Rozineide Gonçalves

Em Minaçú, pai é preso suspeito de matar filha de 3 anos com golpe de foice

Menina morava com a mãe e visitava o pai eventualmente. Familiares disseram à polícia que buscaram a criança pensando que animariam lavrador, que estava há três dias em suposto quadro de depressão.

Um lavrador de 27 anos foi preso na tarde desta terça-feira (29) suspeito de matar a própria filha, de 3 anos, com um golpe de foice na cabeça, em Minaçu, no norte de Goiás. A criança vivia com a mãe e visitava o pai eventualmente.

De acordo com a Polícia Civil, familiares disseram que Fabiano de Souza Medeiros estava há três dias dentro do quarto, em um suposto quadro de depressão, e que por isso buscaram a menina, pensando que iriam conseguir animá-lo.

O delegado André Luís Barbosa Campos Medeiros informou que o homem ficou calado durante depoimento. As motivações para o crime não foram identificadas. O suspeito não havia apresentado advogado até o final da tarde desta terça e foi encaminhado para a cadeia da cidade.

O lavrador Fabiano de Souza Medeiros, preso suspeito de matar a filha de 3 anos com golpe de foice, em Minaçu (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Ainda segundo a polícia, dois irmãos de Fabiano prestaram depoimento. Eles disseram que viram o momento em que o jovem pegou a foice, usada no trabalho, mas não imaginaram que ele agrediria alguém. Os irmãos também afirmaram que não têm conhecimento sobre se o rapaz usa drogas.

A polícia disse que Ana Julya brincava sentada no chão quando foi atingida. O suspeito também teria golpeado a própria mãe, com o cabo, no ombro. O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar foram acionados, mas as vítimas já haviam sido transportadas quando as equipes chegaram.

Fachada do Hospital Municipal de Minaçu, para onde menina de 3 anos foi levada após levar golpe de foice na cabeça (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

A criança não resistiu aos ferimentos e já chegou morta ao hospital. Já a avó recebeu atendimento e, de acordo com informações preliminares, está em estado de choque.

O corpo de Ana Julya vai ser levado para Porangatu, para o exame cadavérico. A mãe da criança e ex-mulher do suspeito precisou de atendimento médico após saber do ocorrido, informou a polícia.

Com decisão judicial, Temer retira benefícios de Lula

Governo federal suspendeu a disponibilidade de automóveis oficiais e o pagamento de viagens aéreas, além de ter afastado seguranças e assessores.

O presidente Michel Temer cumpriu decisão judicial nesta terça-feira (29) e retirou do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva benefícios que ele tem direito como mandatário do Palácio do Planalto.

O governo federal suspendeu a disponibilidade de automóveis oficiais e o pagamento de viagens aéreas, além de ter afastado seguranças e assessores, cujas exonerações foram publicadas no “Diário Oficial da União”.

Na semana retrasada, o juiz federal Haroldo Nader, da 6ª Vara Federal de Campinas, determinou liminarmente a retirada imediata dos benefícios do petista. A decisão partiu de pedido do advogado Rubens Gatti Nunes, coordenador nacional do MBL (Movimento Brasil Livre).

A intenção do Palácio do Planalto é devolver os privilégios caso o petista seja solto. Ele está preso desde abril em Curitiba.

A ideia inicial de Temer era suspender apenas os benefícios de segurança e transporte, mantendo os assessores pessoais, que costumam ter como função ajudar na preservação de objetos históricos recebidos no exercício do cargo. Com a decisão judicial, contudo, ele teve de suspender todos os privilégios.

Segundo lei sancionada em 1986, e regulamentada em 2008 pelo próprio petista, todo ex-presidente tem direito a dois veículos oficiais com motoristas pagos pela Presidência da República.

Ele tem à disposição ainda um total de seis servidores públicos -quatro seguranças e dois assessores pessoais-, além dos dois motoristas.

A regalia é também oferecida hoje aos ex-presidentes José Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Dilma Rousseff.

Em 1969, foi criada uma aposentadoria para ex-presidentes. O direito, no entanto, foi revogado em 1988, com a promulgação da atual Constituição Federal.

Noticia ao Minuto

Prefeito, vereadores e lideranças de Wanderlândia sem unem em torno de Carlesse para o Governo

Os atuais gestores e os nove vereadores de Wanderlândia se uniram em torno de um só objetivo: eleger Mauro Carlesse para o Governo do Tocantins na eleição de 3 junho.

O prefeito Eduardo Madruga (PP) disse que esta união acontece pela primeira vez no município. “Primeiro olhamos o perfil de parlamentar municipalista de Carlesse e depois vimos um governador empreendedor. Chega de politicagem, precisamos de um governador que faz”, disse Madruga.

A reunião em Wanderlândia teve a participação da vice-prefeita Marcia Vieira, sa primeira-dama Nádia Riselma e dos vereadores Nonato do Projeto, Gilsim, Edileuza, João Pedro, Severino, Adriano, Irmão Jailton, Natal e Taylor, presidente da Câmara Municipal. “Os vereadores estão unidos pela estabilidade”, disse Taylor.

Ao agradecer o apoio dos principais líderes políticos de Wanderlândia, Carlesse disse que sua responsabilidade aumentou ainda mais. “Com o apoio de tantos líderes aumenta o meu compromisso com Wanderlândia e com o Tocantins desenvolvido”.

Nova Olinda

Antes de Wanderlândia, Carlesse apresentou suas propostas para os moradores de Nova Olinda. Recebeu o apoio dos vereadores Eduardo Reis, Ednalva e Rerinton, além de outras lideranças da cidade.

Ascom Coligação Governo de Atitude

No sul do Tocantins suspeito de tráfico é preso após polícia encontrar 9 kg de maconha na casa dele

Tabletes da droga estavam em uma mala e suspeito confessou o crime. Duas mulheres também foram presas por tráfico e posse de munição de arma de fogo.

Três pessoas foram presas suspeitas de tráfico de drogas em Gurupi, nesta terça-feira (29). Os jovens foram identificados como Marco Antônio Moura dos Reis, 19 anos, Nayanne Cristina Ribeiro Fernandes, 28 anos, e Isabel Lorraine Ribeiro, 19 anos. Em um dos casos a polícia encontrou 9 kg de maconha dentro de uma mala.

A polícia informou que Marco Antônio estava em casa no setor Leste, quando foi preso. Com ele foram encontrados 9 kg de maconha. De acordo com o delegado responsável pelo caso, Rafael Fortes Falcão, o jovem estava sendo investigado e tinha passagem pela polícia por roubo. Além da droga, ele estava com uma balança de precisão e celulares.

Os policiais civis encontraram com o suspeito uma mala de viagem com tabletes de maconha. Ele confessou o crime e disse que a droga foi trazida de Goiás e seria distribuída em Gurupi. Marco Antônio foi levado para a delegacia e depois encaminhada à Casa de Prisão Provisória de Gurupi onde deve responder pelo crime de tráfico de drogas.

As duas mulheres foram presas no setor Nova Fronteira durante a operação policial. Elas teriam recebido 1 kg de maconha para distribuir na cidade. Na casa onde elas moravam foram encontrados maconha, 21 porções de crack, uma porção de cocaína, 66 munições além de materiais usados para embalar as drogas.

Segundo a polícia, as mulheres são companheiras de dois presidiários suspeitos do mesmo crime. Elas devem responder por tráfico de drogas e posse ilegal de munição de arma de fogo.

Confira logística da eleição suplementar para governador no Tocantins

A votação foi mantida, apesar da greve dos caminhoneiros, e combustível está sendo escoltado para as principais cidades do estado. Eleição está marcada para este domingo (3).

Em entrevista à TV Anhanguera, o secretário de tecnologia da informação do Tribunal Regional Eleitoral, Jader Gonçalves, falou sobre a logística das eleição suplementar para governador. A votação foi mantida, apesar da greve dos caminhoneiros e está marcada para este domingo (3).

“Nós já estamos com as urnas distribuídas em todo o estado. Já estão sendo inseminadas com os dados dos eleitores, que devem comparecer no dia 3 de junho, domingo, no primeiro turno da eleição suplementar. A Justiça Eleitoral do Tocantins tem se mantido atenta, com planos de contingência para garantir que o eleitor, comparecendo no seu local de votação, a urna e os mesários estarão prontos para receber o voto.”

Segundo o secretário, a logística será mantida mesmo nos locais de difícil acesso, como aldeias indígenas e comunidades quilombolas. “Com certeza, toda a logística da Justiça Eleitoral está preparada para os locais de difícil acesso. Até para a transmissão do resultado da votação, no encerramento domingo, para que nós tenhamos uma totalização ágil, como sempre foi feita aqui no Tocantins, usando tecnologia via satélite, com segurança”

A votação começa a partir das 8h e vai até as 17h. Os eleitores que estiverem na fila às 17h vão receber senha. Conforme Gonçalves, mesmo com a possível dificuldade de locomoção do eleitor, não haverá demora para a contabilização dos votos.

“A Justiça Eleitoral sempre teve uma estratégia de manter o eleitor muito próximo do local de votação dele. Então não vai ter um impacto tão grande nesse primeiro turno. A previsão é que até 17h nós possamos concluir a totalização no estado.”

O secretário lembra, que embora muitas pessoas possam usar o sistema de caronas para chegar ao local de votação, em função da falta de combustível, candidatos e cabos eleitorais não podem transportar eleitores.

“O transporte do eleitor é crime eleitoral. Só pode ser feito a partir de rotas específicas, estabelecidas pelos juízes eleitorais. No caso de necessidade, tem que procurar o juiz eleitoral da zona e fazer o cadastramento para que não se caracterize crime. A Justiça e os órgãos de fiscalização estão de olho.”

O secretário informou que haverá fiscalização quanto a sujeira gerada com santinhos. “Desde as eleições de 2016, a Justiça Eleitoral do Tocantins vem trabalhando no processo de conscientização dos candidatos, que são os principais atores nesse sentido, além do eleitor para que nós tenhamos uma eleição limpa com relação a distribuição de panfletos e santinhos. Estamos atentos a isso.

Com relação a documentação digital, o secretário esclareceu como o eleitor que tem o título no celular poderá votar. “Como o eleitor já foi cadastrado biometricamente o título de eleitor no aplicativo vai trazer a foto. Portando o e-título no smartfone, coma a foto, não precisa levar outro documento de identificação. Ele pode entrar na sessão, fazer a identificação com o aparelho e deixá-lo com os mesários, ou no local que for determinado e vai entrar na cabine de votação, sem o aparelho para evitar filmagens e fotografias.

Secretário do TRE falou sobre logistica para eleição suplementar (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Abastecimento

Nove caminhões também saíram de Gurupi nesta manhã com direção a Palmas, onde vão ser abastecidos. Depois, vão retornar à cidade para levar combustível aos postos.

Estão envolvidos nesta operação, a Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Militar. O abastecimento tem o objetivo de garantir a realização da eleição suplementar no próximo domingo (3).

Governo Carlesse vai pagar mais 63% da folha no dia 1º; data-base também será depositada

O salário dos demais servidores deve ser depositado no próximo dia 8.

O governador interino e candidato ao Governo do Estado na eleição suplementar de 3 de junho, Mauro Carlesse, determinou que a Secretaria Estadual da Fazenda efetue na próxima sexta-feira, dia 1º de junho, o pagamento dos salários dos servidores do quadro geral que ganham até R$ 2.697,00, e da educação, que recebem até R$ 3.380,00.

O dinheiro estará na conta de mais de 35 mil servidores no sábado, dia 2, injetando mais de R$ 60 milhões na economia do Estado. O salário dos demais servidores deve ser depositado no próximo dia 8.

Junto com o salário será depositada também a primeira parcela da data-base referente ao período de maio de 2016 a abril de 2017, resultado de acordo entre o governador Carlesse e representantes de associações e sindicatos dos servidores públicos estaduais.

Para Carlesse, o pagamento de mais 63% da folha, antes mesmo do quinto dia útil do mês; a negociação e o pagamento da data-base provam que “é possível fazer”, quando há planejamento e vontade política.

“É muito simples fazer isso, basta que o Estado não retenha os salários dos servidores públicos, como acontecia antes. E estamos organizando as contas públicas para, em breve, pagarmos todos os salários no dia 1° de cada mês”, comparou Carlesse, referindo à gestão do governador cassado, que só depositava os salários dos servidores depois do dia 10.

Jornada de trabalho

Além do pagamento da folha em dia, a gestão do Governo Carlesse reduziu também a jornada de trabalho do funcionalismo, antiga reivindicação dos sindicatos que representam a categoria, e que resultou em economia para o Estado e mais qualidade de vida aos servidores públicos estaduais.

Ascom Coligação Governo de Atitude

Reação de militares a protesto causa preocupação na cúpula do governo

Temor relatado é o de uma insatisfação difusa, horizontal, entre as tropas responsáveis por manter a ordem quando acionadas para isso.

O governo Michel Temer (MDB) acompanha com o que um ministro chama de alta preocupação o risco de movimentos de protesto se alastrarem pelo país com complacência ou simpatia por parte de militares.

Ninguém fala em golpe ou intervenção, segundo a reportagem ouviu de oficiais ao longo desta segunda (28). São hipóteses consideradas implausíveis nos estratos superiores do comando.

Mas o temor relatado é o de uma insatisfação difusa, horizontal, entre as tropas responsáveis por manter a ordem quando acionadas para isso.

Assim, o próprio governo considera como mera ameaça a medida anunciada de que motoristas militares poderiam tomar o assento de manifestantes nas estradas.

Além do perigo de confronto, há a possibilidade de soldados se negarem a fazê-lo, o que seria fatal para a já combalida autoridade do governo.

A avaliação é atenuada por alguns oficiais generais mais experientes. Um deles afirmou que o maior problema neste momento é a disseminação de boatos e notícias falsas em grupos de WhatsApp -citou dois vídeos em que supostos oficiais da ativa, na verdade pessoas com uniformes improvisados, garantiam apoio a manifestantes.

Estão sendo monitorados, contudo, atos como os que ocorreram em frente a quartéis em Minas e Rio Grande do Sul no fim de semana, com parentes de manifestantes pedindo intervenção militar.

O instrumento é previsto no artigo 142 da Constituição, para garantia da lei e da ordem, mas o texto é explícito acerca da subordinação ao presidente da República.

A pauta não é consensual mesmo entre manifestantes. “Não é mais o movimento dos caminhoneiros, são grupos que pedem intervenção militar, sendo que quem está negociando conosco é o presidente da República”, disse José Fonseca Lopes, presidente da Associação Brasileira de Caminhoneiros.

“Pedir intervenção desmoraliza o bom caminhoneiro”, afirmou ele.

Há insatisfação também com o chamado efeito “posto Ipiranga”, apelido dado no Ministério da Defesa ao emprego polivalente das Forças Armadas – a referência é, ironicamente dado o contexto do protesto atual, à propaganda da rede distribuidora de combustíveis que sugere solução de problemas diversos em seus postos.

Militares já vinham se queixando da intervenção federal na segurança do Rio.

Os próximos dias serão de grande tensão em Brasília, em especial pela ameaça de greve de petroleiros -que, sem agenda prévia, pegaram carona nos atos nas estradas.

Em 1995, após semanas de duro embate, o governo Fernando Henrique Cardoso conseguiu quebrar a espinha de uma greve ocupando refinarias com tropas.

Mas o momento é outro, com Temer liderando o governo mais impopular desde a redemocratização.

RIO DE JANEIRO

Caminhoneiros que participam de manifestação na tarde desta segunda na rodovia presidente Dutra, na altura de Seropédica (RJ), afirmaram que o protesto agora é pela saída de Temer.

Ele estão parados na beira da estrada desde domingo (20). Segundo cálculo dos integrantes, há cerca de 1.400 caminhões no local. Não há bloqueio na estrada, e o ato é acompanhado por policiais rodoviários federais e militares do Exército.

Eles afirmaram que não pretendem encerrar o protesto mesmo com os anúncios do governo federal.

“Depois de 60 dias o preço vai voltar ao que era há duas semanas, isso se não ficar ainda mais caro. O que queremos agora é fora, Temer. Só vamos sair das estradas quando o governo cair”, afirma o motorista Moisés Fernandes dos Santos, 38,15 dos quais transportando móveis de Ubá (MG) e São Paulo para o Rio.

O grupo se diz autônomo. Santos, apesar de defender a intervenção militar, critica o Exército no local.

“É desnecessário porque não somos bandidos nem estamos fechando a via. Se a gente se recusar a sair o Exército vai fazer o quê? Bater na gente?”, questiona.

Novos piquetes foram montados em frente à Reduc, a refinaria em Duque de Caxias, onde há cerca de 70 caminhões. Para o motorista Wendel Ruivo, 38, o movimento não irá arrefecer. Com informações da Folhapress e Noticia ao Minuto.

Após pedido de intervenção, Congresso discute saída de Temer

A oposição também é contra apoiar o pedido de intervenção militar manifestado por grupo de manifestantes.

Opedido de intervenção militar manifestado em protestos pelo Brasil fez com que o risco de derrubada de Michel Temer chegasse a pauta do Congresso Nacional. De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, um parlamentar da base do governo defendeu a saída do emedebista durante uma reunião a portas fechadas no Senado.

No entanto, até mesmo a oposição se manifestou contrária e o presidente da Casa, Eunício Oliveira (MDB-CE), relembrou que em cinco meses o país elegerá novo presidente. Segundo ele, é preciso garantir estabilidade até lá.

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) também reagiu à possível derrubada de Temer e afirmou que, dado o cenário, o presidente precisava ficar no cargo até o fim do mandato.

Na segunda-feira (28), o presidente da Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros), José da Fonseca Lopes, afirmou que a paralisação não é mais dos caminhoneiros, mas de pessoas que querem “derrubar o governo”.

“Não é o caminhoneiro mais que está fazendo greve. Tem um grupo muito forte de intervencionistas nisso aí. Eles estão prendendo caminhão em tudo que é lugar. […] São pessoas que querem derrubar o governo. Eu não tenho nada que ver com essas pessoas, nem nosso caminhoneiro autônomo tem. Eles estão sendo usados por isso”, disse.

Noticias ao Minuto

Governo publica nomeação de 60 aprovados no concurso da Polícia Civil do Tocantins

São 22 delegados, 26 escrivães e 12 peritos que vão atuar no interior do estado. Novos servidores têm até 30 dias para tomar posse.

O Governo do Tocantins publicou a nomeação de 60 aprovados no concurso público da Polícia Civil do estado. São 22 delegados, 26 escrivães e 12 peritos que vão atuar no interior do estado. Os nomes podem ser encontrado no Diário Oficial desta segunda-feira (28).

Os novos servidores têm até 30 dias para tomar posse. O governo diz que as nomeações já estavam previstas na Lei Orçamentária Anual e não vão gerar impacto extra na folha de pagamento.

Sobre o equipamento para que os novos servidores possam trabalhar, como armas e munições, a Secretaria de Segurança Pública diz que em fase final de aquisição através de licitação. O concurso em questão foi feito em 2014. O resultado só foi homologado em março de 2017, após dois anos de espera.

Ação judicial

O certame causou polêmica e foi alvo de ações judiciais. Em março de 2016, o Ministério Público Estadual entrou com uma ação pedindo que a Justiça obrigasse o Estado a retomar o concurso.

Na época, o MPE informou que o quadro da Polícia Civil não possuía servidores suficientes para atender a demanda da população. A informação era de que o Tocantins contava com 932 agentes, 571 escrivães e 244 delegados, sendo que nem todos os cargos estavam preenchidos

Policiais escoltam caminhões-tanque para abastecer postos em Palmas e Araguaína

A PRF disse que estão sendo escoltados 25 caminhões-tanque para abastecer a capital e 15 para abastecer Araguaína. Ao todo, devem ser transportados mais de 1,2 milhão de litros de combustível.

Policiais escoltam caminhões-tanque para abastecer os postos de combustíveis de Palmas e Araguaína. Desde a última quinta-feira (24), todos os estabelecimentos da capital estão sem estoque de gasolina e álcool. Estão envolvidos nesta operação, a Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Militar.

A PRF informou que estão sendo escoltados 25 caminhões-tanque para abastecer a capital. Eles foram até a central de distribuição, em Luzimangues, onde encheram os tanques. Depois, vão seguir para Palmas, onde abastecerão os postos. O Exército participa da operação auxiliando na segurança do local de abastecimento.

Os policiais também farão a escolta de 15 caminhões para abastecer o município de Araguaína. A expectativa é que sejam transportados, ao todo, mais de 1,2 milhão de litros de combustível.

Em Palmas, motoristas já começam a fazer fila em alguns postos no centro da cidade. Nesta manhã, um posto localizado às margens da TO-050 informou que havia chegado óleo diesel. Donos de caminhonetes, principalmente, foram até o local para abastecer.

Postos da capital informaram que mais combustível deve chegar no início da tarde.

G1 Tocantins.