No Senado, Kátia Abreu crítica desvio de função de militares no Tocantins

De acordo com a senadora, é prioritário o combate firme ao crime organizado.

A senadora Kátia Abreu dedicou seu primeiro pronunciamento de 2018 no plenário do Senado ao tema da segurança pública.

A parlamentar afirmou que é necessário equipar e valorizar o policial militar e reiterou que o principal foco do governo deve ser o combate ao crime organizado. Defendeu ainda uma ampla reforma do Código Penal, o qual classificou como uma “colcha de retalhos”.

Kátia Abreu afirmou que a Polícia tocantinense está “totalmente desassistida e desequipada”. O governo estadual, disse, “precisa ser amigo da polícia, e não do bandido”.

“Quando você, de fato, é amigo de polícia, você equipa a polícia, apoia, treina, dá crédito, confere respeito à sua polícia. Agora, quando você faz o contrário disso, como estamos vendo no Brasil e no Tocantins, você, governante, é amigo do bandido e não do policial”, afirmou.

A parlamentar destacou o desvio de função de grande parte dos 3.500 policiais tocantinenses, que, em vez de estarem nas ruas protegendo a população, fazem a segurança de prédios públicos e autoridades.

“Apenas na defesa da Casa Militar do Governador do Estado e de sua família, há mais de 200 policiais militares, protegendo apenas a família e o patrimônio do Governador. Dos 3,5 mil policiais, mais de 700 estão enfurnados nos gabinetes de políticos, de autoridades, vigiando prédios”, criticou.

Crime organizado

Kátia Abreu lembrou que – segundo o Anuário Brasileiro da Segurança Pública – no Tocantins, a taxa de homicídios aumentou 33% enquanto a média do país ficou em 28% nos últimos 10 anos.

“O estado não está dando conta de organizar a vida e de trazer segurança para 1,5 milhão de habitantes, menos que a população de Goiânia. Isso é o cúmulo da falta de gestão, da falta de administração e da falta de pulso”, disse.

De acordo com a senadora, é prioritário o combate firme ao crime organizado. “Nosso adversário é um só. É o crime organizado. Não dá mais. Sessenta e um mil assassinatos no País, e nós estamos vendo o interior do Brasil ser invadido por esses bandidos. O Tocantins está cheio de crack, cocaína, maconha e consumindo a vida das nossas famílias”, discursou.

“Um país que não garante saúde decente nem segurança pública para o cidadão, eu tenho minhas dúvidas se pode ser chamado de país e eu tenho minhas dúvidas se nós podemos nos chamar cidadãos”, concluiu.

Assista à íntegra do pronunciamento da senadora: https://www.youtube.com/watch?v=Yc5dvBkgFbM

Oficialmente pré-candidato ao governo do Tocantins, Carlesse descarta disputar outros cargos

Sobre projetos ele disse que investir e organizar as finanças seriam as prioridades necessárias.

O deputado e presidente da Assembleia Legislativa Mauro Carlesse lançou oficialmente a pré-candidatura ao governo do Tocantins.

A coletiva de imprensa teve apenas a equipe do deputado e não contou com presença dos aliados ou deputados da base dele.

O foco de Carlesse será “Municipalismo e gestão de futuro”. ” Vejo que um estado igual ao nosso tem muita coisa a se resolvida”, comentou.

Questionado por qual motivo já quer disputar o governo tendo sido eleito até hoje apenas para deputado estadual ele ponderou: “acho que o momento é esse. Não ter passado por alguns cargos vejo que é justamente essa a minha vontade: não ter vícios políticos. Estou preparado”, frisou.

“Ainda é cedo, estou aguardando definições”, disse sem estimar quantos deputados tem na sua base de apoio.

Questionado qual sua diferença com relação aos outros nomes ele pontuou: ” não sou político polido mas não vejo nenhum político falando em projeto, só vejo falando de pra trás e para trás….o elo está aberto, faltam projetos para o Estado”, pontuou.

Sobre as dificuldades encontradas na busca de apoios pelo Estado ele citou o descrédito da população como a maior delas.

Sobre projetos ele disse que investir e organizar as finanças seriam as prioridades necessárias. ” Na hora adequada estarei colocando para a imprensa os projetos”, disse.

Falando sobre a região Sudeste ele disse que é preciso mais estrutura para melhorar o desenvolvimento regional. Ele defendeu estudos para as áreas do turismo e agricultura.

Carlesse foi questionado se descarta disputar outro cargo na majoritária e foi claro: ” não tenho outro caminho a não ser esse”, disse.

Sobre os adversários ele comentou: ” respeito todos os candidatos, todos eles…mas os novos projetos tem um horizonte melhor para a população”, contou.

Palmas e velha política

Carlesse foi questionado também sobre a capital Palmas, maior colégio eleitoral do Estado: ” Palmas por ser capital está sendo bem cuidada com um pouco de exagero…tem que cuidar não com sacrifício da forma que está sendo feito com a população. Tem que melhorar a vida da população não aumentando os impostos”, disse ao criticar também os impostos no Estado. ” Tem que colocar bons projetos sem o sacrifício do imposto”, pontuou.

O deputado comentou ainda sobre a nova e velha política e disse que os que tem os interesses próprios são de fato os que tem velhas práticas.

Carlesse defendeu a industrialização e política de atração de investimentos para o Estado. “Um Estado que não tem política para receber empresários vai ficar sempre com o penico na mão”, falou.

Articulações

Carlesse tem articulado com vários partidos dentre eles o MDB de Marcelo Miranda. Sobre os partidos aliados ele disse não ter definições.

Ele falou também à imprensa do histórico de vida familiar e da vinda para o Tocantins. O parlamentar diz ter tido uma vida dura trabalhando muito na ausência do pai.

Começou a vida profissional aos 18 anos. Carlesse disse ter sido bem sucedido como empresário no Tocantins.

Maria José Cotrim – Gazeta do Cerrado

Entenda por que Lula não cai nas pesquisas mesmo após duas condenações

Ex-presidente segue na ponta ainda que declarado culpado, em primeira e segunda instâncias, em caso de corrupção envolvendo imóvel no Guarujá.

Pesquisas do Datafolha divulgadas após as condenações em primeira e segunda instâncias sofridas pelo ex-presidente Lula – uma em setembro e outra no final de janeiro – mostram que as punições não demoveram de parte considerável da população a intenção de voto no petista.

Em declarações ao Uol, cientistas políticos atribuem  o fenômeno a basicamente três motivos: alto índice de desconfiança no Judiciário, incerteza ou indiferença sobre as questões jurídicas envolvendo Lula e as viagens pelo Brasil feitas pelo ex-presidente, nas quais se defendeu da série de acusações que responde na Justiça.

“Esse quadro não é para questionar a qualidade do julgamento em pauta, mas apenas para dizer que os efeitos de uma ação de uma instituição que tem perdido credibilidade tende a ter um efeito reduzido sobre a intenção de voto”, explicou ao portal o coordenador da área de comportamento político da ABCP (Associação Brasileira de Ciência Política), Ednaldo Ribeiro.

Doutoranda em Ciência Política da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a pesquisadora Flávia Bozza Martins pontua que colocar em Lula a posição de grande vilão no que se refere à corrupção endêmica no país também conta.

A despeito de todo o movimento, tanto da mídia quanto do Judiciário, em dar saliência para este tema e de colocar o Lula nesse papel de uma pessoa que concentrou tudo o que se refere à corrupção nas últimas semanas e meses, a atenção um pouco a desconfiança institucional do brasileiro. Acho que isso oferece uma pista de por que isso não quis dizer muita coisa para o eleitor.”

Noticias ao Minuto

‘Coisa de quem é quase um analfabeto político’, diz Lula sobre Moro

‘Coisa de quem é quase um analfabeto político’, diz Lula sobre Moro.

ex-presidente Lula voltou a criticar o Judiciário, nesta terça-feira (6), na primeira entrevista a um veículo de comunicação após sua condenação em segunda instância, 12 anos e um mês de prisão, em regime fechado, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negaram, no último dia 24, recurso dos advogados do petista contra a sentença do juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em primeira instância, no caso do triplex no Guarujá (SP).

Ao comunicador Geraldo Freire, da Rádio Jornal de Pernambuco, Lula não poupou críticas aos magistrados. Para ele, a condenação em segunda instância foi uma forma de “referendar a mentira” da condenação em primeira instância. “Eu fiquei pasmo, até agora sem acreditar no que aconteceu”, disse Lula.

O juiz Sérgio Moro também foi duramente criticado pelo ex-presidente. “Moro inventou uma história. Isso é uma coisa messiânica, de alguém que é quase um analfabeto político”, atacou.

O petista se defendeu das acusações e reafirmou que foi condenado em um processo “sem provas”. “Se eles fizerem uma acusação contra mim e tiverem uma prova, eles podem me desmoralizar perante a opinião pública”. “Eu acho que, na hora que vier a verdade, essas pessoas que mentiram a meu respeito tem que ser exoneradas a bem do serviço público, completou.

Lula também ironizou ao se referir ao auxílio-moradia de membros da Justiça. “Aprendi agora que o povo brasileiro, se não tiver aumento de salário, faça como o juiz Moro e peça auxílio-moradia. Como pode requerer auxílio-moradia quando o povo está perdendo o Minha Casa, Minha Vida?”, disparou Lula.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de fuga, em um cenário de prisão, Lula destacou que a palavra “fuga” não existe para ele. O petista também comentou a declaração, dada há alguns dias, de que não respeita a decisão da Justiça. 

“Eu não sei se onde eles nasceram têm honra. Mas quem nasce em Pernambuco tem honra. Quando eu disse que não respeito a decisão, minha bisneta, quando tiver idade, vai me acusar de covarde”, subiu o tom o ex-presidente. “No Judiciário, tem gente que utiliza o seu cargo como se fosse dirigente partidário”, criticou o petista.

Um dia após o julgamento no TRF-4, o juiz federal Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal em Brasília, determinou, em caráter liminar, que Lula tivesse o passaporte apreendido. A medida foi solicitada pelo Ministério Público Federal (MPF), em virtude de uma viagem que o ex-presidente faria à Etiópia, para participar de um evento da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

No entanto, na última sexta (3), o juiz Bruno Apolinário, ocupando a função de desembargador convocado no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), mandou devolver o documento ao ex-presidente.

Noticias ao Minuto

Ministros milionários ganham auxílio-moradia e alimentação

Casos envolvem nomes como Henrique Meirelles, Alexandre Baldy e Blairo Maggi, entre outros.

Ministros com patrimônio milionário, muitos dos quais defensores do “combate a privilégios”, recebem auxílio público para moradia e alimentação.

Um dos casos mais emblemáticos é o do titular da pasta da Agricultura, Blairo Maggi, que em 2014 foi apontado pela revista Forbes como o segundo político mais rico do país, dono de patrimônio de R$ 3,85 bilhões. Em 2014, segundo publicação da Folha de S. Paulo, ele declarou à Justiça eleitoral ter bens no valor de R$ 143 milhões. Maggi tem um apartamento à disposição em Brasília.

Ex-presidente mundial do BankBoston, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, recebeu R$ 200 milhões em consultorias entre 2015 e 2016, de acordo com o jornal. Atualmente tem de R$ 30.934 e, apenas a partir de novembro, quando se lançou como possível candidato à Presidência da República, passou a abrir mão do auxílio-moradia de R$ 7.337 e do vale-refeição de 458, ambos mensais.

Dono de um apartamento no Lago Sul de Brasília, comprado em 2016 por R$ 7,6 milhões, o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, têm a disposição um apartamento na capital federal que, segundo afirmou à Folha, é usado “com o objetivo de dar suporte às atividades funcionais que não são realizadas em sua residência para preservar a rotina e as necessidades dos filhos, esposa e demais familiares”.

Noticias ao minuto

Justiça manda devolver passaporte do ex-presidente Lula

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve que entregar seu passaporte à Polícia Federal.

O juiz federal Bruno Apolinário, do Tribunal Regional Federal da 1º Região (TRF1), sediado em Brasília, decidiu hoje (2) liberar o passaporte do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na decisão, o magistrado atendeu a recurso para anular decisão da primeira instância da Justiça Federal que apreendeu o documento e proibiu Lula de sair do país.

Na semana passada, o juiz federal Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal em Brasília, determinou, em liminar, a apreensão do passaporte de Lula.
A medida foi solicitada pelo Ministério Público Federal (MPF) em virtude de uma viagem que o ex-presidente faria à Etiópia na sexta-feira passada (26) para ir a um evento da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Lula entregou o passaporte à Polícia Federal, não viajou e participou do evento por meio de teleconferência.

A medida cautelar foi concedida após a confirmação, em segunda instância, da condenação do ex-presidente na ação penal envolvendo o tríplex no Guarujá (SP).

Defesa

No recurso julgado hoje, o advogado Cristiano Zanin, representante de Lula, sustentou que a liminar não tem fundamento concreto e está baseada em suposições.

“Onde está a declaração a indicar que o paciente [Lula] estaria disposto a pedir asilo político? Em lugar algum! A verdade é que não há nenhuma evidência, ainda que mínima, de que o paciente pretenda solicitar asilo político em qualquer lugar que seja ou mesmo se subtrair da autoridade da decisão do Poder Judiciário Nacional”, argumentou o advogado. Com informações da Agência Brasil.

Noticias ao Minuto

Cenário sem Lula altera táticas de pré-candidatos

Esse processo, contudo, só deverá ser concluído em setembro e o PT afirma que vai insistir com o nome do ex-presidente até o fim.

ex-ministro Ciro Gomes, do PDT, vai ampliar as negociações para uma aliança com o PSB; o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) decidiu aumentar o ritmo de entrevistas a veículos de comunicação; depois de anunciar que não concorreria, o apresentador e empresário Luciano Huck (sem partido) voltou a figurar como possível presidenciável na disputa de outubro.

Os fatos políticos descritos mostram que a expectativa de uma eleição sem a presença de Luiz Inácio Lula da Silva já mexe com o quadro eleitoral e com a estratégia de pré-candidatos ao Planalto.

Se por um lado a possível ausência do ex-presidente contribui para deixar o cenário ainda mais indefinido, ela também aumenta a possibilidade de pulverização das candidaturas à Presidência.
Líder nas intenções de voto, o petista tende a ficar impedido de disputar mais um mandato no Planalto por causa da condenação em segunda instância no caso do triplex do Guarujá (SP).
Com a decisão colegiada da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), Lula poderá ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa.

Esse processo, contudo, só deverá ser concluído em setembro e o PT afirma que vai insistir com o nome de Lula até o fim.

Nesta quarta-feira, 31, foi divulgada a primeira pesquisa após a decisão do TRF-4. O Datafolha mostrou que o petista mantém a dianteira, com até 37% das intenções de voto.

Sem Lula, Bolsonaro (atingindo até 20 pontos porcentuais) lidera os cenários do primeiro turno e quatro nomes aparecem em segundo lugar – Marina Silva (Rede), Ciro, Geraldo Alckmin (PSDB) e Huck.

A pré-candidata da Rede e o presidenciável do PDT são os que mais se beneficiariam da migração de votos do petista.

Esta situação deixa Marina em situação de melindre. Ao mesmo tempo em que procura arregimentar o eleitorado lulista, a ex-ministra do Meio Ambiente no governo do petista manteve uma postura de distância do ex-chefe no processo do TRF-4.

A Rede chegou a divulgar nota que concluía que “todos são iguais perante a lei”.

Para aliados, Marina terá de modular o discurso para atrair parcela dos simpatizantes de Lula. Procurada nesta quarta, a Rede informou que a ex-ministra não iria dar entrevista.

No caso de Ciro, o foco no momento é o PSB, legenda com a sétima maior bancada na Câmara, com 32 deputados, e com influência em Estados do Nordeste, entre eles, Pernambuco e Paraíba, onde possui governadores, e do Sudeste, como São Paulo e Minas Gerais.

Além de buscar alianças, Ciro deve intensificar viagens pelo Brasil. A ideia é aproveitar lançamentos de pré-candidaturas do partido a cargos majoritários para rodar o País.

Ele também já definiu o perfil de candidato a vice que vai procurar. “Queremos alguém com bom relacionamento com o empresariado do Sul-Sudeste. Procuramos um José Alencar”, disse o novo líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE), em referência ao vice-presidente da República – morto em 2011 – durante os dois governos Lula.

Pernambuco

No caso do PSB, a estratégia de Ciro é trazer o partido para sua órbita por meio dos integrantes da legenda em Pernambuco, considerada a ala mais lulista e cuja posição tem peso nas decisões nacionais da sigla.

O PSB também se movimenta entre a candidatura própria – uma ala trabalha para filiar o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa – e numa articulação pró-Alckmin do vice-governador de São Paulo, Márcio França (PSB).

O tucano voltou a minimizar nesta quarta o resultado das pesquisas neste momento. “O voto vai ser decidido lá na frente, a população tem mostrado maturidade quando as decisões são tomadas mais próximas do período eleitoral.

A tarefa é ir para o segundo turno”, afirmou Alckmin, que fez elogios a Huck. “Ele tem realmente espírito (público), vocação, pode servir como candidato e pode servir como não sendo candidato”, disse. “Se ele vai ser candidato ou não, cabe a ele avaliar.”

Cobiçado pelo PPS, o apresentador da TV Globo voltou ao espectro da eleição presidencial. O deputado Roberto Freire, presidente da legenda, disse que a presença de Huck no levantamento do Datafolha representa “um fato novo, que voltou à tona”. “Vamos ver como é que isso vai prosseguir. Vai depender muito dele.”

Bolsonaro avalia que uma eventual ausência de Lula da corrida presidencial pode favorecê-lo. “O Lula saindo, quem vai ser mais beneficiado numa pesquisa isenta vai ser eu. É o meu sentimento. Nesse debate quem é que pode chamar quem de ladrão? Acho que só eu”, disse o parlamentar.

Mais conhecido pelo trabalho político nas redes sociais, o presidenciável agendou para a próxima semana pelo menos dez conversas com radialistas de São Paulo, do Rio e de Estados do Sul. Ele ainda deverá ter rápidas participações em programas de rádio do Nordeste e do Centro-Oeste.

Com uma postura crítica a jornais, revistas e TVs dos grandes centros, o deputado se desdobra para atender a pedidos de conversas com profissionais do interior dos Estados e de cidades das regiões metropolitanas.

O resultado do Datafolha reforça a estratégia petista de insistir com o nome de Lula. O aumento recorde de votos brancos e nulos sem a presença de Lula, constatado pelo instituto, deu base para petistas dizerem que a exclusão do ex-presidente pode deslegitimar a eleição. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Noticias ao Minuto

Vicentinho Alves participa de reunião em Palmeirópolis nesta sexta-feira (2)

Vicentinho participa de reuniões políticas no Sul do Tocantins.

O senador Vicentinho Alves (PR/TO) vai percorrer a região Sul do Tocantins para participar de reuniões com prefeitos, lideranças e moradores a fim de tratar sobre a liberação de mais recursos na saúde, educação e infraestrutura, além de visitar obras em andamento nas localidades.

Nesta sexta-feira, 2, o parlamentar visita as cidades de Peixe, Sucupira, Jaú  do Tocantins, São Salvador e a partir das 19:30 ele estará em Palmeirópolis.

A reunião será na Câmara Municipal da cidade, onde a ex-vereadora e representante do senador Vicentinho Alves, Márcia Araujo, juntamente com o prefeito Fábio Vaz, vereadores,  e também a sociedade, vão estar recebendo o líder político com sua comitiva.

No sábado, 3, as visitas acontecem nas cidades de Araguaçu, Alvorada, Talismã, Cariri e Gurupi. No domingo, 4, Vicentinho visita Dueré, Aliança, Crixás, Santa Rita e Brejinho.

T1noticias

Lula soma cinco eleições para se declarar mais votado da humanidade

Iniciativa foi inspirada em um discurso feito pelo ex-presidente durante ato em defesa de sua candidatura.

OInstituto Lula somou a votação obtida em cinco eleições disputadas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para afirmar que o petista é mais votado da história da humanidade.

O site lula.com.br divulgou, nesta quinta-feira (1º), um levantamento para mostrar que Lula foi mais votado que o ex-presidente americano Barack Obama.

A iniciativa foi inspirada em um discurso feito por Lula durante ato em defesa de sua candidatura, no qual o petista afirmou talvez ter sido mais votado da história.

Para chegar ao cálculo de 136,4 milhões de votos, o instituto levou em conta a votação obtida nos primeiros turnos, de 1989 a 2006.

O site apresenta um quadro com uma ilustração na qual mãos seguram uma medalha e as fotos dos políticos e suas respectivas votações.

No ranking, Vladimir Putin é o terceiro colocado, seguido de Franklin Roosevelt.

O metalúrgico de São Bernardo também entrou para a história do Brasil e das urnas em 1986, quando foi eleito o deputado constituinte mais votado do país, com mais de 651 mil votos, exalta o texto. Com informações da Folhapress.

Noticias ao Minuto

Em ano eleitoral, maioria dos deputados estaduais do TO afirma que buscará reeleição

A maioria dos deputados estaduais do Tocantins afirma que irá buscar a reeleição e que é cedo para definir apoio a candidatura para o Executivo.

Na primeira sessão da Assembleia Legislativa em 2018, realizada na manhã desta quinta-feira, 1º, os deputados estaduais comentaram suas pretensões para as eleições deste ano.

A maioria afirma que irá buscar a reeleição. Já sobre apoio aos pré-candidatos ao governo do Estado, os parlamentares disseram que é precipitado um anúncio neste momento.

Entre os entrevistados nesta manhã, apenas Ricardo Ayres se posicionou e saiu em defesa da candidatura do prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB). 

Sobre as reeleições, Toninho Andrade (PSD) afirma que vai concorrer, mas disse que quer deixar para depois do carnaval sua caminhada pelo Estado, ressaltando ainda que não tem definido o seu apoio para a disputa ao governo. “Defino no dia 3 de abril”, pontuou o deputado que está em seu quarto mandato.

Luana Ribeiro (PDT) evidenciou que mesmo com o clamor para que ela dispute uma vaga no Congresso Nacional, ela pretende sair, novamente, como deputada estadual. “Gosto do Tocantins. Quero ficar aqui”. A deputada viaja nesta quinta para Araguaína para cumprir agenda pelos municípios da região Norte do Estado.

O deputado Ricardo Ayres, recém regresso à Casa após ter exercido o cargo de secretário de Desenvolvimento Urbano de Palmas, disse que se manterá no cargo até o final do mantado e sai também para reeleição. Seu apoio é pela candidatura do prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB). Ricardo garantiu, também, que Alan Barbiero, que o substituiu na AL no momento em que ele esteve como secretário, será lançado pelo partido como candidato ao Senado Federal em grande evento que será divulgado em breve.  

O petista Zé Roberto revelou que ainda está em um momento de planejamento e  discussão, mas que deve sair à reeleição. Sua pré-campanha pelo Estado começa amanhã com o deputado Paulo Mourão (PT), que buscará sua candidatura ao governo do Estado. Juntos, os parlamentares vão visitar Caseara, Marianópolis, Divinópolis, Abreulândia e Dois Irmãos.

O deputado Ivory de Lira (PPL), que assumiu a vaga do deputado Júnior Evangelista (PSC), que deixou a AL para ser secretário de Habitação de Palmas, ambiciona com as eleições uma vaga permanente na Casa.

A líder do Governo na Casa, deputada Valderez Castelo Branco (PP), afirmou que também vai à reeleição. E o deputado Eli Borges (Pros) revelou que ainda não definiu seu posicionamento para as eleições deste ano.

Reportagem do T1tocantins