Teste constata fraude em sete marcas de azeite de oliva

Proteste encontrou misturas irregulares de óleos vegetais e animais nos produtos.

Um novo teste realizado pela associação Proteste constatou adulteração em diversas marcas de azeite de oliva, algumas delas consideradas impróprias para consumo in natura.

A entidade revelou que, de 24 marcas testadas, sete apresentam fraudes por conterem misturas de óleos vegetais e animais. “São produtos não indicados para o consumo, por exemplo na salada”, diz o diretor da Proteste, Henrique Lian.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, uma das marcas não é extra virgem, embora a informação conste no rótulo.

A Proteste divulgou os nomes das marcas adulteradas: Tradição, Figueira de Foz, Torre de Quintela, Pramesa e Lisboa. Todas são importadas e apenas algumas envasadas no Brasil. A entidade foi impedida pela Justiça de divulgar o nome de duas outras marcas que não passaram no teste.

A avaliação dos produtos foi realizada em laboratório de Portugal, credenciado pelo Ministério da Agricultura e pelo Conselho Oleícola Internacional.

Essa é a sexta edição do teste (a primeira foi em 2002), e alguns dos produtos, como o Tradição, o Pramesa e o Figueira da Foz são reincidentes.

Segundo refere a reportagem, as marcas que foram considerados de excelente qualidade são: O-live, Andorinha e Carbonell. Na lista de produtos com qualidade e melhor custo benefício estão O-live, Carrefour Portugal, Qualitá e Filippo Berio.

O teste também aprovou os azeites Borges, Cardeal, Cocinero, Gallo, La Española, La Violetera, Taeq, Serrata, Renata e Broto Legal Báltico.

NOTA

A empresa Olivenza, envasadora do azeite Torre de Quintela, afirmou que irá “analisar o lote deste produto e verificar o ocorrido” e está “trabalhando para que este tipo de imprevisto não ocorra e se adequar dentro da legislação afim de oferecer um produto de qualidade.”

A reportagem não localizou representantes do Tradição, Figueira de Foz, Pramesa, Lisboa e Beirão.

Noticias ao minuto

Autoridades advertem para risco de eletrônicos em voos após explosão de fone

Autoridades australianas alertam para o risco de usar aparelhos com bateria em voos, depois que o fone de ouvido de uma passageira pegou fogo e a deixou ferida.

O avião voava de Pequim, na China, a Melbourne, na Austrália.

A passageira, que não foi identificada, relatou à Agência de Segurança de Transporte da Austrália (ATSB na sigla inglesa)que estava ouvindo música quando ocorreu a explosão.

“Leveis aos mãos ao rosto, o que fez com que o fone de ouvido ficasse em volta do meu pescoço. Mas continuei a me sentir queimando, então arranquei o fone e o joguei no chão. Ele estava soltando faíscas e pegando fogo”, disse ela.

O incidente a deixou com manchas negras no rosto e bolhas nas mãos.

A passageira estava ouvindo música quando aparelho explodiu
A passageira estava ouvindo música quando aparelho explodiu

Membros da tripulação correram para ajudá-la. Para apagar o fogo, jogaram um balde de água sobre os fone. A bateria e o revestimento de plástico derreteram e grudaram no chão da aeronave.

“Os passageiros passaram o restante do voo sentido cheiro de plástico derretido e cabelo queimado,” informou a agência australiana.

O relatório não menciona a marca do fone de ouvido, mas aponta que uma das possíveis causas da explosão teria sido uma falha nas baterias de íon-lítio.

A ATSB alertou que “à medida que cresce a gama de produtos que usam baterias, aumenta o potencial de problemas em vôos” e divulgou outros casos com problemas semelhantes ocorridos em voos.

No ano passado, a decolagem de um avião em Sydney foi interrompida quando foi detectado que estava saindo fumaça do compartimento de bagagem de mão. Descobriu-se que uma bateria de lítio pegara fogo dentro de uma peça de bagagem.

Em outro voo, nos Estados Unidos, um aparelho eletrônico começou a soltar fumaça depois de ser esmagado sob um assento.

Produção do Galaxy Note 7 foi interrompida depois de reiterados casos de explosão
Produção do Galaxy Note 7 foi interrompida depois de reiterados casos de explosão

Uma falha das baterias do modelo Galaxy Note 7, da Samsung, fez com que vários aparelhos superaquecessem, pegassem fogo e derretessem – como incidentes registrados no ano passado também ocorreram dentro de aviões, esse modelo específico foi banido de voos internacionais.

A Samsung fez um recall do Galaxy Note e a produção desse modelo foi interrompida.(Fonte:BBC Noticias)

Repressão a Clonagem e Roubos: Policiais orientam sobre a compra de veículos de terceiros

Os policiais do núcleo de Inteligência do Departamento Estadual de Trânsito do Tocantins (Detran/TO) alertam as pessoas que pretendem comprar veículos de terceiros, para que tomem cuidados importantes, como, saber a procedência do veículo, e quais foram os últimos dois proprietários e compradores, bem como ligar para essas pessoas, a fim de confirmar se realmente realizaram as vendas. Precauções como essas podem livrar os futuros proprietários de adquirirem veículos ilegais.

Após a compra do veículo, o novo proprietário deve ir, imediatamente ao Detran, para fazer a transferência de propriedade. Cabe ao vendedor fazer o Comunicado de Venda ao órgão de trânsito, como forma de resguardar o comprador de multas, débitos de IPVA e pontuação na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Desta forma os policiais orientam que não convém o comprador pagar o veículo, sem antes fazer a transferência de propriedade, e com o vendedor junto, acompanhando todo o processo.

A prudência na hora de adquirir um veículo de terceiros, é para combater a clonagem de veículos no Estado, que vem crescendo a cada ano. Dados da Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP-TO) revelam que em 2014 foram apreendidos apenas 15 carros clonados; em 2015 esse número subiu para uma média de 120 carros; em 2016, houve uma pequena queda, com 80 veículos apreendidos; e nos primeiros dois meses de 2017, a Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (Defrva) já contabilizou a apreensão de 20 veículos clonados.

Os investigadores da Inteligência do Detran vêm contribuindo de forma significativa com as investigações feitas pela Polícia Civil, acompanhando a atuação de criminosos dentro do órgão, tentando fraudar procedimentos de transferência de propriedade de veículos. A transação é feita usando Carteira Nacional de Habilitação falsas (CNHs) e um Documento Único de Transferência original (DUT) ou o Certificado de Registro de Veículo (CRV). Já no Detran e com posse do documento do veículo, original, o fraudador consegue realizar a transferência de propriedade do veículo.

Apreensão e venda de veículos clonados

Na última segunda-feira, 6, policias civis da Defrva apreenderam, já na segunda fase da operação, três veículos de luxo que haviam sido alienados no Estado, por membros de uma associação do Estado de Goiás, a qual tinha sido presa pela Derfrva, no dia 21 de fevereiro desse ano, em Palmas.

A Defrva informou que o esquema funcionava da seguinte maneira; membros do grupo alugavam os veículos em diferentes locadoras de São Paulo e Brasília e depois, utilizando CNHs e DUTs falsos os transferiam para o nome de um falsário, que tinha a função de ser o “laranja” do grupo.

“Os vidros, chassi, placa e motor de veículos clonados são difíceis de serem identificados em blitz”, disse o delegado que comanda a operação, Rossílio de Souza. “Por isso a equipe da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores se especializou na identificação e apreensão desses veículos”, explicou o delegado.

Só neste mês de março já foram apreendidos seis veículos de luxo, sendo 4 em Palmas e 2 no interior do Estado. Veículos que custam em média R$70 mil eram vendidos a R$ 55 mil pelos autores que apresentavam o documento do carro e o “laranja” que era o suposto proprietário que venderia o automóvel.(Fonte:Diário do Tocantins)

Produção de mandioca será debatida hoje em Palmas

A mandioca foi eleita, pela Organização das Nações Unidas (ONU), o alimento do século 21. Barata, resistente, nutritiva e cheia de carboidratos especiais, essa raiz é cultivada de Norte a Sul no Brasil. A produção desse importante alimento vem crescendo no Tocantins, chegando em 2017, com cerca de três mil hectares de área plantada, produção anual de aproximadamente 50 mil toneladas e produtividade média de mais de 17 mil quilos por hectare, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 2016.

No Estado, os principais municípios produtores são Porto Nacional, Santa Rita do Tocantins, Ponte Alta do Tocantins, Monte do Carmo, Pindorama, Fátima, Santa Tereza do Tocantins, Santa Rosa, Brejinho de Nazaré e Novo Acordo.

Com plantio de cerca um hectare, no projeto São João, município de Porto Nacional, o agricultor familiar José Martins mostra que é possível produzir mais e com qualidade. Com o manejo correto, ele espera colher uma média entre 18 a 20 toneladas por hectare. “Para obter uma boa produtividade nas culturas, é preciso ter cuidado com o manejo, desde a irrigação, a adubação e a qualidade das manivas [mudas da mandioca]”. A comercialização também está garantida, o produtor vende a maior parte da produção para os programas institucionais do governo, escolas e feiras livres. “Do excedente, faço farinha de mesa, farinha de puba e bolos para melhorar a alimentação em casa”, afirmou.

Políticas públicas

O Governo do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro), fomenta a cadeia produtiva da mandioca com políticas públicas voltadas aos agricultores familiares, contribuindo para que a atividade se torne lucrativa para o produtor. Entre as políticas de incentivo estão 30 Unidades Demonstrativas de Mandioca (UDs) instaladas em diferentes municípios do Estado, com plantios de mandioca para gerar manivas de qualidade. As mudas, livres de vírus e doenças, são distribuídas para os produtores rurais. A proposta é fortalecer o desenvolvimento da cadeia produtiva de mandioca no Tocantins.

A iniciativa integra o programa Rede de multiplicação e transferência de manivas-semente de mandioca com qualidade genética e fitossanitária (Reniva). “O trabalho é desenvolvido em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária [Embrapa], o Ministério Agrário, e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), entre outros parceiros, no sentido de fornecer um material genético de alta qualidade, para que os produtores utilizem esse material em plantios, aumentando assim a produtividade da mandioca no Estado”, destacou o gerente de Assistência Técnica e Extensão Rural da Seagro, José Carlos Moraes.

Seminário

A Seagro incentiva também, por meio de capacitação, fóruns, seminários e dias de campo. Como o Seminário Estadual sobre a Cadeia Produtiva da Cultura da Mandioca: Cenário atual e oportunidades para o Desenvolvimento da Cultura da Mandioca no Estado do Tocantins, que será realizado nesta segunda-feira, 6, a partir das 13 horas. O evento ocorrerá no auditório do Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado do Tocantins (OCB-TO), na Avenida JK, em Palmas.

Outras iniciativas

Entre as iniciativas, está o programa Terra Forte, que auxilia os produtores nos plantios de suas culturas com o empréstimo de tratores às prefeituras e às associações de agricultores. E ainda há o apoio com transporte gratuito do calcário, para correção da acidez dos solos, além de serviços de extensão rural, com disseminação de informação, orientação ao produtor e acompanhamento da produção, por meio do Ruraltins.(Fonte:Portal Stylo)

Mais de 12 mil eleitores do Tocantins poderão ter o título cancelado

Na capital, Palmas, 2.089 pessoas estão com pendências com a Justiça Eleitoral. Em Araguaína, segundo maior colégio eleitoral são 1.575 eleitores, em Gurupi, 1.329

Os eleitores do Tocantins que deixaram de votar nas três últimas eleições podem ter o título cancelado. No Estado, 12.140 eleitores poderão ficar sem o documento. Na capital, Palmas, 2.089 pessoas estão com pendências com a Justiça Eleitoral. Em Araguaína, segundo maior colégio eleitoral são 1.575 eleitores, em Gurupi, 1.329.
Como fazer?
Os eleitores que constarem na relação de faltosos deverão comparecer ao cartório eleitoral no período de 2 de março a 2 de maio de 2017 para regularizar sua situação. O cidadão deverá apresentar documento com foto que comprove sua identidade, Título Eleitoral e comprovantes de votação, de justificativa e de recolhimento de multa ou de dispensa de recolhimento.
O não comparecimento para comprovação do exercício do voto, da justificativa de ausência ou do pagamento das multas correspondentes implicará o cancelamento automático do título de eleitor, a ser efetivado de 17 a 19 de maio deste ano.
Cada turno do pleito é considerado uma eleição e a Justiça Eleitoral não expedirá nenhuma notificação ao eleitor informando sobre a pendência no cadastro eleitoral.
Mais informações: 0800 6486 800, na Ouvidoria Eleitoral. O eleitor também poderá consultar sua situação eleitoral no site: www.tse.jus.br/eleitor/servicos/situacao-eleitoral/consulta-por-titulo
Fonte:O Girassol

Prazo para entrega de declaração do rebanho termina hoje

Nesta terça-feira, 31, termina o prazo para a entrega da Declaração do Resumo da Movimentação do Rebanho e Inventário de Gado, exercício 2016. Dos mais de 87 mil produtores rurais do estado do Tocantins, 65 por cento ainda não entregaram a documentação.

O diretor de Informações Econômicas e Fiscais, da Secretaria da Fazenda, Mayko Tenório, alerta que não haverá prorrogação do prazo para o envio das informações, e ressalta a necessidade da entrega do documento. “Os produtores rurais devem ficar atentos para o prazo estabelecido, pois não será prorrogado. A apresentação da declaração do rebanho é importante para elaboração e implementação de políticas públicas para o setor pecuário, além de contribuir para o controle fiscal do rebanho tocantinense”, enfatiza.

A partir de 1º de fevereiro, o produtor que estiver omisso das informações sobre a movimentação do seu rebanho, estará sujeito às penalidades previstas em lei, como por exemplo, uma multa no valor de R$ 1.100, suspensão de ofício e restrições de alguns serviços oferecidos pela Secretaria da Fazenda, entre eles, a emissão de nota fiscal avulsa e alteração no cadastro de contribuinte.

Para fazer a declaração o produtor rural deve preencher o formulário online, no site www.sefaz.to.gov.br, com todas as movimentações ocorridas no rebanho no ano de 2016, incluindo as entradas, saídas e mudanças de era. O demonstrativo também deve discriminar todos os animais da propriedade ou de terceiros, inclusive sob o regime de pasto ou confinamento.

A declaração é anual e obrigatória para todos os criadores de gado inscritos no Cadastro de Contribuintes do ICMS do Tocantins (CCI-TO) e que possuem animais em seu estabelecimento ou de terceiros, inclusive sob o regime de pasto ou confinamento.(Fonte:Portal Benício)

Prejuízos causados por raios ou queda de energia devem ser ressarcidos pela Energisa

A chegada do período chuvoso no Tocantins sempre requer atenção especial com as constantes quedas de raios

A chegada do período chuvoso no Tocantins sempre requer atenção especial com as constantes quedas de raios. Nas áreas urbanas, os raios causam com frequência interrupções no fornecimento de energia elétrica e danos a aparelhos e equipamentos. Com isso, muitos consumidores podem sofrer prejuízos.
De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC) e com a resolução normativa nº 499/2012 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a responsabilidade pelos prejuízos é das concessionárias de energia, que são obrigadas a consertar, substituir ou ressarcir os consumidores quando aparelhos e equipamentos forem danificados em decorrência de raios ou quedas de energia.
A resolução nº 360/2009 da Aneel, estipula o prazo de até 90 dias da ocorrência do raio ou da queda de energia para que o consumidor possa dar queixa à concessionária; já o Código de Defesa do Consumidor diz que o usuário tem até cinco anos buscar reparação de danos.
O superintendente do Procon-TO, Nelito Cavalcante, explica que após a ocorrência do raio ou queda de energia, o consumidor deve entrar em contato com a concessionária (no caso do Tocantins, a Energisa) e solicitar a reparação do dano. Após ser acionada, a empresa tem até 10 dias para a inspeção do equipamento danificado. Se o equipamento danificado for utilizado para acondicionar alimentos ou medicamentos, como geladeira e freezers, o prazo para inspeção deve ser de apenas um dia após ser acionada pelo consumidor. A inspeção é feita in loco por técnicos da empresa.
Após a inspeção, a concessionária de energia tem mais 15 dias corridos para informar se o pedido feito pelo consumidor foi aceito. Em caso positivo, o consumidor pode ser ressarcido em dinheiro, conserto ou substituição do equipamento danificado. O prazo para o ressarcimento é de mais 20 dias corridos a partir da data da resposta da empresa. “Se a solicitação de ressarcimento não for aceita, a empresa deverá apresentar com detalhes as razões e ainda informar ao consumidor que ele tem o direito de apelar junto à agência reguladora estadual responsável pelo setor ou à própria Aneel”, informa o superintendente.
Outro esclarecimento importante que o superintendente do Procon-TO faz ao consumidor tocantinense é que se a empresa negar o ressarcimento ou desrespeitar qualquer dos prazos previstos na legislação, o consumidor deve procurar um núcleo do Procon-TO para abrir uma reclamação ou ainda ingressar imediatamente em juízo para ter seus prejuízos reparados. Nesses casos, além do prejuízo com o equipamento danificado, o consumidor também pode pleitear outras indenizações, como dano moral, por exemplo. “É importante o consumidor estar com todas as provas possíveis, como laudo técnico, protocolo de atendimento, orçamento do conserto e tudo mais que comprove suas alegações e a sonegação de seus direitos por parte da concessionária de energia”, reforça Cavalcante.
Por fim, Cavalcante diz que a distribuidora de energia só fica isenta da responsabilidade pelo ressarcimento se comprovar uso incorreto do equipamento, defeitos gerados por instalações internas, inexistência de relação entre o estrago do aparelho e a provável causa alegada, ou ainda, se o consumidor tomar providências sem respeitar os prazos estabelecidos pela Aneel.(fonte o girassol)

Veja dicas para ter uma ceia saudável no Reveillon

O consumo excessivo de alimentos calóricos, a ausência de fibras, o abuso de doces, carboidratos e ingestão exagerada de álcool são fatores capazes de inverter as expectativas de uma refeição saudável.

Nesta época do ano muitos alimentos calóricos fazem parte das ceias de Reveillon, além de bebidas alcoólicas, doces e guloseimas. Porém, com a proximidade das comemorações vem à tona a preocupação de como se alimentar corretamente, sem abusos e prejuízos à saúde do corpo e do coração. Para prevenir os excessos é necessário seguir algumas receitas simples de alimentação e de comportamento, que podem fazer toda a diferença, tornando as comemorações saudáveis ao coração.

Para não fugir do banquete usual é importante ser criativo e cuidadoso na escolha e no preparo das ceias – para torná-las saudáveis e menos calóricas -, além de manter o sabor característico. No prato principal é importante usar carnes magras como o peru, chester, frango e o lombo acompanhado de cereais integrais (arroz com sete grãos) tendo assim grande valor nutritivo e pouco calórico.

Segundo a Gerente de Gastronomia do HCor (Hospital do Coração), Juliana Guedes Simões, uma ceia saudável deve seguir algumas regras para que não se torne prejudicial à saúde. “O consumo excessivo de carne de porco, ausência de fibras, abuso de doces, carboidratos e ingestão exagerada de álcool são fatores capazes de inverter as expectativas de uma refeição saudável”, esclarece Juliana Simões.

Para quem está procurando um cardápio que foge ao habitual para celebrar as festas com os amigos e familiares, a Gerente de Nutrição do HCor, Rosana Perim Costa, elenca algumas dicas. “É importante substituir ingredientes ou preparações mais calóricas por alimentos ricos em fibras, vitaminas e sais minerais que vão auxiliar na digestão e no controle do diabetes, hipertensão e colesterol”, esclarece Rosana Perim.

Dicas do HCor (Hospital do Coração) para ceias de Reveillon:

Antes da ceia faça pequenas e leves refeições durante o dia, beba bastante líquido e evite ficar “beliscando” os alimentos enquanto os prepara. Na hora, preencha o prato com um tipo de carne magra (assada ou grelhada e de preferência sem pele), metade com saladas e o restante com acompanhamentos saudáveis (arroz com amêndoas, farofa com frutas, etc). Como sobremesa prefira os doces com frutas, sorvetes e frutas natalinas.

Evite alimentos com alto teor de gorduras: frituras, salgadinhos, embutidos, maionese, queijos gordurosos (gorgonzola, provolone, catupiry, cheddar), carnes gordurosas (pernil, bacon, salame), massas com cremes, creme de leite, molho branco 

e doces com chantilly e cremes.

Noticias ao Minuto

Moradores contabilizam prejuízos após forte chuva em Araguaína

Tempestade deixou estragos pelas ruas da cidade.
Sistema de drenagem não suportou e os bairros foram tomados pela água.

A cidade de Araguaína amanheceu com chuva nesta segunda-feira (24), mas a população ainda se recupera da tempestade registrada na última sexta-feira (21). Os estragos estão por toda a cidade: areia nas ruas, muros quebrados e entre os moradores ficou o medo de que o problema se repita.

O pastor Jesiel Arnold está fazendo as contas dos prejuízos que a enxurrada causou. O fundo da igreja ficou totalmente destruído. “Nunca houve um fenômeno desse jeito. Desceu muita água e fez essse estrago. Esse muro tem mais de seis anos e nunca tivemos dano com esse muro”, disse.

A tempestade deixou vários bairros alagados. “Na hora que eu cheguei [em casa] já estava tudo inundado. Não teve jeito de salvar mais nada”, contou o pintor, Luciano Pires.

Em alguns pontos da cidade a água subiu tanto que alcançou a altura de uma escada, cerca de um metro. Apesar dos bueiros, o sistema de drenagem da cidade não suportou os 35 milímetros de chuva e praticamente todos os córregos da cidade alagaram.

Um vídeo feito por moradores da cidade, mostrou um homem pilotando um barco a morto na tentativa de ajudar quem ficou ilhado.(fonte:g1/to)

Inscrições para processos seletivos do IFTO estão abertas

 

Para os cursos técnicos, os interessados têm até o dia 17 de julho para efetuar a inscrição. O valor da taxa é de R$ 25,00. Já para quem deseja cursar um curso superior as inscrições estão abertas até o dia 10 de julho. A taxa é de R$ 35,00. E para o Proeja é possível se inscrever gratuitamente até o dia 1º de julho.

As provas acontecem nos dias 24 de julho para os cursos superiores e 31 de julho para os cursos técnicos. Já no que se refere aos cursos do Proeja o sorteio das vagas será no dia 2 de julho.

Vagas 

Cursos Proeja: Manutenção e Operação de Microcomputadores e Atendimento
Cursos superiores: Gestão Pública e Agronegócio, Engenharia Civil e Engenharia Elétrica
Cursos técnicos: Agrimensura; Controle Ambiental; Mecatrônica; Edificações; Eletrotécnica; Informática; Secretariado; e Segurança do Trabalho.

IFTO/Divulgação

Fonte: (jornal do tocantins)