Destaque, Goiás

Adolescente que acusa pastor e esposa de estupro relata ‘pedido de sacrifício’

Segundo garota de 16 anos, suspeito citou suposta ‘maldição’ que recaía sobre sua família. Casal, que está preso e que teria cometido o crime contra outras mulheres, nega acusações.

A adolescente de 16 anos que acusa um pastor de estupro, sob a conivência da esposa dele, disse que o casal alegava que os atos seriam um “sacrifício” que ela teria de fazer para quebrar uma “maldição” sobre sua família. O caso aconteceu em Edeia, região sul de Goiás. A vítima contou ainda que era obrigada a se deitar com o suspeito e que sua mãe e seu irmão poderiam ser penalizados caso a garota revelasse os abusos a alguém. Os suspeitos estão presos, mas negam as acusações.

A menina revelou que o crime começou a ser praticado quando ela tinha 13 anos e perdurou por cerca de dois anos. A Polícia Civil estima que os abusos ocorreram ao menos 20 vezes. A menina ia para a igreja, e o pastor a levava para a casa dele, que fica nas proximidades.

“[Ele] falou que Deus estava pedindo um sacrifício da minha parte e que era para quebrar uma maldição hereditária de prostituição na minha família. Ele disse com todas as palavras que o sacrifício seria a minha virgindade. Que eu teria que me deitar com ele. Eu sentia pavor”, disse à TV Anhanguera.

“Se eu contasse para alguém, a minha mãe ia para a cadeira de rodas, que tinha sido revelado em um sonho, e o meu irmão ia chegar a falecer”, completa.Adolescente que acusa pastor e esposa de estupro relata ‘pedido de sacrifício’ e ameaças: ‘Sentia pavor’ em Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

O casal foi preso na última sexta-feira (22) após denúncia da vítima. Na ocasião, o delegado Quéops Barreto, responsável pelo caso, já havia citado a suposta maldição como justificativa para o crime.

“O pastor disse que ela deveria fazer o ‘Sacrifício de Abraão’ porque ela tinha a maldição de sexo e só quebrava com sexo. Ele falava que, se não fizesse, a mãe e os irmãos iam morrer, usava a fé e o medo”, explicou.

Mudança de comportamento

A mãe da garota conta que descobriu os estupros após notar uma mudança no comportamento da filha. “Sempre ficava agressiva dentro de casa. Gritava. Ela era uma menina amorosa. Dava beijo para ir para escola, [falava] ‘mãe eu te amo’. Aí ela foi parando de me dar beijo”, conta.

A mulher revela ainda que o pastor chegou a fazer a mesma proposta para ela, mas não obteve êxito. Depois dessa situação, ela e a garota deixaram a igreja.

“Aí ele pegou e falou para mim que eram sete vezes, aí eu vim embora. Entrei em desespero, que eu não acreditava naquilo que estava acontecendo. Quero justiça, para que ele seja punido na lei do home e na lei de Deus vai vir sobre ele, eu creio”.

Outras vítimas

A polícia já localizou mais três vítimas do casal. O delegado responsável pelo caso, informou que elas ainda devem ser ouvidas na delegacia.

“Outras pessoas se pronunciaram dizendo ou que aconteceu com elas, ou que tentaram. Acreditamos que existam ainda mais, mas não foram localizadas ainda. Essas meninas ainda não prestaram depoimento formal, então ainda não sabemos se a situação foi a mesma apresentada pela primeira vítima ou se houveram outras alegações”, afirmou o delegado.

O casal está detido na unidade prisional de Edeia. Eles devem responder por estupro de vulnerável, já que ela era uma criança quando o crime ocorreu.

G1/GO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.