Em outubro, acumulou três derrotas e um empate -só anotou gol no último revés, por 2 a 1, contra o Ceará.

O ataque do Atlético-MG caiu de rendimento e deixou de ser o melhor do Campeonato Brasileiro. Com apenas um gol nos quatro últimos jogos, o setor ofensivo passa a conviver com críticas. A falta de gols ainda deixa o time ameaçado no G-6 do torneio.

Em 12 partidas disputadas no segundo turno do Brasileiro, o Atlético marcou 12 gols -média de um por jogo. O número do primeira metade do torneio é bem superior. Em 19 rodadas, o time então comandado por Thiago Larghi marcou 36 vezes -1,89 tento por compromisso.

A situação é ainda pior quando o recorte é mais recente. Em outubro, acumulou três derrotas e um empate -só anotou gol no último revés, por 2 a 1, contra o Ceará. Hoje, embora tenha 48 gols, um a menos que o Flamengo, líder no quesito, o time alvinegro vive dificuldades para se reencontrar ofensivamente.

O desempenho ruim do ataque permitiu a aproximação de adversários e a consequente ameaça à vaga na Libertadores de 2019. Tranquilo na sexta posição no início do mês, o Atlético viu o Santos diminuir uma diferença de nove pontos em quatro rodadas -os dois têm 46, com vantagem atleticana no número de vitórias.

A queda de rendimento, de acordo com o goleiro Victor, é explicada pelas baixas sentidas desde a última janela de transferências. Na ocasião, o time perdeu Bremer e Róger Guedes, negociados para o exterior. Gustavo Blanco ainda sofreu uma lesão no joelho, foi operado e só retorna aos gramados em 2019.

“A gente vive um ano de inconstância no que diz respeito a manutenção de jogadores. Quando encontramos uma boa formação fim do primeiro semestre, perdemos um jogador importante, o Róger Guedes, perdemos o Blanco, saíram atletas e entraram outros. A gente teve que remontar elenco”, avaliou.

“Por mais que tenhamos passado dificuldades, conseguimos encontrar padrão de jogo. Os resultados negativos não condizem. A equipe apresentou um futebol de qualidade em quase todo o Brasileirão, demonstra a qualidade do time. Tivemos alguma qualidade”, acrescentou em entrevista ao SporTV.

Levir Culpi, por sua vez, ainda não tem uma justificativa para o mau momento do Atlético em 2018. Contratado há pouco mais de duas semanas, o treinador alega que não conhece o elenco. Na segunda-feira (29), ele disse não ter identificado a causa dos resultados negativos.

“São vários, mas a gente trabalha no futebol há 50 anos e nunca sabe exatamente o que é. Se soubesse qual é o problema, já iria direto em cima. São muitas coisas que acontecem em um clube de futebol. Você tem que ter muita tranquilidade para tomar a decisão certa. As coisas certas que faz na carreira dão tranquilidade para chegar a um grupo assim”, comentou.

Apesar disso, o treinador demonstra confiança na classificação do Atlético para a próxima edição da Copa Libertadores. “O tempo é curto, mas você tem um objetivo muito interessante, que é a classificação na Copa Libertadores. É bom para todo mundo, para a comissão técnica, para a diretoria, para a torcida. A bola não está entrando, estamos aquém do que podemos oferecer neste elenco. Ainda tem algumas coisas, são seis, sete jogos faltando. O Atlético pode conseguir uma virada e ir bem no final. Sou o cara que mais acredito no Atlético, porque as coisas que conseguimos aqui são demais. Estou me agarrando nisso.” Com informações da Folhapress.

Notícias ao minuto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here