O paciente Aroldo Pereira de Souza veio a falecer no dia 1º de abril, as 14h.

Familiares do senhor Aroldo Pereira de Sousa, 59 anos, vítima da Covid-19 no dia 1º de abril no Hospital Regional de Gurupi, relataram que o paciente foi intubado sem o consentimento da família, mesmo tendo sido documentada a não aceitação da intubação. “Os médicos da UPA aproveitaram a ocasião em que os familiares se ausentaram e entubaram o meu pai sem autorização dos parentes” disse o filho, Vando Sousa, que é advogado especialista em Direito Público.

Segundo o filho, Aroldo foi encaminhado para UPA-24hs de Gurupi no dia 29 de março, duas semanas após apresentar sintomas da Covid-19, como tosse, dor na garganta e febre; porém quando foi internado estava apenas com saturação baixa.

(Imagem: Divulgação)

Ao dar entrada na UPA, foi feito um documento pelos familiares não autorizando a intubação de Aroldo, levando em conta um levantamento feito pela família sobre a estatística que aponta grande número de pessoas que morrem após serem intubadas, que pode ensejar responsabilização do Estado e eventual culpa do profissional da saúde, conforme determina o Artigo 34 do Código de Ética Médica no caso de “deixar de informar ao paciente o diagnóstico, o prognóstico, os riscos e os objetivos do tratamento, salvo quando a comunicação direta possa lhe provocar dano, devendo, nesse caso, fazer a comunicação a seu representante legal”. Citou ainda a Resolução 232/2019, publicada no Diário Oficial da União no dia 16 de agosto de 2019 com a seguinte redação: “Estabelece normas éticas para a recusa terapêutica por pacientes e objeção de consciência na relação médico-paciente”.

Após ser intubado, o paciente foi transferido para o Hospital Regional de Gurupi, contrariando a vontade da família que havia pedido inclusive por escrito. “Quando ficamos sabendo, questionamos o médico sobre os motivos, pois não era do nosso consentimento”, afirmou Vando Sousa.

O paciente Aroldo Pereira de Souza veio a falecer no dia 1º de abril, as 14h.

A Secretaria Municipal de Saúde informou, através de nota, que se manifestará sobre o caso apenas após ouvir as partes envolvidas e apurar todos fatos.

Surgiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here