Ele aguarda notificação da Justiça Eleitoral para tomar posse como governador do Tocantins. Cerimônia deve ser realizada nesta terça-feira (27).

Mauro Carlesse (PHS) chegou à Assembleia Legislativa do Tocantins nesta manhã e se pronunciou sobre o momento de transição pelo qual passa o estado. Ele deve tomar posse e assumir o governo do Tocantins ainda nesta terça-feira (27).

O político disse que quer resolver os problemas do Estado e que a equipe dele está preparada para assumir o Poder Executivo.

“A gente precisa pacificar o Estado. A equipe já está preparada, estamos preparados. A população pode ficar tranquilia. Em primeiro lugar, sou empresário, tenho pé no chão, não sou um homem que tenho ambições, eu quero resolver o problema do Estado. Com fé em Deus a partir do momento que eu tiver como governador, a população vai ter um respaldo muito grande, eu vou trabalhar em prol da população”, disse.

Carlesse aguarda a notificação da Justiça Eleitoral para tomar posse como governador. Apesar de a posse não ter sido realizada ainda, o professor doutor Fábio Chaves disse que ele já é o governador interino. “A sucessão é automática. O Tocantins não está sem governador. Ele assume interinamente. Mas os atos da administração pública precisam de publicidade e para isso é necessária a posse”.

Em nota, a Assembleia Legislativa do Tocantins disse que a expectativa é que a notificação da Justiça Eleitoral ocorra nesta manhã, para que sejam realizados os procedimentos de posse.

O acórdão com a cassação do governador Marcelo Miranda (MDB) e da vice-governadora, Cláudia Lelis (PV) foi publicado pelo TSE na noite desta segunda-feira (26). Horas depois, o governo divulgou uma lista com 70 exonerações de servidores do alto escalão, no Diário Oficial do Estado.

Após a notificação, Carlesse assume o Poder Executivo interinamente e a deputada estadual Luana Ribeiro é empossada presidente da Assembleia Legislativa. A cerimônia também está prevista para esta terça-feira.

A cassação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou na última quinta-feira (22) os diplomas do governador Marcelo Miranda (MDB) e da vice-governadora Cláudia Lelis (PV).

O processo, que analisa caixa dois durante a campanha de 2014, começou em 2015 após uma aeronave ser apreendida com R$ 500 mil em Goiás.

O advogado Thiago Boverio, que representa o governo, informou que vai recorrer da decisão. “Há muitos fatos para esclarecer. O próprio ministro disse que há muitos indícios e isso tudo será esclarecido nos embargos declaratórios. Quanto à execução, o que ficou bem claro é que o ministro tomou para si a possibilidade de decidir sobre isso”, disse.

O julgamento no TSE começou em 2017, mas o ministro Luiz Fux havia pedido para analisar o processo, que estava parado desde então. No primeiro julgamento, a relatora do processo, ministra Luciana Lóssio, votou contra a cassação da chapa de Marcelo Miranda. Porém, nesta quinta-feira (22) os ministros cassaram os diplomas por 5 votos a 2.

G1 Tocantins

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here