Jovem resgatado após ser acorrentado em árvore em Goiás passa a morar com irmã: ‘Estou melhor’

Rapaz tem problemas mentais e chegou a sofrer maus-tratos. Agora, tomando medicamento, já faz planos para o futuro.

O jovem de 24 anos que tem problemas mentias e foi resgatado após ser mantido acorrentado a um árvore em Terezópolis de Goiás está morando atualmente com uma irmã e, após tratamento, já apresenta avanços. “Estou melhor, passando bem, tomando remédio, melhor da vida”, disse Divino Ferreira Alencar.

O rapaz chegou a sofrer maus-tratos e ficar com marcas de agressões nas costas. Ele foi resgatado no dia 21 de junho. Segundo a Polícia Militar, ele foi acorrentado pelos próprios familiares e ficou lá por cerca de cinco dias, se alimentando com doações deixadas por vizinhos.

Divino chegou a ficar em uma clínica psiquiátrica, onde ele começou um tratamento. Agora, ele foi acolhido pela irmã, Geisa Ferreira dos Santos, e segue tomando medicação e se mantendo afastado de bebidas alcoólicas.

A casa tem três cômodos, onde vivem sete pessoas. Além do Divino, outros dois têm deficiências mentais. A família ganhou novas camas, mas ainda faltam outras coisas para a família, inclusive comida. “[Não tem] Arroz, feijão, fraldas… Falta essas coisinhas tudo”, disse a irmão do jovem.

Mesmo com todas as dificuldades, Divino faz planos. “Dar uma estudada, arrumar um serviço, ter um futuro bom”, contou.

A Secretaria de Assistência Social de Terezópolis de Goiás informou que está acompanhando o caso do Divino e já está tomando todas as medidas necessárias para incluir o jovem nos programas sociais do governo. Para isso, no entanto, é preciso organizar todos os documentos de identificação, o que será feito na próxima semana.

G1 Tocantins.

Travesti é morta a tiros em ponto de ônibus em Goiás

Segundo a Polícia Civil, Paola Oliveira, de 35 anos, teria sido baleada após pegar o celular de um cliente que se recusou a pagar o programa.

Uma travesti de 35 anos foi morta a tiros em um ponto de ônibus, na noite desta terça-feira (20) em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal.

De acordo com a Polícia Civil, um homem se aproximou e, após uma discussão, atirou contra ela. A principal suspeita da corporação é a de que a vítima, identificada como Paola Oliveira, tenha sido morta por um cliente que se recusou a pagar o programa.

Segundo o delegado Maurício Passerini, do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH), o homem se aproximou da travesti e atirou contra ela após ela se recusar a entregar um aparelho celular.

“O autor chegou ao local, conversou por alguns segundos. Em um dado momento ficou exigindo: ‘me dá meu celular, me dá meu celular’, e acabou atirando contra a vítima”, disse.

O caso ocorreu na noite de terça-feira, em um ponto de ônibus que fica em frente a um supermercado, em Luziânia. A travesti, que se identificava como Paola, era registrada como Paulo Sérgio Moreira da Silva.

De acordo com o delegado, o suspeito foi identificado por meio do carro usado no crime. O nome dele não foi divulgado.

“Temos o nome de um suspeito, que foi identificado após conseguirmos obter a placa do veículo em que ele teria chegado ao local onde matou a travesti. A nossa principal suspeita é a de que o homem se recusou a pagar o programa, a vítima reteve o celular dele e, no momento em que ele voltava para exigir a devolução, resolveu matá-la”, explicou.

O investigador informou que está fazendo novas diligências nesta quarta-feira, para ouvir novas testemunhas e localizar o suspeito do crime.

G1 Goiás

Homem dá ré em carro e mata bebê da namorada em Goiás

Mulher ficou abalada e não conseguiu prestar depoimento; menino tinha 1 ano e 5 meses. Delegado disse que porção de maconha foi encontrada na casa, no Bairro do Sossego.

Um homem de 36 anos foi preso, na manhã desta quinta-feira (8), suspeito de dar ré no carro dele e matar o filho da namorada, de 1 ano e 5 meses, em Iporá, região central de Goiás.

Ainda não há informações exatas sobre como o acidente aconteceu, mas a suspeita é de que o menino estivesse engatinhando e tenha sentado atrás do veículo.

De acordo com o delegado Ramon Queiroz, a mãe, que tem 18 anos, e o menino passaram a noite na casa do homem. Pela manhã, quando ela quis ir embora, o homem foi para a garagem tirar o carro dele, para que o dela ficasse liberado. O acidente aconteceu no Bairro do Sossego.

“Tinha dois carros: o dela na frente e o dele atrás. Ele ia tirar o dele para ela poder sair. Ele abriu o portão, o som já ligou e ele deu ré. Ele não viu o menino. A mãe já veio de lá gritando e foi a hora que ele viu, pela reação da mãe”, diz o delegado. “A roda passou por cima da cabeça da criança, que morreu na hora.”

O casal está junto há cerca de seis meses. Em depoimento, o homem contou que fez uso de maconha à noite junto com a namorada. Na casa, foi encontrada uma porção da droga. Ele se recusou a ser submetido a exame toxicológico.

“Não conseguimos ouvir a mãe. Ela estava muito abalada, não conseguia falar, não conseguia dizer nem o nome dela. Ela vai fazer o exame para detectar possível presença de drogas”, explicou Ramon.

“Realmente foi um acidente. Não pode falar que ele tinha intenção de tirar a vida da criança. Não é possível nem afirmar que o uso de drogas possa ter influenciado”, completou.

O homem vai ser indiciado por homicídio culposo, cuja pena prevista no Código Penal varia entre um e três anos de prisão, e por posse de droga, uma contravenção penal.

G1 Goiás

Ex-presidiário sobrevive a tiro que atravessou mão e pescoço

Crime foi em Colinas do Tocantins, no norte do estado. A Polícia Civil informou que a vítima tinha diversas passagens por roubo e furto.

m ex-presidiário de 32 anos sobreviveu a um tiro que atravessou o pescoço e a mão dele. Segundo a Polícia Militar (PM), a ocorrência foi nessa terça-feira (27), por volta das 13h50, no Jardim Boa Esperança em Colinas do Tocantins, na região norte do estado.

O Corpo de Bombeiros informou que quando chegou ao local encontrou o homem caminhando com a mão e o pescoço feridos. Os bombeiros disseram que ele tentou se proteger, mas a bala atravessou a mão, depois o pescoço e em seguida caiu no chão.

A PM disse que a arma usada no ataque era de baixo calibre. O homem foi levado para o Hospital Municipal de Colinas do Tocantins e depois transferido para o Hospital Regional de Araguaína.

Os parentes da vítima disseram aos policiais que o homem tinha saído da cadeia recentemente. A Polícia Civil informou que a vítima tinha diversas passagens pela polícia por roubo e furto. O caso está sendo tratado como tentativa de homicídio, mas até o momento ninguém foi preso.

A Secretaria de Cidadania e Justiça informou que o homem cumpriu pena por receptação e foi liberado da cadeia há 20 dias após uma decisão da Justiça.

Fonte: G1 Tocantins