Órgão encontrou divergência entre informações publicadas pela União e Estado.

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou três inquéritos civis para apurar indícios de mau uso dos recursos públicos repassados pelo Governo Federal para o enfrentamento da pandemia da covid-19 no Tocantins.

Entre outros objetivos, os procedimentos visam esclarecer divergências entre as informações divulgadas no início de agosto pela Secretaria de Governo da Presidência da República (Segov/PR) e pela Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins.

QUANTIDADE DE TESTES

Segundo boletim elaborado pela Secretaria de Governo da Presidência e divulgado em 5 de agosto, até aquela data, a União já teria repassado ao Estado do Tocantins mais de 82.904 mil testes RT-PCR. No entanto, no Relatório Situacional de Enfrentamento da covid-19 da Secretaria Estadual de Saúde, publicado em 6 de agosto, foi informada a realização de apenas 40.984 testes.

RESPIRADORES

O Governo Federal também noticiou ter enviado 119 respiradores para o Tocantins. Mas, segundo informações divulgadas pela imprensa, parte dos aparelhos estaria sem uso, ainda encaixotados nas dependências da Secretaria Estadual de Saúde, enquanto pessoas estão sucumbindo à doença em razão da falta do equipamento.

Tais dados levantam a suspeita de que dinheiro público federal esteja sendo mal-empregado pelo Estado e municípios tocantinenses, de acordo com o MPF.

INQUÉRITOS

Diante das divergências identificadas, o MPF irá investigar o emprego de recursos financeiros federais pelo Estado e municípios do Tocantins. Para tanto, estabeleceu prazo de 10 dias para que os secretários de saúde estadual e municipais esclareçam a discrepância entre o quantitativo de testes RT-PCR fornecidos pela União e as amostras efetivamente colhidas e analisadas. Também requereu que justifiquem o fato de haver respiradores repassados pelo Governo Federal ainda não instalados.

O MPF apura ainda se os municípios estão publicando na internet informações claras e atualizadas sobre os gastos públicos para o enfrentamento da pandemia de covid-19. Em relação a esta medida, determinou aos secretários de saúde que esclareçam, no mesmo prazo de dez dias, se estão cumprindo o disposto no art. 4º da Lei nº 13.979/2020, disponibilizando, em sítio eletrônico destinado à transparência dos gastos públicos, em tempo real e de forma fidedigna, todas as contratações e aquisições realizadas para o combate ao novo coronavírus.

Os inquéritos são assinados pelo procurador da República João Gustavo de Almeida Seixas.

AF Notícias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here