Crônica, Editorias

Ah Brasil!!!

WASTITONSão 2 horas da madrugada e ainda não dormi.

Já que estou sem sono, decido que é necessário um cappuccino para deixar a madrugada mais quente e doce.

Saio de casa, pego um metrô e desço na primeira estação.

O bom de morar em uma megalópole é que a cidade não dorme e sempre há um restaurante, ou café à sua espera.

Meio absorto, entro no Café Expresso e peço ao garçom um cappuccino médio, que me traz o pedido com a agilidade e eficiência de poucos.

Com o propósito de estender o delicioso sabor dessa bebida na boca, fico brigando com a minha vontade absurda de virar o copo de uma vez.

Morar aqui é muito bom, mas confesso que ainda estou me habituando aos costumes do lugar.

Ô gente que gosta de comida crua!, mas até que tem um bom sabor.

Bem… ultimamente tenho me lembrado por bastantes vezes do Brasil.

Bate uma saudade!

Tomando o cappuccino, me vem à memória um episódio de quando eu ainda estava na terra de Gonçalves Dias.

Cena bizarra, diga-se de passagem!

Era uma manhã linda, dia tranquilo e eu estava tomando café, sentado na varanda da chácara, onde foi palco dos meus melhores verões…

De repente, a 500 metros de casa, as pessoas começaram o alarde… Parecia que algo de muito grave havia acontecido e eu ali observando de longe; a curiosidade demasiada não é meu forte.

Porém, a cada gole do café, mais gente se aglomerava…

Aquilo foi mexendo comigo, aguçando as expectativas do que poderia ser.

Não resisti!

Tinha que ver o que era, dar fim àquilo que servia de ânimo para os gritos e pulos do povo.

Coloquei a xícara sobre a mesa e fui, precisava descobrir o que causava tamanho tumulto.

Quando me aproximei do local e abri espaço entre as pessoas, o inesperado surgiu no meu campo de visão; contando ninguém acredita; aquela cena não sairá da minha cabeça e o pior é que ela fazia jus ao alvoroço:

Dois tatus brigando como se fosse a coisa mais normal!

É por isso e muito mais que sinto muitas saudades do Brasil, enquanto permaneço aqui no Japão…

– Garçom, a conta, por favor!

Washington Batista Cristã de Sousa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.