Parentes de mortos por leishmaniose visceral relatam demora no diagnóstico da doença

Em Gurupi, duas pessoas morreram nos últimos dias. Em todo o Tocantins, 203 casos foram confirmados, entre janeiro e novembro deste ano.

Parentes de duas pessoas que morreram vítimas de leishmaniose visceral, conhecida no Tocantins como calazar, relataram a demora no diagnóstico da doença.

O morador de Gurupi Alessandro Souza relembrou o sofrimento da mãe, a dona de casa Valnice Maria Pereira de Sousa Mendes, de 54 anos, à procura de respostas para os sintomas. Ela morreu na última quinta-feira. 

“Ela começou com falta de apetites, começou a emagrecer. Ela estava fazendo exames na cidade. Ela consultava e os médicos pediam um exame, outro, mas nunca pediam o de calazar. Ela, então, ficou internada durante 37 dias, e eles vieram a pedir o exame de calazar com 25 dias que ela estava internada. Acho que demorou muito”, argumenta Alessandro.

A dona de casa Iranilde Pereira perdeu o filho de 29 anos neste mês. Bonfim Pereira de Souza também morreu vítima da doença. Ela conta que os médicos demoraram a descobrir que ele estava com a doença. “Demorou muito ele conseguir ser atendido pelo tratamento. Ele já estava muito fraco”.Valnice Maria, de 54 anos, morreu vítima de leishmaniose viceral.

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, este ano foram registrados em Gurupi 20 casos confirmados da doença. No ano passado foram cinco. Em todo o estado, 203 casos foram confirmados. No ano passado, foram 228.

Em Gurupi, a população está preocupada. Várias ações de combate e controle da doença estão sendo realizadas. “Tem que ter consciência, a população tem que estar cuidando dos seus quintais. Aí sim o problema vai ser resolvido. A parte de prevenção, o Centro de Zoonozes está fazendo”, explica o coordenador do CCZ de Gurupi, Henrique Alencar.

A Secretaria Estadual da Sáude não respondeu aos questionamentos sobre a demora no diagnóstico.

Outros casos

Em agosto, um bebê de 10 meses morreu com a doença após ser transferida para Palmas. A menina morava no bairro Jardim dos Buritis, onde pelo menos outras três crianças estavam fazendo tratamento contra a doença.

A doença é transmitida pelo mosquito-palha e também teve registros em outras regiões do Tocantins. Em Tocantinópolis, por exemplo, 50 casos suspeitos foram notificados até agosto, sendo que pelo menos 10 já foram confirmados.

A doença

O calazar é uma doença transmitida pelo mosquito-palha ou birigui. Ao picar, ele introduz na circulação do hospedeiro o protozoário Leishmania Chagasi. O número da doença aumenta, geralmente, por causa do grande número de cachorros infectados. Isso porque os animais são hospedeiros da doença. 

G1/Tocantins

Ponte ameaça cair e alunos precisam descer de veículo e atravessar a pé no sul do Tocantins

Para evitar acidente, estudantes descem do veículo e atravessam a pé. “É arriscado para a gente passar todo os dias carregando vidas”, diz o motorista.

Uma ponte de madeira é um dos principais acessos para 10 propriedades na zona rural de Gurupi. Mas a estrutura começou a cair e os moradores da região temem que ela caia. O lugar é rota para o transporte escolar e para evitar acidente, os alunos precisam descer do veículo e atravessar a pé.

“Está muito perigoso. É arriscado para a gente passar todo os dias carregando vidas”, diz o motorista Jeciclei Moreira.

Os pais temem que a situação piore. “Eu fico com medo pelo meu filho vir porque é perigoso. Ninguém toma providência. Tem que arrumar porque o trajeto é esse”, reclama Tatiane Xavier.

O pecuarista Dirceu Romera precisa passar pelo local todos os dias e não está mais confiante na estrutura de madeira. “A maioria está podre e a parte de concreto está rachada em baixo. Ela não caiu porque tem um pau atravessado que fica sustentando, senão já tinha caído. Para caminhão pesado é um risco”, diz.

Segundo os moradores da região, a situação da ponte começou a piorar depois que uma viga caiu quando um caminhão tentou passar. O veículo ficou preso e só foi retirado com a ajuda de um trator. O problema pode ficar ainda pior porque outras vigas ameaçam cair, pois estão deterioradas por cupins. Além disso, também há madeiras podres.

A dona de casa Salete do Nascimento não arrisca e desce da motocicleta para atravessar. “Eu sempre desço porque eu tenho medo de cair no buraco”, conta.

Em baixo da ponte tem problema também. Uma das cabeceiras de concreto está rachada e isso tem preocupado o trabalhador rural Jailson Santana. “Tem que fazer alguma coisa, é uma estrada bem movimentada. É um risco porque chega a passar mais de 30, 35 mil toneladas”, afirma.

Em nota, a Prefeitura de Gurupi informou que a recuperação da ponte começará nesta terça-feira (28) e até quinta-feira (30) estará pronta.  

G1/Tocantins

Bebê escapa ileso de acidente envolvendo três carros na BR-153

Pelo menos quatro pessoas ficaram feridas, segundo a Polícia Rodoviária Federal. Batida foi registrada em Gurupi.

Um acidente envolvendo três carros, na BR-153, em Gurupi, sul do Tocantins deixou pelo menos quatro pessoas feridas. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, um bebê de três meses escapou sem ferimentos. Ele era transportado no bebê conforto. A batida foi registrada na noite deste domingo (26).

O acidente aconteceu por volta das 21h, no trevo que liga a rodovia ao setor Industrial. Um carro que seguia pela BR-153, no sentido norte, acabou atingindo outros dois veículos. Segundo a polícia, eles faziam uma rotatória e não pararam antes de entrar na rodovia.

Os dois veículos foram atingidos, sendo que um deles capotou. Em um dos carros havia um bebê que não se feriu. Já a mãe dele, Naine Souza teve ferimentos graves. Ela foi levada para o Hospital Regional de Gurupi. Segundo a polícia, três pessoas tiveram ferimentos leves e também receberam atendimento.

G1/Tocantins

Jovem morto a tiros próximo a escola é velado em Gurupi

O crime aconteceu no setor Alto da Boa Vista. Testemunhas disseram que ele foi baleado por homens que estavam em duas motocicletas.

O jovem Hallyson Shelry Costa, de 20 anos, foi velado na manhã desta segunda-feira (20), em Gurupi. Ele foi morto a tiros próximo a uma escola no setor Alto da Boa Vista, na noite deste domingo (19), por volta das 20h.

“Só tenho coisas boas para falar dele. A gente espera Justiça”, diz o tio da vítima, Reginaldo Soares.

O Samu foi acionado para fazer o socorro, mas ao chegar no local o jovem já estava morto. De acordo com a Polícia Militar, testemunhas disseram que ele foi baleado por homens que passaram em duas motocicletas, sendo dois em cada veículo. O rapaz chegou a correr depois dos disparos, mas foi atingido de novo por mais tiros e não resistiu.

As marcas ficaram no asfalto. A escola tem câmeras de segurança que poderiam ajudar na identificação dos suspeitos, mas segundo a direção do colégio, os equipamentos estão sem funcionar há mais de um mês.

Este é o segundo assassinado em Gurupi em menos de uma semana. O outro aconteceu de forma semelhante, na madrugada de quinta-feira (16), no centro da cidade. Márcio lima Feitosa tinha 33 anos foi morto a tiros ao sair do trabalho.

Os moradores temem o aumento da violência. “A gente não tem mais segurança. Até para trabalhar está difícil”, diz o mecânico Genival Rodrigues.

G1/Tocantins

Polícia registra dois abusos sexuais em uma noite no sul do Tocantins

Crimes foram em Talismã e em Gurupi, no sul do estado. Em um dos casos a vítima era uma criança de seis anos, no outro o suspeito conseguiu fugir.

Dois abusos sexuais foram registrados na região sul do Tocantins na segunda-feira (30). Um dos crimes ocorreu em Talismã e outro em Gurupi. Em um dos casos, a vítima era uma criança de seis anos. No outro, um homem armado obrigou uma mulher a ir até uma construção abandonada, local onde ela sofreu o abuso. 

Um dos crimes foi em Talismã. Uma criança de seis anos teria sido abusada pelo vizinho. Segundo a Polícia Militar (PM), a mãe disse que sentiu falta da criança durante a noite. Minutos depois, viu a criança saindo da casa do suspeito sem roupa e chorando. A mãe chamou a polícia e o suspeito confessou o crime.

O homem está preso em Alvorada, também na região sul do estado. O Conselho Tutelar está acompanhando o caso.

Gurupi

Uma mulher de 39 anos foi estuprada após uma abordagem enquanto saia do serviço. O crime foi no setor Parque das Acássias, em Gurupi. Segundo a PM, um homem armado em uma moto obrigou a vítima a ir até uma construção abandonada, onde aconteceu o abuso.

O criminoso conseguiu fugir e está sendo procurado.

G1/TO

Dona de casa morre em acidente minutos depois de deixar os filhos na escola no sul do Tocantins

Vessa Ribeiro Lima estava em uma motocicleta e foi atingida por um carro. Acidente foi na manhã desta quinta-feira (19), em Gurupi.

A dona de casa, Vanessa Ribeiro Lima, de 21 anos, morreu em um acidente minutos depois de deixar os filhos na escola. Ela estava em uma motocicleta quando foi atingida por um carro ao atravessar um cruzamento de Gurupi. Segundo a Polícia Militar, a vítima não respeitou a sinalização do local.

A mulher que dirigia o carro, não teve o nome divulgado, estava no sentido contrário e acabou atropelando a vítima.

O acidente foi entre a rua 7, esquina com a avenida Ceará. O Samu foi acionado, mas chegando ao local a jovem havia morrido. O corpo de Vanessa foi levado para o Instituto Médico Legal de Gurupi.

G1/Tocantins

Polícia encontra carro capotado em estrada vicinal próximo a Gurupi

Testemunhas disseram que no veículo havia cinco pessoas. As vítimas teriam sido levadas para o Hospital Regional de Gurupi.

Um carro foi encontrado capotado em uma estrada vicianal próximo da cidade de Gurupi, no sul do Tocantins, na manhã desta quinta-feira (12). Segundo a Polícia Militar, quando os policias chegaram no local não tinha mais ninguém.

Testemunhas disseram que no veículo, que ficou totalmente destruído, havia cinco pessoas. As vítimas teriam sido levadas para o Hospital Regional de Gurupi. O movimento nessa estrada costuma ser intenso, já que liga a avenida Goiás,a principal da cidade, à BR-153.

G1/TO

Gestores de escolas indígenas destacam que Circuito trouxe avanços

Esta é uma forma de valorizar os povos indígenas.

Os gestores e coordenadores de escolas indígenas da Diretoria Regional de Educação de Gurupi foram recebidos na tarde desta quinta-feira, 21, pela secretária da Educação, Juventude e Esportes, Wanessa Zavarese Sechim. Na ocasião, eles ressaltaram a importância do programa Circuito Campeão para o avanço na aprendizagem dos alunos.

Gestores e coordenadores de escolas indígenas falam das experiências

Leandro Barros, coordenador pedagógico da Escola Indígena Temanaré, localizada em Formoso do Araguaia, falou das transformações que o Circuito Campeão promoveu na unidade escolar. “Este foi o ano que mais crescemos. O programa foi enriquecedor, as coisas estão acontecendo na escola, antes não havia evolução”, contou. 

Leandro Barros “Este foi o ano que mais crescemos”

O diretor da Escola Temanaré, Ademir Kurciri Javaé também enfatizou o resultado que o Circuito Campeão está trazendo para os alunos indígenas. “Esse programa é um avanço, tínhamos alunos com dificuldades de leitura, percebemos que eles já estão lendo. Também foi importante a formação de professores”, contou Ademir.

Manoel Karajá, diretor da Escola Indígena Tainá, localizada em Formoso do Araguaia, também destacou as ações que a Seduc levou para a escola, como o Programa Nacional de Alfabetização da Idade Certa (Pnaic) e o programa Circuito Campeão. “Na nossa escola estamos desenvolvendo um projeto em que cada professor adota um aluno que esteja com dificuldade de aprendizagem. Esse professor acompanha o estudante individualmente. Percebemos que deveríamos priorizar o pedagógico e é isso que estamos fazendo para preparar no nosso professor cada vez mais”, comentou Manoel.

Manoel Karajá – “Na nossa escola estamos priorizando o pedagógico e isso está dando certo”.

A secretária Wanessa Sechim explicou que as comunidades indígenas podem sugerir propostas para a estrutura curricular e calendário escolar de 2018, observando o Documento Referência e as características de cada povo indígena. “Eu também apoio a elaboração de materiais didáticos específicos, o fortalecimento dos conselhos de Educação Indígenas e a formação de professores, para que eles passem a utilizar conhecimentos presentes nas aldeias”, esclareceu.

Neusa Graciotto, supervisora da DRE de Gurupi, que atua há 18 anos nas escolas indígenas, disse que estava satisfeita com o desenvolvimento da educação indígena este ano. “Esta é a primeira vez que os gestores e coordenadores de unidades escolares indígenas são convidados para participarem de uma ação como a Seduc Descentralizada. Esta é uma forma de valorizar os povos indígenas”, ressaltou.

Fotos: Marcio Vieira/Josélia de Lima/Governo do Tocantins

 

Seduc reúne alunos de Gurupi para apresentar proposta do Aulão

Aulão será realizado no próximo sábado dia 23, no período da manhã.

A secretária da Educação, Juventude e Esportes, Wanessa Zavarese Sechim, reuniu nesta terça-feira, 21, com um grupo de alunos do ensino médio, com a finalidade de ouvi-los sobre o que pensam da escola e falar das ações #TO NO Enem, que está promovendo aulões destinadas aos estudantes da 3ª série do ensino médio.Estudantes conhecem ações da Seduc para Enem

Na ocasião, a professora Wanessa Sechim falou da Plataforma #TO NO Enem, disponível do site www.seduc.to.gov.br, que oferece aos alunos dicas e informações para quem está se preparando para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os estudantes receberam kits contendo cadernos de estudos e redação. Esse material foi distribuído para as escolas do ensino médio de todo o Estado.

O professor Wellington Fraga divulgou o Aulão que será realizado no próximo sábado, dia 23, no período da manhã, no auditório do Centro de Ensino Médio Ari Ribeiro Valadão Filho em Gurupi. “Os Aulões serão ministrados por professores da Rede Estadual de Ensino com larga experiência na preparação para o Enem e estão preparados para tirar dúvidas dos alunos, fazer exercícios e passar dicas de estudos”, frisou.

Na ocasião, a equipe gestora da Seduc apresentou a proposta pedagógica 2017, com os avanços no Calendário letivo 2017, na atualizações das estruturas curriculares e na definição dos conteúdo visando ampliar a possibilidades de aprendizagens dos alunos. Dentre as ações, foram inseridas no 9º ano do ensino fundamental, aulas de Física e Química; houve a inserção de redação em todas as séries e os simulados para o Enem. “Os simulados foram preparados para orientar os estudantes sobre as exigências na hora de fazer a prova do Enem, o tempo destinado a cada questão, a documentação exigida e com isso, os alunos sentirão mais segurança na hora de fazer a prova”, esclareceu a professora Wanessa Sechim.Secretária Wanessa Sechim entrega kits do Enem para estudantes

Josélia de Lima/Fotos: Marcio Vieira/Governo do Tocantins

 

 

Operação fiscaliza transporte de explosivos na BR-153

Dínamo V’ segue até a próxima quinta-feira (21), em Gurupi, sul do Tocantins. Objetivo é evitar que explosivos sejam desviados para fins ilegais.

Militares do Exército iniciaram a operação Dínamo V nesta terça-feira (19) para fiscalizar o transporte de explosivos nas rodovias do Tocantins. Os trabalhos são realizados na BR-153, em Gurupi, onde se concentra o maior fluxo de veículos de cargas no estado.

A operação ocorre em todo o território nacional até a próxima quinta-feira (21). “Para fazer o transporte, o veículo precisa ter escolta e a empresa deve ter autorização do Exército”, explicou o comandante do 22º Batalhão da Infantaria, Athos Souza.

Ao todo, 25 militares participam da operação. Segundo o comandante, eles também vão fiscalizar como são acondicionados os explosivos, a data de validade dos produtos, se o tipo de veículo é adequado para o transporte e se a quantidade transportada é a mesma que consta nas notas fiscais.

O objetivo é evitar que os explosivos sejam desviados para fins ilegais. Segundo o coronel, a empresa que estiver ilegal pode levar advertência e ter o Certificado de Registro junto ao Exército cancelado, além das multas previstas em lei.

Entenda

A Operação Dínamo V caracteriza-se pela intensificação na fiscalização de explosivos nas fases de fabricação, importação, exportação, comercialização, armazenagem e transporte desses materiais. Ao todo, 300 militares participam da operação em todo o Brasil. A operação é considerada a maior de fiscalização de explosivos realizada no país.

G1/TO