Após desbloqueios em distribuidoras, sindicato luta para abastecer postos de combustíveis em Goiás

Segundo representante, caminhões irão ser abastecidos e circularão em horário excepcional. Dos sete polos obstruídos por protesto contra alta nos preços, apenas um segue fechado.

Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Goiás (Sindiposto) deve realizar, a partir da madrugada de quinta-feira (16), uma espécie de força-tarefa para abastecer os postos de combustíveis de Goiás. De acordo com o órgão o intuito é tentar voltar a enviar o produto após bloqueios em distribuidoras durante protesto contra a alta nos preços. Dos sete polos em que havia impedimento, apenas um segue obstruído.

Conforme o representante do Sindiposto, Antônio Carlos de Lima, as distribuidoras vão operar em horário especial para poder normalizar a situação. No último balanço, divulgado na tarde desta quarta-feira (15), 60 cidades tinham falta de algum combustível, sendo que 15 não tinham nem etanol nem gasolina. O ato é organizado por motoristas, caminhoneiros, taxistas, mototaxistas e motoristas de aplicativos de transporte particular.

“Vamos fazer uma força-tarefa para tentar despachar 700 caminhões amanhã [quinta-feira] entre 3h e 19h. Isso é a capacidade máxima que temos em termos de logística no momento. Mesmo assim, ainda não vai suprir a necessidade de todo o estado”, disse Lima..

Lima prevê que, se os desbloqueios forem mantidos, a previsão é que todos os postos tenham combustíveis em quantidades satisfatórias na sexta-feira (17).

O ato começou na madrugada de segunda-feira (13). Em três dias de protesto e impedimento nas distribuidoras, a TV Anhanguera apurou que mais de 2 mil caminhões deixaram de ser rodar. Além disso, cerca de 46 milhões de litros de combustíveis deixaram de circular.

O Sindposto estima que o protesto causou um prejuízo de cerca de R$ 40 milhões ao setor.

 Liberação

Após liminares, os manifestantes deixaram nesta manhã três dos sete polos de distribuição de combustíveis, sendo dois em Senador Canedo e um em Goiânia. As outras foram desocupadas na parte da tarde por ação policial. Até às 20h desta quarta, os manifestantes bloqueavam a entrada de somente uma distribuidora, no Jardim Novo Mundo, na capital.

Apesar dos desbloqueios, segundo o Sindiposto, 90% das distribuidoras não tiveram expediente em virtude do feriado. O restante conseguiu carregar e liberar poucos caminhões carregados. Além de Goiás, as distribuidoras também fornecem o produto para os estados de Mato Grosso, Bahia e Tocantins.

Com o bloqueio, muitos postos de Goiânia e em cidades do interior ficaram sem gasolina e etanol. Motoristas enfrentaram longas filas para tentar abastecer. Além da espera, os clientes enfrentam altos preços no litro da gasolina, que pode chegar a R$ 4,99.

O advogado do movimento, Vinícius Pedro Giacomini Biazus, informou que deve entrar com recurso contra as três liminares. “Devemos recorrer ainda hoje, é questão de tempo”, disse.Ação contra os postosPostos de combustíveis ficaram sem etanol e gasolina em Goiânia (Foto: Guilherme Mendes/TV Anhanguera)

Por causa do preço do etanol, a Superintendência Estadual de Proteção aos Direitos do Consumidor (Procon-GO) propôs uma ação contra 60 postos de combustíveis suspeitos de aumento abusivo no valor do combustível. Segundo o órgão, alguns estabelecimentos tiveram lucro de até 120% em Goiânia. O reajuste também influencia no valor da gasolina.“A elevação do etanol sem justa causa está mantendo o preço da gasolina do jeito que está, elevado desta forma por falta de opção do consumidor de buscar o outro combustível”, afirma a superintende do Procon-GO, Darlene Araújo.

A Polícia Civil está investigando a formação de cartel entre postos de combustíveis de Goiânia. Segundo a corporação, o processo está em andamento na Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra o Consumidor. O Procon também acredita nessa prática. 

ICMS

Os manifestantes reclamam do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é de 30% para a gasolina e de 25% para o etanol. Eles também protestam contra a prática de cartel entre os postos, padronizando os preços. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), Goiânia tem o valor médio do litro da gasolina mais caro do país.

Em nota divulgada na segunda-feira, a Secretaria da Fazenda negou que o aumento dos preços ocorreu por causa do ICMS cobrado dos postos. “Embora a alíquota do ICMS de combustível seja aparentemente elevada, ela está em linha com a tributação que diversos estados brasileiros praticam. Grande parte deles cobra entre 25% e 31%”.

Ainda de acordo com a secretaria, a “última alteração da alíquota de gasolina fará dois anos em janeiro, que passou de 27% para 28%, mais os 2% de contribuição do Fundo Protege.

De lá para cá, no entanto, vários aumentos de preços foram repassados ao consumidor. Além disso, existem diversos benefícios fiscais que diminuem a carga tributária do etanol (25%), diesel (16%) e etanol anidro (que é misturado à gasolina). No caso do etanol, a maioria das usinas também tem o benefício somado do Produzir, resultando em carga tributária real entre 9% e 11%.” 

O representante do Sindiposto afirma que não existe essa prática criminosa no setor. “Para ter cartel, tem que ter combinação prévia, dolosa e com fim de manipular mercado. Até hoje nenhum dono de posto foi condenado por cartel no estado de Goiás. Na Justiça não se prova a combinação prévia, dolosa e com fim de manipular mercado”, justificou Lima.

G1/GO  

Goiânia já tem 30 postos com falta de combustível por causa do protesto contra alta nos preços

Grupo bloqueia as entradas das distribuidoras desde a madrugada de segunda-feira (13). Com isso, produtos não estão sendo reabastecidos.

O protesto contra o aumento no preço dos combustíveis continua a bloquear a entrada de distribuidoras da Grande Goiânia na manhã desta terça-feira (14). De acordo com informações do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Goiás (Sindiposto), a manifestação já faz com que pelo menos 30 postos trabalhem com falta de algum tipo de combustível para atender os clientes.

O ato começou na madrugada de segunda-feira (13) e bloqueou a porta de distribuidoras localizadas em sete polos em Goiânia e Senador Canedo, na Região Metropolitana da capital. Elas são responsáveis pelo fornecimento para todo o estado.

De acordo com Antônio Carlos de Lima, representante do Sindiposto, a situação do desabastecimento deve piorar ao longo do dia. “Até as 9h desta terça-feira eram pelo menos 30 postos que já trabalhavam na Grande Goiânia sem algum tipo de combustível, então, se a situação não for resolvida hoje, há um risco de desabastecimento, pois essas distribuidoras não funcionam no fim de semana. Sem contar que ainda tem o feriado nesta quarta-feira”, destacou.

Segundo o sindicato, cerca de 250 caminhões esperam nesta manhã nas portas das distribuidoras para carregar o combustível.”Estamos enfrentando dois problemas, que é o preço alto e o risco de desabastecimento. Com isso, muitos consumidores estão correndo aos postos para tentar abastecer e correm o risco de não ter o atendimento”, destacou.

Em Goiânia, o litro da gasolina comum pode chegar a R$ 4,49 e o do etanol a R$ 3,29. De acordo com o presidente da Cooperativa de Motoristas Particulares do Estado de Goiás (Coompago), Fabrício Nélio Feitoza, um dos líderes do movimento, enquanto esses valores não forem reduzidos, o protesto vai continuar.

“Não vamos sair daqui enquanto as autoridades não fizerem algo. Não há condições de manter os nossos orçamentos assim, então, os motoristas que estão aqui vão seguir firmes até o governo dialogue sobre a questão”, disse.

Transtornos

O site fez um giro pelos postos da capital e constatou que já há falta de alguns tipos de combustíveis. “Aqui acabou tudo. O etanol acabou na segunda feira e a gasolina agora de manhã. É só vai normalizar quando desbloquear as distribuidoras. Apesar do movimento baixo nos últimos dias, ontem e hoje o pessoal já procurou mais, com medo de que acabe em todo lugar e aí ficar sem combustível pra andar”, disse a auxiliar de um posto no Setor Vila Nova, Rafaela Matsuka.

O motorista de aplicativos de transporte Maycom Sander Magalhães tentou abastecer o carro com etanol, mas foi informado que não havia mais no posto. “Antes eu gastava R$ 50 por dia. Agora é entre R$ 75, R$ 80. Isso no fim do mês faz muita diferença. E não compensa abastecer com gasolina, é muito mais caro e não rende tanto. O jeito é procurar outro posto que tenha etanol”, afirmou.

O locatário de imóveis Sebastião Camilo Braga diz que a alta no preço dos combustíveis prejudica todos os setores. “Tudo precisa ser transportado de um lugar para o outro, então como depende do combustível, tudo fica mais caro, como a comida, remédios, tudo”, disse.

Em outro posto no Setor Pedro Ludovico, o gerente Rogério Gomes afirma que o estoque está baixo, mas ainda dá para trabalhar até o feriado da Proclamação da República. Apesar da queda no movimento, ele apoia o protesto dos motoristas.

“Tem realmente que se fazer algo para diminuir essas pressões. Não é só o motorista que sofre com esses aumentos, os postos também, porque o movimento cai bastante. O pessoal não abastece mais a mesma quantidade de antes”, disse.

Protesto

O protesto começou por volta das 5h de segunda-feira. O grupo é formado por motoristas, caminhoneiros, mototaxistas, taxistas e motoristas de aplicativos. Os manifestantes se reuniram em frente ao estacionamento do Estádio Serra Dourada e seguiram pela GO-020 até a porta das distribuidoras em Senador Canedo.

Os manifestantes reclamam do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é de 30% para a gasolina e de 25% para o etanol. Eles também protestam contra a prática de cartel entre os postos, padronizando os preços. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), Goiânia tem o valor médio do litro da gasolina mais caro do país.

Em nota divulgada na segunda-feira (13), a Secretaria da Fazenda negou que o aumento dos preços ocorreu por causa do ICMS cobrado dos postos. “Embora a alíquota do ICMS de combustível seja aparentemente elevada, ela está em linha com a tributação que diversos estados brasileiros praticam. Grande parte deles cobra entre 25% e 31%”. Ainda de acordo com a secretaria, a “última alteração da alíquota de gasolina fará dois anos em janeiro, que passou de 27% para 28%, mais os 2% de contribuição do Fundo Protege. De lá para cá, no entanto, vários aumentos de preços foram repassados ao consumidor. Além disso, existem diversos benefícios fiscais que diminuem a carga tributária do etanol (25%), diesel (16%) e etanol anidro (que é misturado à gasolina). No caso do etanol, a maioria das usinas também tem o benefício somado do Produzir, resultando em carga tributária real entre 9% e 11%.”

O representante do Sindiposto, Antônio Carlos de Lima, afirma que não existe essa prática criminosa no setor. “Para ter cartel, tem que ter combinação prévia, dolosa e com fim de manipular mercado. Até hoje nenhum dono de posto foi condenado por cartel no estado de Goiás. Na Justiça não se prova a combinação prévia, dolosa e com fim de manipular mercado”, justificou.

Ação contra os postos

Por causa do preço do etanol, a Superintendência Estadual de Proteção aos Direitos do Consumidor (Procon-GO) propôs uma ação contra 60 postos de combustíveis suspeitos de aumento abusivo no valor do combustível. Segundo o órgão, alguns estabelecimentos tiveram lucro de até 120% em Goiânia. 

O reajuste também influencia no valor da gasolina.“A elevação do etanol sem justa causa está mantendo o preço da gasolina do jeito que está, elevado desta forma por falta de opção do consumidor de buscar o outro combustível”, afirma a superintende do Procon-GO, Darlene Araújo.

A superintendência informou que pesquisou o preço do etanol em 160 estabelecimentos entre o fim do mês de outubro e início de novembro. Conforme o levantamento, o lucro bruto dos postos de combustíveis saltou de R$ 0,24 para R$ 0,53 por litro de etanol vendido, sem justificativa, nestas 60 unidades. O Procon-GO divulgou a lista dos postos acionados no site do órgão.

O advogado do Sindiposto defendeu que a atitude dos estabelecimentos acionados não é ilegal. A entidade, que representa grande parte dos postos da capital, informou ainda que a postura foi adotada pela minoria.

“Ter lucro no comercio não é proibido. Há 1.620 postos, destes, 60 estavam querendo ganhar um lucro maior que os outros. Que mal há nisso? Não é proibido ter lucro. Na visão do Sindiposto, é prática normal de comerciantes quererem ter lucro. Como tem até 40 centavos de diferença de preço, cabe o consumidor procurar onde está mais barato”, disse Antônio Carlos ao G1.

A Polícia Civil está investigando a formação de cartel entre postos de combustíveis de Goiânia. Segundo a corporação, o processo está em andamento na Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra o Consumidor. O Procon também acredita nessa prática.

Manifestantes bloqueiam distribuidora de combustíveis em Goiânia e Senador Canedo (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

 

G1/Goiás

Motorista bêbado fica ferido após carreta despencar de ponte na BR-153

Segundo PRF, queda foi de aproximadamente 10 metros, em Porangatu. Bafômetro acusou embriaguez de condutor, que sofreu lesões e foi levado ao hospital.

Um motorista de 38 anos ficou ferido após a carreta que ele conduzia cair de uma ponte, na madrugada deste domingo (12), na BR-153, em Porangatu, região norte de Goiás. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o único ocupante estava embriagado e foi levado ao hospital.

Ainda de acordo com a corporação, a queda no Córrego do Ouro foi de aproximadamente 10 metros de altura. Com o impacto, o veículo ficou completamente destruído.

A carreta estava vazia e parte dela ficou na água. Já a cabine parou no barranco. O condutor foi socorrido consciente, mas com lesões. Ao passar pelo teste do bafômetro, o resultado apontou um índice de 0,47 miligramas de álcool por litro de ar expelido.

A PRF informou que, por conta da situação clínica do caminhoneiro, não pôde prendê-lo. Com o pulso quebrado, ele foi encaminhado ao hospital.

A carreta ainda não foi retirada do local até às 20h deste domingo.Motorista bêbado fica ferido após carreta despencar de ponte na BR-153, em Goiás (Foto: PRF/Divulgação)

G1/Goiás

Ônibus tomba ao desviar de tamanduá e deixa 16 feridos na BR-364

Segundo PRF, 4 pessoas foram socorridas pelo Samu em estado grave; outros 12 tiveram ferimentos leves.

Um ônibus com trabalhadores de uma indústria tombou e 16 passageiros ficaram feridos, na sexta-feira (10), na BR-364, em São Simão, na região sul de Goiás. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o motorista tentou desviar de um tamanduá que cruzava a pista e perdeu o controle da direção.

Segundo a PRF, quatro pessoas foram socorridas em estado grave pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não há a informação sobre o hospital para onde elas foram levadas. Os outros 12 passageiros tiveram ferimentos leves e foram encaminhados para unidades de saúde da cidade.

Não conseguimos contato com o Hospital Municipal de São Simão, as ligações não foram atendidas.

O acidente ocorreu por volta das 23h da sexta-feira, em São Simão. De acordo com a PRF, o veículo levava 13 homens e 3 mulheres, funcionários de uma indústria alimentícia, para assumirem o turno noturno na fábrica. Conforme divulgado pela corporação, chovia bastante no local, o que pode ter favorecido o tombamento.

O motorista do veículo foi submetido ao teste do bafômetro, que não indicou ingestão de bebida alcoólica.

O site tentou contato, por telefone, com Fioretur, responsável pelo veículo, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta reportagem.

G1/Goiás

Homem morre durante incêndio dentro de casa em Goiás

Segundo Corpo de Bombeiros, Ernesto Cardoso dos Santos, 49, estava com hematomas, queimaduras, e pode ter morrido em decorrência da intoxicação.

Um homem de 49 anos morreu, neste sábado (11), durante um incêndio na casa dele, em Goiânia. De acordo com o Corpo de Bombeiros, Ernesto Cardoso dos Santos estava com hematomas, queimaduras pelo corpo e pode ter morrido em decorrência de intoxicação pela fumaça. A suspeita é que o fogo tenha sido acidental.

A diarista Juliana da Silva Justino, vizinha da vítima, foi quem acionou o Corpo de Bombeiros. Ela contou que acordou assustada com a fumaça. “Eu estava dormindo, aí acordei sentindo aquele forte cheiro de queimado, aquela fumaça. Eu me assustei e levantei, quando olhei pro barraco do lado estava saindo muita fumaça de dentro, aí chamamos os bombeiros na hora”, disse.

O incêndio ocorreu por volta de 4h40 deste sábado, na Rua BV 9, no Setor Boa Vista, na região noroeste da capital. Ao ver o fogo, vizinhos arrombaram a porta, que estava trancada, e entraram no imóvel. De acordo com testemunhas, os vizinhos combateram o fogo antes da chegada dos bombeiros, mas o homem já estava morto.

De acordo com a corporação, há a suspeita que o fogo tenha começado a partir de um curto circuito em uma TV de tubo. A Polícia Técnico-Científica foi acionada para fazer perícia no local.

Segundo Juliana, a casa tem um cômodo e fica dentro do mesmo lote onde o irmão da vítima mora. “É um barraco pequeno, que divide espaço com o irmão. Ele morava sozinho neste barracão. Foi uma situação bem triste que a gente não tem ideia de como aconteceu”, afirmou.

G1 entrou em contato com o Instituto Médico Legal (IML) de Goiânia, que informou que o corpo não havia sido liberado até as 8h45 deste sábado.

G1/GO

Empresário é morto a tiros dentro de carro em Goiás

Família diz que Francisco de Queiroz, 42, estava indo fazer a entrega de uma pizza; parentes acreditam que ele foi vítima de uma tentativa de roubo.

O empresário Erisvan Francisco de Queiroz, de 42 anos, foi morto a tiros dentro do carro dele, nesta quarta-feira (7), em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. De acordo com familiares, ele era dono de uma pizzaria e tinha saído para fazer uma entrega, quando foi assassinado. O caso é investigado pela Polícia Civil.

De acordo com um parente da vítima, que não quis se identificar, Erisvan era uma pessoa querida e sem inimizades. Ele acredita que o familiar tenha sido vítima de uma tentativa de assalto. “Ele era muito conhecido por ser uma pessoa muito trabalhadora, pai de família. Era uma pessoa que todo mundo gostava. Pode ter sido tentativa de roubo pelo horário, pelo fato do carro dele ser visado para roubo”, disse.

O crime ocorreu nesta madrugada, na Avenida Santana, na Vila Souza, em Aparecida de Goiânia. Segundo a Polícia Técnico-Científica, o homem dirigia em direção à BR-153 quando foi baleado, com o carro ainda em movimento. O veículo só parou depois que bateu em uma placa, no canteiro central da via.

Testemunhas disseram para a polícia que o atirador estava em uma moto. No entanto, alguns depoimentos alegam que, na verdade, o criminoso estava em um carro. Câmeras de segurança da região deve ajudar nas investigações. De acordo com a perita criminal Dayane Galvão, todo o material recolhido pela perícia deve ser analisado.

“Conseguimos identificar que o carro estava em movimento, porque tinham marcas de fricção e marcas do pneu ao longo da via. Conseguimos achar também projéteis de arma de fogo dentro do veículo, que serão enviados para a balística, para determinação de calibre, e comparações microbalísticas futuras”, explicou.

O caso é apurado pelo Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) de Aparecida de Goiânia.

G1/Goiás

Jovem entra em escola e mata adolescente em Goiás

Segundo a Polícia Civil, autor tem 19 anos e vítima, 16; investigadora disse que ele cometeu crime por sentir ‘ódio’ da menor.

A estudante Raphaela Novince, de 16 anos, foi morta a tiros, na manhã desta segunda-feira (6), dentro de uma escola em Alexânia, no Entorno do Distrito Federal. Segundo a delegada Rafaela Wiezel, o suspeito é Misael Pereira Olair, de 19 anos, que foi preso logo após o crime. A investigadora disse que ele afirmou que “sentia ódio” da vítima e que, por isso, resolveu comprar uma arma, e matá-la.

Conforme disse a delegada, Misael é um ex-aluno do Colégio Estadual 13 de Maio, em Alexânia, local onde o fato ocorreu. A investigadora acredita que o crime tenha sido passional.

“Ele alega que é conhecido ‘de longa data’ da vítima, e que sentia muito ódio da menina. A partir do depoimento dele entendemos que ele tentou namorar com ela, mas foi rejeitado. Por conta disto resolveu comprar uma arma, adentrar na escola onde ela estava e ceifar a vida dela”, disse.

O caso ocorreu no início desta manhã no Colégio Estadual 13 de Maio, em Alexânia. De acordo com a delegada, Misael entrou na escola, invadiu a primeira sala de aula do corredor, mas não encontrou Raphaela. Em seguida ele entrou na segunda sala, foi direto ao local onde a adolescente estava e disparou vários tiros contra ela, que morreu no local.

G1 entrou em contato às 9h40, por telefone e email, com a assessoria de comunicação da Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esporte (Seduce) e aguarda um posicionamento do órgão sobre o caso.

“Ele nos disse que foram 11 disparos, todos eles no rosto da menina. Tudo isso reforça o indício de crime passional, ele tinha estudado na escola no ano passado e tinha guardado este sentimento de “ódio”. Nós já ouvimos o depoimento dele, agora vamos seguir os procedimentos”, afirmou a delegada.

A investigadora disse que o suspeito tentou fugir logo após o crime, mas foi preso minutos depois pela Polícia Militar. Segundo a Polícia Civil, o jovem vai ser autuado em flagrante por homicídio qualificado e deve ser encaminhado ao presídio, onde ficará à disposição do Poder Judiciário.

G1/Goiás

Morre em Goiás mulher baleada por vizinho que queria matar a esposa no Tocantins

Sandra Gomes da Silva, 38, estava na casa da irmã, em Formoso do Araguaia, quando vizinhos invadiram a casa discutindo.

Uma mulher de 38 anos morreu, no sábado (4), em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, depois de ser baleada pelo vizinho da irmã dela, em Formoso do Araguaia, no Tocantins. Segundo registro de ocorrência da Polícia Civil, Sandra Gomes da Silva foi atingida por engano, depois que o autor invadiu a casa da irmã da vítima querendo atirar na esposa.

Ela chegou a ser socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), e encaminhada para o Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa). Em nota, a unidade de saúde explicou que a paciente de 38 anos deu entrada no sábado, às 10h30, com ferimentos graves provocados por arma de fogo. ela passou por cirurgia, mas não resistiu e morreu por volta das 16h10, durante a operação.

O crime ocorreu na manhã da última sexta-feira (3), em Formoso do Araguaia, na região sul do Tocantins, divisa com Goiás. Após Sandra ser transferida pelo Samu para Aparecida de Goiânia, o marido da vítima registrou o caso, no sábado (4), no 1º Distrito Policial da cidade, que deve submeter a investigação para a delegacia da cidade onde o fato ocorreu.

Conforme consta no registro de ocorrência, a vítima estava na casa da irmã, quando um casal de vizinhos, na residência ao lado, começou uma discussão. Segundo relato do marido à polícia, minutos depois da briga começar, a mulher do vizinho invadiu a casa onde a vítima estava, fugindo do companheiro, quando o homem entrou armado atirando e, por engano, atingiu Sandra.

Ela foi socorrida pelo Samu, levada ao Huapa e, às 16h45 de sábado, morreu na unidade. O corpo foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) de Aparecida de Goiânia e, segundo o órgão, já foi liberado à família.

G1/TO

Trio é preso suspeito de furtar 12 mil litros de combustíveis em Goiás

Combustível era armazenado em uma casa no Setor Marista Sul; Polícia Civil tenta identificar compradores do produto.

Três homens foram presos, nesta sexta-feira (3), suspeitos de furtar, armazenar irregularmente e vender combustíveis em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. De acordo com a Polícia Civil, em menos de um mês foram desviados mais de 12 mil litros de diesel de uma transportadora. O produto era vendido mais barato para consumidores, que podem ser responsabilizados.

De acordo com o delegado André Fernandes, responsável pelas investigações, os tanques clandestinos ficavam dentro de uma residência, e que o ponto foi descoberto pela polícia após vizinhos reclamarem do forte cheiro do combustível. Segundo ele, o funcionário de uma transportadora desviava a rota, e passava pelo local para vender o produto a R$ 2 o litro para os receptadores.

“Nós descobrimos que este caminhão, que é responsável por abastecer a frota desta transportadora, saía antes do horário, para desviar a rota, e vender para os receptadores. Nós conseguimos pegar o exato momento em que estava ocorrendo o desvio do caminhão para estes tanques em uma residência”, contou o delegado.

A operação foi deflagrada nesta madrugada, em Aparecida de Goiânia. Os suspeitos foram encontrados em um dos pontos onde havia o armazenamento clandestino do combustível, no Setor Marista Sul. Foram presos o motorista do caminhão, o gerente responsável pelo controle numerário, para organizar a fraude do combustível, e o receptador.

“No momento em que realizamos a prisão, entramos em contato com o dono da empresa, que ficou surpreso. Ele nos informou que aquela rota não pertencia à rota habitual do caminhão, então ficou clara a questão do furto qualificado pelos empregados desta empresa de transporte”, contou.

Conforme o delegado, cada vez que o caminhão-tanque parava no depósito clandestino, eram armazenados cerca de 1,5 mil litros de diesel. Além da casa onde eles foram presos, a polícia identificou outros dois pontos de venda clandestina. O próximo passo das investigações, segundo Fernandes, é identificar os consumidores.

“Estas pessoas estão sendo investigadas. A investigação já perdurava por dois meses, então temos muitas filmagens ao longo deste período. Alguns caminhoneiros paravam em ruas pouco movimentadas, para transferir o combustível de um para o outro”, completou.

Os envolvidos foram levados para o 1º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia e devem responder por crime ambiental, furto qualificado e receptação.

G1/Goiás

Casal morre após carro bater contra caminhão na BR-153, em Uruaçu

Segundo PRF, acidente ocorreu quando a vítima tentava fazer uma ultrapassagem em um local proibido.

Um homem de 37 anos e a mulher dele, de 34, morreram após o carro em que eles estavam bater de frente contra um caminhão, no sábado (28), na BR-153, em Uruaçu, na região norte de Goiás. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente aconteceu quando a vítima fazia uma ultrapassagem em um local proibido.

O acidente ocorreu na noite de sábado. Segundo a corporação, o casal viajava em um Fiat Siena de Uruaçu para Ceres, na região central do estado, quando o homem que dirigia o carro tentou ultrapassar um veículo. O carro do casal invadiu a pista contrária e bateu de frente contra um caminhão-baú que seguia no sentido oposto.

Conforme a corporação, o homem era mototaxista e a mulher dele gerente de um posto de combustíveis. O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas os dois morreram no local do acidente.

A PRF informou que o condutor do caminhão não se feriu. Ele foi submetido ao teste do bafômetro, que não indicou ingestão de bebida alcoólica, e foi até a delegacia da Polícia Civil em Uruaçu para prestar esclarecimentos.

G1/Goiás