Audiência de Lula com Moro acaba após quase cinco horas

Os vídeos do depoimento devem ser disponibilizados pela Justiça Federal.

A audiência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o juiz federal Sérgio Moro durou cerca de cinco horas, na sede da Justiça Federal de Curitiba, no Paraná. O interrogatório, na tarde desta quarta-feira (10), iniciou às 14h10 e terminou por volta das 19 horas.

O petista respondeu primeiro a perguntas de Moro, depois foi a vez da assistência da acusação, seguida dos procuradores do Ministério Público Federal.

Houve uma pausa na sessão e, após 10 minutos, o interrogatório foi retomado e Moro fez novas perguntas. Também teve espaço para a defesa apresentar questionamentos e para o ex-presidente fazer as alegações finais.

Após o juiz da Lava Jato, foi a vez de o Ministério Público Federal dar início a seus questionamentos, já por volta das 17h40. Depois da Procuradoria da República, os advogados das partes puderam fazer questionamentos e o ex-presidente teve espaço para fazer as alegações finais.

A denúncia do Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio – de um valor de R$ 87 milhões de corrupção – da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira por meio do triplex 164-A no Edifício Solaris, no Guarujá (SP), e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, mantido pela Granero de 2011 a 2016. O petista é acusado de lavagem de dinheiro e corrupção.

Triplex

O Edifício Solaris era da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), a cooperativa fundada nos anos 1990 por um núcleo do PT. Em dificuldade financeira, a Bancoop repassou para a OAS empreendimentos inacabados, o que provocou a revolta de milhares de cooperados. O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto foi presidente da Bancoop.

A ex-primeira-dama Marisa Letícia (morta em 2017) assinou Termo de Adesão e Compromisso de Participação com a Bancoop e adquiriu “uma cota-parte para a implantação do empreendimento então denominado Mar Cantábrico”, atual Solaris, em abril de 2005.

Em 2009, a Bancoop repassou o empreendimento à OAS e deu duas opções aos cooperados: solicitar a devolução dos recursos financeiros integralizados no empreendimento ou adquirir uma unidade da OAS, por um valor pré-estabelecido, utilizando, como parte do pagamento, o valor já pago à Cooperativa.

Segundo a defesa de Lula, a ex-primeira-dama não exerceu a opção de compra após a OAS assumir o imóvel. Em 2015, Marisa Letícia pediu a restituição dos valores colocados no empreendimento.

Bens

A Lava Jato afirma que a OAS pagou durante cinco anos pelo aluguel de dez guarda-móveis usados para armazenar parte da mudança do ex-presidente Lula quando o petista deixou o Palácio do Planalto no segundo mandato. A empreiteira desembolsou entre janeiro de 2011 a janeiro de 2016, R$ 1,3 milhão pelos contêineres, ao custo mensal de R$ 22.536,84 cada.

Toda negociação com a transportadora Granero teria sido intermediada pelo presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, que indicou a OAS como pagante com o argumento de que a empreiteira é uma “apoiadora do Instituto Lula.” Para investigadores da Lava Jato, os fatos demonstram “fortes indícios de pagamentos dissimulados” pela OAS em favor de Lula. Isso porque o contrato se destinava a “armazenagem de materiais de escritório e mobiliário corporativo de propriedade da construtora OAS Ltda”, mas na verdade os guarda-móveis atendiam a Lula.

Noticias ao Minuto

Dirceu admite que PT pode perder 2018 e defende nova estratégia

Ex-ministro deixou o Complexo Médico-Penal de Pinhais, região metropolitana de Curitiba, na semana passada.

O ex-ministro José Dirceu teria admitido que o PT deve perder a eleição de 2018 e deve repensar a estratégia política até a data do pleito. A declaração teria sido feita a amigos após a liberação do petista do Complexo Médico-Penal de Pinhais, região metropolitana de Curitiba.

As informações são da coluna de Monica Bergamo, do site do jornal Folha de S. Paulo, desta segunda-feira (8).

Dirceu teria comentado, ainda, a atitude do colega de partido e também ex-ministro Antonio Palocci, que vem indicando que pode fechar acordo de delação premiada. Dirceu teria dito que não entende bem a intenção de Palocci, mas que ele é um homem “hábil, paciente e que tem estratégia”.

Noticias ao Minuto

Mais de 20 deputados infiéis a Temer sofrerão retaliação do Planalto

Governo inicia nesta terça (2) exoneração de afilhados políticos de parlamentares que votaram contra reforma trabalhista.

O presidente Michel Temer definiu a estratégia para tentar aprovar a reforma da Previdência em reunião nesta segunda-feira (1º) com ministros e líderes governistas.

De acordo com o jornalista Gerson Camarotti, o o presidente foi bastante direto ao dizer que quem faz parte da base aliada “tem que ter bônus e ônus”.

Ainda segundo o colunista, começa na terça-feira (2) a exoneração de dezenas de servidores públicos cujos padrinhos políticos são parlamentares que votaram contra a reforma da Previdência na Câmara. Mais de 20 deputados devem ser afetados.

“Tem que ter uma punição exemplar. Caso contrário, os deputados que votaram com o governo passam a não ter compromisso”, comentou um ministro que participou do encontro.

Noticias ao Minuto

Ataídes diz que Cinthia pode sair “tranquilamente”; “do PSDB não saio”, avisa vice-prefeita

Crise interna dos tucanos vai para os grupos do diretório regional e metropolitano com críticas políticas e pessoais.

As disputas internas do PSDB do Tocantins chegaram aos grupos de WhatsApp do partido nessa sexta-feira, 21. Em dois áudios enviados ao tucanos do diretório estadual, o presidente regional da legenda, senador Ataídes Oliveira, critica a vice-prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro, destituída do comando metropolitano, e avisa: “Se essa senhora quiser sair do partido, que ela vá tranquilamente para outro partido, se ela assim desejar”. Também em áudio, mas para o grupo tucano de Palmas, Cinthia respondeu: “Do PSDB eu não saio”.

Ataídes disse aos tucanos que não foi informado sobre o processo de criação do diretório metropolitano do partido, encabeçado por Cinthia. Em função disso, destituiu a vice-prefeita do comando metropolitano no dia 11. “A Cinthia não me disse nada. Eu só fiquei sabendo depois por boca de outras pessoas que ela estava montando o diretório”, afirmou o senador no áudio. “Assim sendo, eu pedi para suspender para a gente conversar, para montar o diretório direitinho, verificar com a nacional os procedimentos, etc. Nada disso foi feito. Ela só me mandou uma mensagem bem depois.”

O presidente do diretório tucano afirmou que Cinthia só teria feito uma ligação para ele. “Que está no meu celular. [Cinthia] Disse que várias vezes tentou me ligar. Não é verdadeiro”, ressaltou.

Escolha da vice
Ataídes disse que sempre ajudou Cinthia, desde a morte do senador João Ribeiro, marido dela, em dezembro de 2013. “Eu achei que era o mínimo que eu poderia fazer pelo amigo e também por ela, com uma criança pequena”, afirmou.

Ele contou tê-la designado como presidente do PSDB Mulher e também como presidente da comissão provisória metropolitana. Com relação à vaga de vice do prefeito Carlos Amastha (PSDB), Ataídes lembrou ter apresentado ao pessebista, no ano passado, conforme lhe foi solicitado, três nomes. “A Cinthia estava no terceiro lugar e ela sabe disso porque eu disse isso a ela na época. Mas o prefeito Amastha preferiu escolher o nome dela. E eu aceitei, evidentemente”, relatou.

No áudio em que respondeu o senador, Cinthia disse que essa declaração de Ataídes é importante. “O senador confirma que eu não fui a escolha do PSDB e nem a escolha dele, fui a escolha do prefeito Amastha para ser a vice. Portanto, ele me deixa muito livre para tantas outras coisas”, ponderou. Outro destacado pela vice-prefeita é o fato de o parlamentar ter admitido que a nomeou para a presidência da comissão metropolitana.

Cargos na prefeitura
Ataídes fez um segundo áudio para explicar a indicação de cargos no governo Amastha. “Em 2012, eu fui praticamente um dos únicos que ajudou o prefeito Amastha. No primeiro mandato do Amastha, eu nunca pedi ao prefeito uma tampa de caneta. Ele sabe disso. Nesta agora, voltamos a ajudar, com o partido e com outras ajudas, e eu não pedi nenhum cargo ao prefeito Amastha”, contou.

O senador disse que a única indicação que fez neste segundo mandato foi a do secretário de Habitação, Wesley Fraga. “É meu amigo de longa data. Um engenheiro civil extremamente competente, um doutor. Mas acho que pode agregar mais valores ao prefeito Amastha. Por isso é que ele está lá”, justificou.

Com relação à cunhada dele, Virgínia de Moura Fragoso, secretária executiva de Desenvolvimento Social, Ataídes explicou que ela é servidora concursada da prefeitura e a iniciativa de nomeá-la foi do próprio Amastha. “Eu não pedi para o prefeito Amastha que a promovesse. Pelo contrário, pelo contrário. Foi o prefeito Amastha que fez por sua livre e espontânea vontade. Eu sou um homem da verdade, eu tenho pavor da mentira, tenho pavor de pessoas mentirosas”, ressaltou.

O senador concluiu defendendo que está na política para “contribuir”. “Eu não tenho nenhuma vaidade pelo poder. Eu só quero o poder para ajudar as pessoas. Eu não preciso de dinheiro público, eu já tenho o meu dinheiro ganho com meu suor. Todos vocês sabem disso. Só quero contribuir. Não quero fofoca, não quero intriga, não quero briga. Não estou na política para isso. Espero que vocês um dia descubram o porquê que estou na política”, afirmou.

Forma truculenta
Em seu áudio, no grupo do PSDB de Palmas, Cinthia avaliou que as justificativas de Ataídes para não constituir o diretório metropolitano “não ficaram claras nem para mim e nem para ninguém”. “Aliás, deixou ainda mais claro que fez de forma truculenta, de forma antidemocrática. Mas isso é algo que só a Justiça agora vai definir”, disse a vice-prefeita. Ela ingressou com uma ação contra sua destituição esta semana, mas a liminar foi negada pela Justiça.

Cinthia também se mostrou indignada com críticas de ordem pessoal que Ataídes fez a ela nos áudios do grupo do diretório regional. Entre outras coisas, o senador afirmou que a razão pela qual quer se afastar da vice-prefeita “são coisas terríveis”. “Que vão contra os meus princípios ético e moral. Eu não posso neste momento delatar, e jamais pretendo eu delatar, mas o tempo vai mostrar isto a vocês, como, infelizmente, mostrou a mim. É só dar o poder, é só dar o poder”, insinuou o parlamentar.

Em resposta, a vice-prefeita desafiou Ataídes a “delatar”. “Engraçado, né, que quando o homem quer falar, ele fala da moral da mulher. E eu desafio o senador publicamente a delatar todo e qualquer fato sobre a minha vida que ele um dia possa ter participado. Ele realmente desconhece aquilo que eu sou na prática e que dirá em outras tantas vertentes”, disse Cinthia, que classificou o discurso do presidente tucano de “truculento, machista, desonroso”. “Ali [nos áudios] ele está tentando ser maduro, tentando ser calmo, falando em Deus, mas a gente sabe que, enfim, não é nada disso. Ele está ‘espumando’ de ódio porque ele sabe que esse discurso truculento, machista, desonroso da parte dele, está tendo uma repercussão muito maior do que ele imaginava.”

Para vice-prefeita, “a melhor resposta para o senador virá da melhor forma, e construída solidamente”.

Cinthia Ribeiro, sobre áudio de Ataídes: discurso "truculento, machista, desonroso.
Cinthia Ribeiro, sobre áudio de Ataídes: discurso “truculento, machista, desonroso.
 Fonte: Cleber Toledo

Lula é o presidenciável com maior potencial de votos, diz Ibope

Desde o impeachment de Dilma Rousseff, há um ano, a rejeição ao ex-presidente caiu 14 pontos.

Pesquisa inédita do Ibope mostra que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a ser o presidenciável com maior potencial de voto entre nove nomes testados pelo instituto. Pela primeira vez desde 2015, os eleitores que dizem que votariam nele com certeza (30%) ou que poderiam votar (17%) se equivalem aos que não votariam de jeito nenhum (51%), considerada a margem de erro. Desde o impeachment de Dilma Rousseff, há um ano, a rejeição a Lula caiu 14 pontos.

A pesquisa foi feita antes de vir a público a lista do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), com as delações de executivos da Odebrecht que acusaram o ex-presidente de corrupção, junto com dezenas de outros políticos. Se a divulgação das denúncias prejudicou a imagem de Lula (e de outros denunciados), não houve tempo de isso ser captado pelo Ibope.

Os três principais nomes do PSDB, por sua vez, viram seu potencial de voto diminuir ao longo do último ano e meio. Desde outubro de 2015, a soma dos que votariam com certeza ou poderiam votar no senador Aécio Neves (PSDB-MG) despencou de 41% para 22%. O potencial do senador José Serra (PSDB-SP) caiu de 32% para 25%, e o do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) foi de 29% para 22%. Os três tucanos aparecem na pesquisa com taxas de rejeição superiores à de Lula: 62%, 58% e 54%, respectivamente.

O Ibope testou pela primeira vez o potencial do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), em uma eleição para presidente. Embora seja muito menos conhecido do que seus colegas de PSDB (44% de desconhecimento, contra 24% de Alckmin e 16% de Serra e Aécio), Doria já tem 24% de eleitores potenciais (metade votaria com certeza), ou seja, tanto quanto os outros tucanos, levando-se em conta a margem de erro. Mas sua vantagem é ter uma rejeição muito menor que a dos concorrentes dentro do partido: 32%.

Assim como os nomes tradicionais do PSDB, a ex-ministra Marina Silva (Rede) sofreu redução de potencial de voto e aumento da rejeição. Agora, um terço dos eleitores a indicam como possível opção – eram 39% há um ano.

Método

Entre os dias 7 e 11 de abril, o Ibope realizou 2.002 entrevistas face a face, em 143 municípios de todas as regiões do Brasil. A margem de erro é de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%. As perguntas eleitorais fizeram parte da pesquisa que o instituto conduz mensalmente com questionário variável, o chamado BUS.

Na pesquisa de potencial de voto, o entrevistador apresenta um nome de cada vez e pede ao eleitor que escolha qual frase descreve melhor sua opinião sobre aquela pessoa: se votaria nela com certeza, se poderia votar, se não votaria de jeito nenhum, ou se não a conhece o suficiente para opinar. É diferente da intenção de voto.

Barbosa

Apesar de ter não contar mais com a projeção e a visibilidade inerente ao cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa ainda é considerado um candidato viável à Presidência da República por uma parcela considerável dos eleitores. Na pesquisa Ibope, Barbosa aparece com 24% de potencial de voto (soma das respostas “votaria com certeza” e “poderia votar”).

O ex-ministro, que se celebrizou ao conduzir o julgamento do mensalão e que se aposentou do STF em 2014, também não sofre com os níveis de rejeição atribuídos aos políticos. Apenas 32% dizem que não votariam nele de jeito nenhum – uma das taxas mais baixas entre as dos nove nomes testados pelo Ibope.

Barbosa, porém, não manifestou a intenção de se candidatar em 2018 e nem sequer é filiado a um partido.

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que tenta se beneficiar da onda de rejeição a políticos – apesar de ser parlamentar desde o começo dos anos 1990 -, aparece com 17% de potencial de voto na pesquisa. Seu possível contingente de eleitores cresceu seis pontos porcentuais desde o ano passado, mas a parcela que o rejeita aumentou ainda mais, de 34% para 42%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Noticias ao Minuto

Ação popular denuncia que prefeita contratou 4 irmãos, sobrinha e cunhado

Caso também está sendo investigado pela promotoria de Justiça do Ministério Público. Todos os parentes estariam ocupando cargos no primeiro escalão.

Um suposto caso de nepotismo na Prefeitura de Natividade, sudeste do Tocantins, está sendo alvo de uma ação popular. A denúncia é de que a prefeita Martinha Rodrigues Neto (PTN) contatou quatro irmãos, uma sobrinha e um cunhado para cargos públicos do primeiro escalão.

Conforme a denúncia, os irmãos e irmãs da prefeita ocupam os cargos de secretário de turismo e cultura, secretário de assistência social, chefe do controle interno e secretário de agricultura. Além deles, uma sobrinha da prefeita seria secretária de administração e um cunhado o secretário de finanças.

A ação dos moradores foi proposta na Vara dos Feitos das Fazendas e Registros Públicos da comarca de Natividade nesta terça-feira (18). O argumento é de que as nomeações violam os princípios da moralidade e impessoalidade.

O Ministério Público Estadual (MPE) também instaurou inquérito para apurar a suposta prática de nepotismo. O jornal ligou para a prefeita e para a Prefeitura de Natividade durante toda a tarde, mas as ligações não foram atendidas. No início da noite, a secretária de administração, Luana Rodrigues Botelho Neto, atendeu os telefonemas. Ela disse que vai enviar nota sobre o caso.

Outro caso

Um caso semelhante também está sendo questionado na Justiça em Nova Olinda, norte do Tocantins. Segundo denúncia feita por moradores e confirmada pelo MPE, o prefeito empregou a esposa, a filha, a nora e a cunhada em cargos públicos do primeiro escalão.

Para a promotoria de Justiça que apurou o caso, o entendimento de que cargos políticos não se enquadram como nepotismo não está mais sendo aceito pelos tribunais.

 G1/To

PT acredita que Supremo permitirá candidatura de Lula em 2018

Partidários do ex-presidente dizem que somente o STF pode garintir o nome dele na cédula, já que creem na condenação do petista em primeira e segunda instâncias.

As últimas delações da Odebrecht que vieram à tona trouxeram dezenas de revelações sobre como funcionava o esquema de corrupção no governo. A empresa, inclusive, detalhou como funcionava uma poupança milionária para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Apesar das denúncias contra ele, que não tem foro privilegiado e é alvo de Sergio Moro, setores do Partido dos Trabalhadores (PT) continuam acreditando que o Supremo Tribunal Federal (STF) permitirá a suas candidatura em 2018.

Segundo informações da colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, a maior parte da legenda dá como certa a condenação do petista, em primeira e em segunda instâncias, o que impediria a candidatura.

O ex-presidente, por sua vez, segue afirmando que não teme ser preso. “Eu estou há três anos esperando e duvido que tenha um empresário nesse país que possa dizer em alto e bom som que algum dia o ex-presidente Lula pediu dinheiro para ele”, disse Lula.

Enquanto isso, seus partidários creem que o STF pode garantir a presença dele na cédula eleitoral, sob o argumento de que barrar a candidatura seria muito drástico. Além disso, ainda faltaria o pronunciamento das cortes superiores para a condenação definitiva dele.

Noticias ao Minuto

Com reformas, Temer se ‘autodestruirá perante a população’, diz Dilma

Afirmação foi feita durante palestra em universidade dos Estados Unidos.

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou nesta segunda-feira (10) que o governo do presidente Michel Temer (PMDB) vive uma “contradição” com seus projetos de reformas.

“Se eles não entregarem [as reformas], perdem o apoio de parte da mídia e do mercado. Se entregarem, se autodestroem perante a população”, afirmou a petista, em fala na Universidade Brown, em Rhode Island, nos Estados Unidos. “Vai ter eleição em 2018 e eu não conheço nenhum político que seja suicida”, completou.

A estudantes e professores da faculdade americana, Dilma criticou a PEC do teto de gastos, que estabelece um limite para os gastos públicos pelos próximos 20 anos e afirmou que seu impeachment teve como motivo “estancar a ‘sangria'” da Operação Lava Jato -referência à fala do senador Romero Jucá (PMDB-RR) revelada em gravação- e “implantar o neoliberalismo no Brasil”.

Dilma também afirmou que “não se pode destruir” as empresas e partidos envolvidos em escândalos de corrupção.

“Quem corrompeu e quem foi corrompido que pague, mas os partidos têm de sobreviver”, afirmou a ex-presidente, que defendeu uma Constituinte exclusiva para fazer reforma política e criticou a “despolitização” da sociedade.

Ela afirmou que a corrupção não é “um problema exclusivo da classe política”. “Não acho que tenha um bando de políticos corruptos e um bando de empresários santos e uma população mais santa ainda”, afirmou.

A petista voltou ainda a se referir a uma possível candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República em 2018. “Em 2018, é hora de construir um pacto social. Quem ganhar a eleição ganhou, você tem que reconhecer. O que não vale é tirar no ‘tapetão’ um candidato que pode ganhar. Vocês sabem de quem eu estou falando.”

No final de semana, na Universidade Harvard, também nos EUA, a ex-presidente afirmou se preocupar com a possibilidade de prisão do petista, investigado no âmbito da Lava Jato.

Questionada sobre se faria algo diferente em seu segundo mandato para evitar o impeachment, Dilma afirmou que “a mais óbvia” seria ter evitado uma aliança com o PMDB, partido de Temer, que concorreu em 2014 como vice em sua chapa e não teria adotado isenções de impostos.

“Quando nós estávamos tentando impedir que a crise chegasse ao Brasil, fizemos isenções de impostos, e percebemos que eles não investiram, não criaram empregos, só aumentaram a margem de lucro”, afirmou. Com informações da Folhapress e noticias ao minuto.

Ciro é o maior interessado na inelegibilidade de Lula em 2018

A ausência do petista na disputa poderia beneficiar o candidato do PDT.

Os partidos estão se organizando para as eleições de 2018 e dois nomes estão ganhando espaço na centro-esquerda: Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Ciro Gomes (PDT). No entanto, segundo a coluna Radar Online, da revista Veja, Ciro Gomes está torcendo para que Lula se torne inelegível. A ausência do petista na disputa poderia beneficiar o candidato do PDT.

Ciro Gomes já disse em diversas ocasiões que a eventual candidatura do ex-presidente Lula em 2018 seria um “desserviço” ao país, na medida em que inflamaria ainda mais a divisão “odienta” que rachou o cenário político brasileiro entre “coxinhas”, de um lado, e “petralhas”, de outro.

Enquanto isso, Lula demonstra grande respeito por Ciro. O petista tem esbanjado força nas últimas pesquisas de intenção de voto para 2018, e claramente demonstra o poder de catalisar todo o processo eleitoral em torno de si mesmo.

Como refere a publicação, nenhum brasileiro, nem mesmo o de direita, está tão interessado na inelegibilidade de Lula quanto Ciro Gomes. O pré-candidato já chegou a afirmar que, se Lula concorrer à presidência, ele não terá a menor vontade de se candidatar.

Noticias ao Minuto

Governo vai usar falas de Lula para combater críticos da Previdência

Sobre as declarações da ex-presidente Dilma Rousseff a respeito do tema, palacianos decidiram não usá-las. Eles alegam que seria difícil trabalhar com elas, já que são “confusas”.

O Palácio do Planalto está disposto a explorar as declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para combater os críticos da reforma da Previdência.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, aliados de Temer querem resgatar antigas falas de Lula para apoiar as mudanças nas regras de aposentadorias propostas pelo governo.

Sobre as declarações da ex-presidente Dilma Rousseff a respeito do tema, palacianos decidiram não usá-las. Eles alegam que seria difícil trabalhar com elas, já que são “tão confusas”.

No dia 17 de abril, antes da votação do relatório sobre a reforma da Previdência, o governo organiza um evento para toda a base aliada. Temer e Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, serão os anfitriões.

Noticias ao Minuto