Temer. “No seu pronunciamento, o presidente defendeu a celeridade das investigações comandadas pelo Supremo Tribunal Federal e deixou claro que irá responder a todos os questionamentos. Neste momento, a Constituição Federal tem de ser nosso guia, a fim de garantir o funcionamento das instituições democráticas em favor do povo”, diz a nota assinada pelo líder, o deputado Baleia Rossi (SP). O partido tem oito ministérios.

A reportagem não conseguiu contato com o PRB, PV e PSD.

Noticias ao Minuto

Lula, Dilma, Serra e Renan são os novos alvos da JBS

Os irmãos possuem muito mais provas sobre nomes que, até o momento, estavam passando ilesos.

Nesta sexta-feira (19), delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, vai explodir no colo dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (PT), do ex-presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB) e do ex-chanceler e ex-presidenciável José Serra (PSDB), de acordo com a colunista Eliane Catanhêde, do Estadão.

Segundo a jornalista, os irmãos possuem muito mais provas sobre nomes que, até o momento, estavam passando ilesos. Como os empresários estão soltos, eles assinaram acordo no qual passariam meses gravando interlocutores e pautando os monitoramentos da Poícia Federal. Segundo a colunista, o resultado das demais gravações é devastador, não apenas para Temer e Aécio, mas em todo o mundo político.

Noticias ao Minuto

Aliados indicam renúncia de Temer nas próximas horas

Presidente deve anunciar renúncia em pronunciamento à nação, às 16h.

Aliados e conselheiros do presidente Michel Temer indicam que o mandatário pode renunciar ao cargo na tarde desta quinta-feira (18).

De acordo com diversos jornalistas, que tem acesso a membros do governo, é provável que a renúncia seja anunciada durante o pronunciamento à nação, marcado para as 16h. 

Caso o anúncio seja feito, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, assume o cargo temporariamente, como prevê a Constituição, e convoca o Congresso para que eleja um novo presidente que governará até o final de 2018.

Noticias ao Minuto

PSDB deve romper com governo Temer e defender eleições indiretas

O rompimento está sendo discutido pelos líderes tucanos.

O principal partido aliado ao governo Michel Temer (PMDB) deverá entregar seus cargos, defender a saída do presidente por renúncia ou impeachment e a realização de eleições indiretas no Congresso Nacional. A decisão deve ser tomada na tarde desta quinta (18), e alguns líderes defendiam que apenas era preciso esperar a divulgação do áudio da gravação em que Temer apoia a compra de silêncio de delatores da Lava Jato.

O rompimento está sendo discutido pelos líderes tucanos, que deverão divulgar uma nota com a posição final ainda nesta quinta (18). O consenso que se forma é de que só isso garantirá a sobrevivência mínima do partido. O partido tem quatro ministros no governo, e um deles (Bruno Araújo, Cidades) já defendia o desembarque na noite de quarta (17).

A gota d´água, além do escândalo envolvendo diretamente Temer, foi a operação da Lava Jato contra Aécio Neves (MG). O senador afastado deixou o comando do partido, que dominava desde a campanha de 2014, na qual quase foi eleito presidente contra Dilma Rousseff (PT).

Aécio foi o principal fiador da união entre PSDB e PMDB desde o começo do governo Temer, após a abertura do processo de impeachment de Dilma no ano passado. Foi citado em inúmeras delações e tem inquéritos abertos contra si. Com a delação da JBS, acabou sua condição de continuar liderando os tucanos, o que precipitou a discussão sobre o rompimento.

O outro defensor da aliança, o senador José Serra (SP), já havia deixado o governo em que era chanceler e está se defendendo de acusações na Lava Jato. O principal candidato a assumir a liderança do partido é, ironicamente, o senador Tasso Jereissati (CE), que foi adversário histórico de Serra durante o governo Fernando Henrique Cardoso.

Se romper mesmo, como é provável, o PSDB vai defender o cumprimento da Constituição e defender eleições indiretas. Entre outros motivos, porque Luiz Inácio Lula da Silva (PT) certamente seria candidato em um momento em que as acusações na Lava Jato ainda não erodiram totalmente sua popularidade.

Com Lula candidato, o único rival tucano que poderia batê-lo, avaliam líderes, é o prefeito paulistano João Doria. Como o nome do prefeito não é consenso na cúpula do partido, que ainda gostaria de tentar apostar no governador Geraldo Alckmin (SP), que também se defende na Lava Jato, o ideal para os tucanos seria postergar o tempo político de decisões para 2018. Com informações da Folhapress.

Noticias ao Minuto.

 

Clima para reforma da Previdência mudou, diz Temer

Apesar do discurso confiante, Temer disse que não há plano alternativo em caso de derrota da reforma no Congresso.

O presidente Michel Temer voltou a salientar a importância da reforma da Previdência e disse ter certeza da sua aprovação, em entrevista exibida na noite desta segunda-feira (15) pela Rede Vida.

Apesar do discurso confiante, Temer disse que não há plano alternativo em caso de derrota da reforma no Congresso. “Parece que agora ou a (reforma da) Previdência é aprovada, ou então não tem governo. Não é verdade. Eu acho que a reforma da Previdência é fundamental e será aprovada com apoio do Congresso Nacional, mas não é o único fato que nós levamos adiante no governo”, afirmou.

Para ir ao Senado, a proposta precisa da aprovação de três quintos dos 513 deputados, ou seja, 308 votos favoráveis. O Placar da Previdência, publicado pelo Grupo Estado, mostra que apenas 82 deputados apoiam a reforma. Os contrários são 225, segundo dados atualizados nesta segunda-feira.

“Neste momento, nós estamos trabalhando politicamente. Os partidos estão contando os votos e nós vamos ao plenário quando houver pelo menos os 308 ou mais votos contados. Eu acho que nós teremos (maioria) porque já mudou o clima, tanto na sociedade como no Congresso”, afirmou.

Como exemplos de conquistas de seu governo, Temer citou a melhor relação do Executivo federal com os Estados e com o Congresso Nacional, além da aprovação do teto para as contas públicas.

Lava Jato

O presidente também foi questionado sobre o instrumento de delação premiada, que vem sendo amplamente utilizado na Operação Lava Jato. Sem citar a construtora Odebrecht, Temer disse que “só uma empresa tinha 77 delatores, aí banalizou um pouco”.

“A delação é algo importante, mas claro que é algo também excepcional. A pessoa vai chamar um delator para ter dados investigatórios, não dados condenatórios. As delações precisam ser confirmadas”, reforçou. Com informações do Estadão Conteúdo.

Noticias ao Minuto

Prisão imediata de Lula pode ser evitada pelo STF

Caso o ex-presidente seja condenado em 1ª e 2ª instância, o Supremo pode evitar a prisão imediata.

A decisão sobre o destino do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não saiu, mas são muitas as especulações sobre o futuro do petista. Réu em cinco processos, Lula corre o risco de ser condenado pelo juiz Sergio Moro e, se recorrer a 2ª instância, também pode ser condenado pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região). No entanto, o STF (Supremo Tribunal Federal) pode evitar que o ex-presidente seja preso de imediato.

Segundo a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, embora a maioria da corte geralmente siga a regra que permite a reclusão depois que a sentença de um magistrado é confirmada por um tribunal de 2ª instância, os ministros não são obrigados a adotar esta tese.

Alguns membros do STF avaliam que a prisão de Lula poderia causar uma grande comoção, às vésperas ou mesmo em ano eleitoral, isso poderá influenciar o Supremo a garantir que Lula aguarde em liberdade até que eventual sentença condenatória seja confirmada pelos tribunais superiores de Brasília, em última instância.

Ainda de acordo com a coluna, pelo menos cinco ministros tenderiam a adotar essa conduta: Marco Aurélio de Mello, Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Dias Toffoli. Estes magistrados do STF já têm decidido no sentido de permitir que réus respondam em liberdade até o julgamento de seus processos em terceira instância

No entanto, se condenado em 2ª instância, Lula não deve escapar da Lei da Ficha Limpa e ficará inelegível para 2018.

Noticias ao Minuto

Pai apagava cigarros no rosto de filha mantida refém por dois anos

Jovem de 21 anos foi libertada na última quinta-feira (11) após operação da Polícia Militar.

Uma jovem de 21 anos de Mogi das Cruzes (SP) foi libertada na última quinta-feira (11) após passar dois anos em cárcere privado, em poder do próprio pai.

De acordo com informações do G1, a vítima estava trancada em uma casa trancada e sem iluminação, sem ter contato com outras pessoas. Ela disse que passava fome e tem diversas marcas de agressão pelo corpo, incluindo queimaduras de cigarro feitas pelo pai e a orelha esquerda deformada por facada.

A jovem contou que morava com o pai desde 2006, quando a mãe dela morreu, e que não vai à escola desde os 12 anos. O pai, um segurança de 46 anos, foi preso por sequestro e cárcere privado.

O homem afirmou que mantinha a filha refém para que ela não tivesse relações sexuais com estranhos.

A vítima não tem família e permaneceu na delegacia por não ter para onde ir. A jovem parecia confusa e manteve olhar distante durante o interrogatório. Ela deve ser encaminhada a um abrigo.

Uma das testemunhas, uma mulher de 25 anos, conta que o homem sempre foi muito agressivo e ameaçava as pessoas caso a polícia chegasse ao local. O dono do imóvel usado como cativeiro, de 52 anos, confirmou que a menina era mantida em condições desumanas na casa.

O caso foi registrado como sequestro e cárcere privado. O segurança foi preso e encaminhado para a cadeia de Mogi das Cruzes. A Defensoria Pública deve fazer a defesa do suspeito.

A Secretaria Municipal de Assistência Social informou que tomará todas as medidas de proteção à vítima por meio do Centro de Referência Especializado de Assistência Social.

Noticias ao Minuto

Modelo que foi Miss Teen Paraná morre em acidente

Jovem não resistiu aos ferimentos.

Uma modelo goioerense morreu no fim da tarde desta quinta-feira (11) após um acidente envolvendo uma caminhonete, onde a jovem estava, e um caminhão na rodovia BR-272. Milena Mendes ganhou o título de Miss Teen Paraná LA 2016.

De acordo com o ‘Portal da Cidade’, a colisão aconteceu perto do trevo de Farol. Ainda não há informações sobre as causas do acidente.

Noticias ao Minuto