Votos brancos, nulos e abstenções batem recorde e superam candidatos no Tocantins

Números deste domingo (24) superaram o 1º turno, quando 43,54% dos eleitores não escolheram nenhum candidato. No 2º turno, 51,83% dos eleitores votaram branco, nulo ou não foram às urnas.

A soma de votos brancos, nulos e abstenções novamente foi expressiva na eleição suplementar para o governo do Tocantins. Ao todo, 51,83% dos eleitores não escolheram nenhum dos candidatos no segundo turno, realizado neste domingo (24). Esse percentual representa 527.868 eleitores e superou a soma dos votos conquistados pelos dois candidatos (490.461).

No primeiro turno, quase metade dos eleitores não optou por nenhuma das candidaturas. A abstenção, somada de votos brancos e nulos, chegou a 43,54% dos votos no dia 3 de outubro. O número também é muito superior ao registrado na última eleição regular para governador, em 2014. Na época, os índices somados chegaram a 31,84% do eleitorado.

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), neste domingo, a abstenção chegou a 355.032 mil eleitores. Além disso, 17.209 votaram em branco e 155.627 preferiram anular o voto.

Apesar dos números, Mauro Carlesse (PHS) foi eleito no segundo turno com 75,14% votos válidos, 368.553. Vicentinho ficou em segundo com 24,86% dos votos válidos, 121.908. A apuração do TRE terminou por volta de 19h20 do domingo (24).

A eleição suplementar foi convocada após a cassação do ex-governador Marcelo Miranda (MDB) e da vice dele, Cláudia Lelis (PV). Os dois foram considerados culpados por captação ilegal de recursos para a campanha eleitoral de 2014 pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Carlesse vai ficar no cargo até 31 de dezembro e pode concorrer à reeleição em outubro.

Mauro Carlesse é eleito governador do Tocantins para o mandato-tampão

Com 95% das urnas apuradas, Carlesse (PRS) tem 75% dos votos válidos e já não pode ser alcançado por Vicentinho Alves (PR). Ele vai ficar no cargo até o dia 31 de dezembro e pode concorrer à reeleição em outubro.

Mauro Carlesse (PHS) foi eleito governador do Tocantins neste domingo 24, com mais 360 mil votos válidos.

Com quase 100% das urnas apuradas, ele tem 75% dos votos válidos e já não pode ser alcançado por Vicentinho Alves (PR). Ele recebeu a informação em Gurupi, onde acompanha a apuração.

Carlesse vai ficar no cargo até o dia 31 de dezembro e pode concorrer à reeleição em outubro. A posse está prevista para o dia 9 de julho.

A eleição suplementar foi convocada após a cassação do ex-governador Marcelo Miranda (MDB) e da vice dele, Cláudia Lelis (PV). Os dois foram considerados culpados por captação ilegal de recursos para a campanha eleitoral de 2014 pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Eleitores ausentes

O dia foi de seções vazias e poucas filas em todo o estado. O número final de abstenções só deve ser divulgado após o fim da apuração, mas a preocupação com a ausência dos eleitores foi tanta que durante a manhã o TRE chegou a divulgar um vídeo convocando os cidadão a comparecer. No primeiro turno o índice foi mais de 30%, estabelecendo um novo recorde para o estado. O número deve ser ainda maior no segundo turno.

Perfil

Carlesse nasceu em Terra Boa (PR) e no Tocantins atuou como empresário e agropecuarista. Ele iniciou na política ao se filiar no Partido Verde (PV) em 2011. Foi candidato a prefeito em Gurupi nas eleições de 2012. No ano seguinte, filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e venceu as eleições de 2014 para deputado estadual.

Foi eleito em julho de 2016 e assumiu o cargo de presidente da Assembleia Legislativa para o biênio 2017/2019.

O deputado assumiu o governo do Tocantins após a cassação de Marcelo Miranda (MDB) e Cláudia Lelis (PV) e se candidatou para permanecer no cargo.

Promessas de campanha

No plano de governo apresentado ao TRE e durante a campanha eleitoral, o goverador eleito apresentou várias propostas.

Planejamento e gestão

  • Redução sistemática no número de servidores contratados e nomeados;
  • Contenção de despesas e negociação de dívidas;

Educação

  • Melhorar a estrutura das escolas estaduais com foco no modelo de tempo integral;
  • Implantar unidades de escolas técnicas e militares;
  • Realizar anualmente o salão do livro;

Segurança Pública

  • Investir em inteligência, informação e tecnologia de forma compartilhada com outras instituições públicas;
  • Promover força-tarefa nas cidades de Araguaína, Porto Nacional, Paraíso, Gurupi e Araguatins;

Infraestrutura

  • Recuperar a malha asfáltica e as estradas vicinais;
  • Viabilizar contratos para obras de infraestrutura em 139 municípios;
  • Construir ponte sobre o rio Tocantins em Porto Nacional e sobre o rio Araguaia, em São Geraldo;
  • Viabilizar construção de novas rodovias e atuar com o governo federal para o efetivo funcionamento da ferrovia norte-sul e iniciar a duplicação da BR-153, conclusão da BR-242 e BR-010;

Saúde

  • Zerar a fila de cirurgias eletivas na rede hospitalar;
  • Reorganizar cargos e funções para reduzir gastos;
  • Concluir obras de reforma e ampliação de obras em hospitais.

Carlesse destaca Araguaína como exemplo para o Estado

Durante visita na tarde desta quinta-feira, 21, em Araguaína, na região Norte do Estado, o candidato Mauro Carlesse (PHS), da coligação Governo de Atitude, afirmou que o município é referência tanto para as outras cidades como para a gestão estadual.

Acompanhado do prefeito Ronaldo Dimas, dos deputados estaduais Olyntho Neto (PSDB), Valderez Castelo Branco (PP) e Luana Ribeiro (PSDB), além dos deputados federais César Hallum (PRB) e Lázaro Botelho (PP), Carlesse visitou o comércio local e bairros da cidade.

“Uma cidade que tem crescido muito e é um exemplo. A gente olha para Araguaína para que seja um espelho para o resto das outras cidades”, afirmou Carlesse.

Dimas ressaltou que Carlesse é o melhor para Araguaína e para o Estado. “Isso ele já está mostrando”, declarou o prefeito.

Ascom Mauro Carlesse

Gleisi visita Lula e discute lançamento de pré-candidatura nos Estados

Senado disse que ex-presidente está com boas expectativas em relação ao julgamento no STJ, na próxima semana.

Asenadora e presidenta nacional do PT , Gleisi Hoffmann, encontrou-se com o ex-presidente Lula, nesta quinta-feira (21), na sede na Polícia Federal, em Curitiba. Ele está preso no local, desde o dia 7 de abril, condenado a 12 anos e um mês de prisão, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá (SP).

“Vim despachar com o ex-presidente sobre a pré-campanha dele. Ele está muito animado e deu orientações. Vamos montar um calendário de lançamentos da pré-candidatura nos estados”, disse Gleisi, na saída da visita. Ela estava acompanhada do ex-presidente uruguaio Pepe Mujica.

Segundo a senadora, o ex-presidente pediu a definição urgente das propostas de seu governo, principalmente na área econômica. Ela ainda contou que Lula vai escrever artigos semanais para falar diretamente ao povo sobre suas propostas, mas detalhou onde o material será divulgado.

A presidenta nacional do PT relatou também que Lula tem expectativas positivas em relação ao julgamento de um recurso dele no Superior Tribunal de Justiça (STJ), na próxima terça-feira. “Ele tem expectativas, sim, e falou: ninguém diz por que estou preso aqui”, disse a senadora, que foi cumprimentada pelo ex-presidente pela absolvição dela no Supremo Tribunal Federal (STF), na noite de terça-feira. “Ele ficou feliz e considera que essa vitória pode restabelecer o princípio do devido processo legal”, contou.

Noticias ao Minuto

Carlesse diz que o povo não quer ofensas entre candidatos e defende campanha propositiva

Carlesse defendeu uma campanha limpa, na qual os candidatos estivessem empenhados em apresentar suas propostas e não em promover ataques pessoais aos opositores.

Recebido pelos moradores do Setor Santa Bárbara, região sul de Palmas, na noite desta terça-feira, 19, o governador interino e candidato ao Governo na eleição suplementar, Mauro Carlesse, reforçou seu compromisso de continuar fazendo uma gestão sem promessas, mas de ações concretas para atender às demandas da população do Estado.

“Eles estão falando que eu não vou a debates e programas de televisão. Eu não sou homem de ficar debatendo uma coisa que não tem projeto. Se ele tivesse um projeto para nós discutirmos, eu iria na hora, sem dificuldade. Mas ir lá para ofender ou ver a mim e minha família sermos ofendidos, eu acho que o povo não quer isso. O povo quer projeto, quer ver ação. O povo precisa ser atendido agora”, frisou o candidato da coligação Governo de Atitude.

Carlesse também defendeu uma campanha limpa, na qual os candidatos estivessem empenhados em apresentar suas propostas e não em promover ataques pessoais aos opositores. “Não precisa disso. Eles têm que respeitar um pouco mais o povo. Mas enquanto eles estão falando, nós estamos fazendo, do nosso jeito, com simplicidade, respeitando as famílias e a justiça eleitoral”, destacou.

O governador voltou a reforçar as ações que vem adotando em sua gestão interina, citando como exemplo seu desejo de aumentar o efetivo de policiais militares nas ruas. Para tanto, no primeiro momento, tem determinado a redução no número de militares prestando serviços administrativos. “Eu quero diminuir a quantidade de policiais que tem ainda no Palácio Araguaia. Quando assumimos, havia 200 homens lá, hoje tem 60 e eu ainda não entendi para que tanto policial lá dentro. Eles tinham que estar é aqui na comunidade, protegendo o cidadão”, apontou.

Em meio a aplausos e manifestações de apoio, reafirmou que o trabalho será a tônica de sua gestão. “Eu respeito, tenho dignidade e estou trabalhando para o povo. Em 30 anos eles não deram conta de fazer o que nós estamos fazendo em 60 dias e se Deus nos der a vitória no dia 24, vamos ter oportunidade de mostrar muito mais trabalho”, disse.

O encontro no Santa Bárbara reuniu centenas de pessoas e fechou um dia de atividades de campanha no qual Carlesse percorreu os municípios de Paraíso, Nova Rosalândia, Pium, Cristalândia e Lagoa da Confusão. A reunião com os moradores no sul de Palmas contou com a presença de lideranças da região e líderes políticos do Estado, como o candidato a vice da coligação, Wanderlei Barbosa, os deputados estaduais Eduardo do Dertins e Eli Borges e os vereadores da Capital Milton Neres, Leo Barbosa, Claudemir Portugal e Vandin do Povo, que do Santa Bárbara, dentre outros.


Coligação Governo de Atitude

 

Carlesse reforça campanha limpa e defesa da estabilidade

Carlesse defendeu que uma campanha sem ataques reforça a estabilidade que o cidadão tocantinense deseja.

O governador interino e candidato mais votado do primeiro turno nestas eleições suplementares, Mauro Carlesse, coligação Governo de Atitude, reforçou que pretende seguir realizando uma campanha limpa, sem ataques aos adversários e respeitando o eleitor tocantinense. 

“Vou continuar respeitando a população tocantinense e até os adversários. Eu que não vou entrar no desespero deles. Já começaram a atirar para tudo que é lado. Mas o eleitor fala todos os dias que não aceita mais essa velha política. Podem revirar a vida do Carlesse. Não devo nada, sou ficha limpa, não tenho nenhuma condenação e nunca fui envolvido em corrupção”, declarou.

Mauro Carlesse disse que seguirá mantendo a linha de propositiva. “O tocantinense quer saber é do Opera Tocantins, é do pagamento do Plansaúde, do pagamento dos servidores no começo do mês, da data-base, da recuperação das rodovias, do reinício das obras paradas e tudo isso nós já estamos fazendo”, afirmou. 

“Eles viram que as promessas vazias não surtiram efeito e partiram para a baixaria e para travar o Governo de todo jeito, mas eu não entro nessa. Minha conversa é direta com o eleitor, é olho no olho, é falando a verdade. Não quero saber da vida privada de ninguém. Quero saber é de resolver os problemas do Tocantins”, finalizou.

Ascom Mauro Carlesse

 

Carlesse e Vicentinho: Conheça o perfil dos dois candidatos a governador no 2º turno

Eles vão disputar o Palácio Araguaia no dia 24 de junho. Quem for eleito vai ficar no comando do estado até o dia 31 de dezembro.

O governador interino Mauro Carlesse (PHS) e o senador Vicentinho Alves (PR) vão disputar no segundo turno o cargo de governador do Tocantins. Carlesse teve 30% dos votos válidos e Vicentinho 22% no primeiro turno da Eleição Suplementar. Agora os eleitores têm mais três semanas para decidir qual deles vai ficar no comando do Palácio Araguaia

G1 fez um resumo dos perfis dos dois candidatos. Tanto Carlesse quanto Vicentinho são agropecuaristas e começaram as carreiras políticas no interior do estado, mas há várias diferenças nas trajetórias deles. Confira:

Mauro Carlesse (PHS)

Carlesse nasceu em Terra Boa (PR) e no Tocantins atuou como empresário e agropecuarista. Ele iniciou na política ao se filiar no Partido Verde (PV) em 2011. Foi candidato a prefeito em Gurupi nas eleições de 2012. No ano seguinte, filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e venceu as eleições de 2014 para deputado estadual.

Foi eleito em julho de 2016 e assumiu o cargo de presidente da Assembleia Legislativa para o biênio 2017/2019.

Em 2015, Carlesse se envolveu em uma polêmica ao ser preso no departamento de assessoria militar da Assembleia Legislativa, em Palmas. A prisão foi decretada por causa de um processo de execução de pagamento de pensão alimentícia contra o parlamentar, que corre na comarca de Barueri (SP). Na época, o advogado do parlamentar, Sandro Henrique Armando, disse que houve uma divergência nos valores defendidos pelas partes.

O deputado assumiu o governo do Tocantins após a cassação de Marcelo Miranda (MDB) e Cláudia Lelis (PV) e se candidatou para permanecer no cargo.

Vicentinho Alves (PR)

Vicentinho Alves tem 60 anos e é natural de Porto Nacional, na região central do Tocantins. Ele foi prefeito da cidade entre 1989 e 1992. Ficou alguns anos fora da política e voltou em 1999, quando se elegeu deputado estadual ficando no cargo até 2007.

Em 2008 foi eleito deputado federal e em 2011 ficou como suplente de senador. Alves assumiu a vaga que Marcelo Miranda não pode ocupar após ser barrado pela Lei da Ficha Limpa. Hoje é primeiro-secretário da mesa diretora do Senado.

Além da carreira política, Alves é piloto comercial, agropecuarista e empresário.

G1 Tocantins

Ao agradecer os mais de 122 mil votos recebidos, Amastha garante que “a chama se mantém viva” para disputar o governo em outubro

Ex-prefeito de Palmas, que se surpreendeu com o alto índice de votos brancos e nulos e também com as mais de 300 mil abstenções, comemorou a vitória em Araguaína: “Foi uma coisa maravilhosa, derrotamos todos eles”
O candidato a governador do Tocantins pela coligação A Verdadeira Mudança, Carlos Amastha (PSB), por meio de redes sociais, agradeceu aos mais de 122 mil votos obtidos neste domingo, 3, na eleição suplementar do Tocantins para mandato tampão até 31 de dezembro. Ele terminou na terceira colocação.
Amastha avaliou o resultado, comentou índice enorme de votos nulos e brancos e ratificou que segue na disputa pelo Palácio Araguaia em 7 de outubro. “A chama se mantém viva. Vamos ver como essa esperança vira votos. Obrigado a todos, tantos os voluntários, a juventude e mulherada. Seria mais lindo se o resultado fosse favorável nas urnas, mas valeu”, afirmou.
Amastha revelou seu espanto quanto ao número de votos nulos e em branco. Com 99,73% de votos apurados, foram registrados 121.673 (17,15%) votos nulos e 14.622 (2,06%). Entretanto, 306.325  eleitores deixaram de votar, registrando abstenção de 30,16%. “Foram muitos votos nulos, brancos e abstenção. Essa revolta das pessoas não encaminha para votar em gente que possa fazer a diferença. A abstenção faz o que falei durante toda a campanha: [beneficiam] eles, os que continuam a serem eleitos”, afirmou Amastha. “A velha política ainda domina com muita força o cenário político do nosso Estado. Menos de 35% de votos conscientes”, complementou.  
 
Vitória em Araguaína e reflexão pra outubro
Amastha manifestou contentamento com o resultado que obteve em Araguaína. “Foi uma coisa maravilhosa, derrotamos todos eles”, declarou. Na cidade, ele obteve 22.113 (37,46% dos votos válidos). Mauro Carlesse ficou em segundo com 18.281 (30,97%), Márlon Reis terminou em terceiro com 8.184 votos (13,87%) e Vicentinho Alves ficou em quarto, com 6.796 (11,91%).
Via Twitter, Amastha ainda parabenizou os candidatos Márlon Reis, do Rede, e Mário Lúcio Avelar, do Psol. “Vamos reunir o grupo e refletir”, declarou.
Ascom Carlos Amastha

Comícios em Araguaína e Palmas consagram vitória de Carlesse: “Vamos governar este Estado juntos”

Os últimos grandes comícios da campanha eleitoral em apoio à candidatura de Mauro Carlesse (PHS), da coligação Governo de Atitude, ao Governo do Estado para o pleito suplementar deste domingo, 3, reuniram multidões em Araguaína e na região sul de Palmas na noite desta quinta-feira, 31.

No norte do Estado, a força dos líderes do município no apoio ao candidato levou mais de 10 mil pessoas ao setor Araguaína Sul para aplaudir Carlesse. Simultaneamente, em Palmas, milhares de pessoas de Taquaralto e de outros bairros da região, como o Setor Taquari e as Aurenys, foram ao encontro do governador interino para defender a estabilidade do Estado, com a permanência de Carlesse à frente do Executivo até dezembro.

Em meio à multidão, ele garantiu que seu governo terá verdadeira participação popular. “Nós vamos governar este Estado juntos. As decisões têm que ser tomadas junto com a comunidade. Quem sabe do sofrimento é quem está lá na ponta”, destacou. Ele defendeu a adoção de medidas urgentes para reduzir os preços abusivos pagos pela população para ter acesso a produtos como gás de cozinha e combustível. “Nós temos que tomar uma decisão nesse Estado e diminuir esses impostos. É assim que queremos o Tocantins. Não é fazendo promessas, mas realizando agora”, frisou.

Carlesse voltou a destacar as importantes medidas que seu governo interino conseguiu executar em pouco mais de um mês, a exemplo da implantação do programa Opera Tocantins, que está tirando milhares de pessoas de filas de até 3 anos para realização de cirurgias eletivas. Desde que foi iniciado, conforme destacou, foram realizadas uma média de 40 cirurgias/dia, resgatando a dignidade dos pacientes. Além disso, também apontou medidas adotadas no âmbito da educação, segurança e funcionalismo público, cujos salários de mais de 60% dos servidores estão sendo pagos nesta sexta-feira, 1 de junho.

Araguaína

O palanque recheado de líderes de Araguaína e região foi a demonstração de uma campanha vitoriosa que cresceu na hora certa e colocou Carlesse em primeiro lugar na corrida pelo Palácio Araguaia. “Fico feliz em ver tantos líderes importantes nos apoiando. Araguaína me traz uma energia tão grande que só me fortalece em todo o Estado. Estamos firmes porque estou no Governo não para fazer debates em momento que nos exige realizações urgentes”, disse Carlesse.

Palmas

Após passar por Araguaína, Carlesse chegou ao comício em Taquaralto, onde foi recebido com entusiasmo pelos moradores, líderes políticos de Palmas e lideranças comunitárias da região sul. “Eu não poderia ficar calado neste momento em que vejo essa multidão abraçando a candidatura deste homem que tem palavra, que tem compromisso com o povo do Tocantins. Nós do Taquari não poderíamos ficar de braços cruzados com tantas falsas promessas que foram feitas naquele bairro, com tanta mentira e enganação. Usaram e abusaram daquele povo e o troco nós vamos dar no dia 3 de junho, com Mauro Carlesse governador”, destacou Ronaldo da Moradia, representando os moradores do Taquari.

O palanque de Carlesse na Capital contou com a presença do candidato a vice-governador Wanderlei Barbosa, dos deputados federais Professora Dorinha e Carlos Henrique Gaguim, dos deputados estaduais Olyntho Neto, Eli Borges, Cleiton Cardoso e Luana Ribeiro, presidente da Assembleia Legislativa; dos vereadores Marilon Barbosa, Vandim do Povo, Léo Barbosa, Milton Neres e Claudemir Portugual; ex-vereadores do município, dentre tantos outros.

O último comício da campanha de Carlesse em Palmas foi encerrado com uma oração conduzida pelo deputado e pastor Eli Borges. De mãos dadas, a multidão agradeceu e pediu pelo Estado do Tocantins e por um futuro melhor para a população.

Goiatins

Antes dos comícios em Araguaina e Palmas, o próximo governador Carlesse passou em Goiatins, onde realizou uma grande carreata e recebeu o apoio de Max Luz, presidente da Câmara Municipal, e dos vereadores Claudio Cruz, Jose filho, Salmeron Luz, Edimilson do Cartucho, além do ex-prefeito Manoel Natalino e do presidente do PHS de Goiatins Gilson Fernandes.

Ascom Coligação Governo de Atitude

Confira como foi o debate realizado com os candidatos ao governo do Tocantins

Programa foi exibido pela TV Anhanguera e pelo G1 Tocantins. Eleição será realizada no próximo domingo (3) e candidato eleito fica no cargo até 31 de dezembro.

Foi realizado na noite desta quinta-feira (31) o debate da TV Anhanguera com os candidatos ao governo do estado. Participaram do programa os candidatos Carlos Amastha (PSB), Kátia Abreu (PDT), Marcos Souza (PRTB), Márlon Reis (Rede), Mário Lúcio Avelar (PSOL) e Vicentinho Alves (PR). Mauro Carlesse (PHS) foi convidado, mas não compareceu.

O programa foi dividido em blocos, sendo que no 1º e 3º os candidatos fizeram perguntas com temas livres. No demais, as perguntas foram sobre temas sorteados: meio ambiente, cultura, lazer e esporte, obras públicas, funcionalismo público, turismo, desenvolvimento econômico, agronegócio, gasto público, geração de emprego e malha viária.

A eleição suplementar para o governo do Tocantins será realizada no próximo domingo (3). Mais de um milhão de eleitores devem ir às urnas para escolher quem fica no cargo até 31 de dezembro. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral, a eleição vai custar R$ 15 milhões.

Confira o que cada candidato falou sobre o debate:

Carlos Amastha (PSB)

“Fiquei triste porque não fui perguntado. Pareceu como se eu não tivesse comparecido. Infelizmente, essa é a regra do jogo e a gente se sujeita, mas fiquei feliz pelo momento. Parabéns ao Grupo Jaime Câmara por esse momento, que é a exaltação da democracia. É disso que se trata, de poder oportunizar que o povo do Tocantins tenha opção de escolha para que no domingo, dia 3, a gente vire essa página da história e que realmente comece a viver tempos melhores. Uma pena que a gente não foi chamado as vezes que gostaria para poder expor as nossas ideias, mas acho que foi suficiente para marcar a diferença perante os outros candidatos.”

Kátia Abreu (PDT)

“É muito bom para a população conhecer as propostas apesar de o tempo ser muito curto para as perguntas e respostas. A gente, no fundo, fica nervosa, com a mão gelada, querendo falar sobre o programa de governo. Tem muita coisa que a gente precisa falar, mas é um espaço maravilhoso e muito importante. Tenho certeza que poderá ser decisivo. Mesmo a gente não podendo falar tudo que precisava e deveria para que a população conhecesse, mas nós temos o nosso Face, instrumentos e programas de governo para poder distribuir. Agradeço ao Grupo Jaime Câmara e à TV Anhanguera por essa oportunidade que, com certeza, no dia 3 de junho fará a diferença.”

“O Tocantins vive uma insegurança jurídica há muitos anos e nós queremos alertar aos nossos eleitores, a família tocantinense, para não correr o risco de novamente ter que fazer novas eleições. As pessoas precisam ter consciência. Eu sou um candidato ficha limpa, sou um pai de família, tenho três filhos, todos formados com o meu recurso. Entendo que a sociedade precisa saber avaliar e não pode ser enganada novamente. O Tocantins não merece mais esta situação. O debate foi positivo. Nós entendemos que houve algumas alterações, mas tudo dentro da normalidade. Foi uma oportunidade de cada um se apresentar perante a sociedade. Nós fizemos a nossa parte.”

Márlon Reis (Rede)

“Eu estou muito satisfeito. Eu entendo que foi um papel democrático fantástico cumprido pela TV Anhanguera e eu considero que pude exercitar o meu direito de voz para deixar muito claro a diferença do nosso projeto em relação ao projeto de todos os demais. Nós não estamos falando de política aqui, nós estamos falando de mudança, transformação efetiva. Consegui, tenho certeza, neste espaço democrático concedido, deixar bem claro a nossa diferença em relação a todos estes projetos atrasados que eu entendo tentam dar continuidade ao atraso no estado do Tocantins”.

Mário Lúcio Avelar (PSOL)

“O debate é muito importante e nós procuramos colocar as nossas propostas. Quero dizer para a população tocantinense que se ela quer a mudança, ela tem que ser agente dessa mudança. A verdadeira mudança só vai se dar quando a população se convencer de que se manter os mesmos políticos não haverá mudança no sentido de melhorar a vida das pessoas. É preciso que a gente tire os políticos antigos, os políticos tradicionais e dê oportunidade para que uma nova política, uma nova gestão comprometida com a moralidade, a ética e o combate à corrupção seja realizada no Estado.”

“Tive pouca oportunidade de ser perguntado. Deixei de colocar muitas propostas de governo. Parecia um jogo orquestrado. Alguns pra ofensas, outros para evitarem as perguntas, mas na medida que me foi possível me posicionar, me posicionei de forma firme, transparente e clara. Demonstrei minhas certidões perante a Justiça, em ordem. Apresentei as minhas considerações no sentido de agradecer aos prefeitos, prefeitas, vereadores, vereadoras, vice-prefeitos e aos líderes que estão nos abraçando nessa caminhada. Uma campanha fantástica, de modo que nosso propósito eu deixei claro. Vai ser um governo para organizar o Estado e cuidar das pessoas.”