José Eliton recebe alta da UTI

Advogado da prefeitura de Itumbiara, Célio Rezende, também deve deixar a Unidade de Tratamento de Terapia Intensiva ainda hoje. Ambos seguem internados no Hugol

 Boletim médico divulgado na manhã dessa sexta-feira (30) informou que o vice-governador José Eliton receberá alta ainda hoje da Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ele continuará internado na Clínica Cirúrgica do Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol).
Fonte:mais goiás notícias

Crimes políticos vitimaram 96 neste ano

O levantamento não inclui as três mortes ocorridas na quarta-feira, 28, na cidade goiana de Itumbiara

Levantamento realizado pelo jornal O Estado de S. Paulo aponta que ao menos 96 pessoas, entre prefeitos, secretários municipais candidatos e militantes, foram executadas por motivações políticas entre janeiro e setembro deste ano. Os dados têm como base registros policiais, em sua maioria, além de documentos de fóruns, denúncias do Ministério Público e processos nos Tribunais de Justiça.

Uma série de 13 assassinatos de pré-candidatos e candidatos a vereador e cabos eleitorais no Rio de Janeiro, neste ano, contribuiu para tornar 2016 o mais sangrento na política desde a Lei de Anistia, em 1979.

O levantamento não inclui as três mortes ocorridas na quarta-feira, 28, na cidade goiana de Itumbiara. A polícia ainda investiga o motivo que levou o funcionário público Gilberto Ferreira do Amaral a matar o candidato a prefeito José Gomes da Rocha (PTB) e ferir o governador em exercício José Éliton (PSDB) durante uma carreata. Amaral e o policial Vanilson João Pereira morreram após o tiroteio.

Entre os motivos para as mortes de políticos neste ano está o controle do dinheiro dos municípios. Foram mortos Cícero Lopes, de Maraã (AM), Gilmar Pinheiro, de Praia Norte (TO), e José Gomes, de Goianésia (PA). Com saída apenas pelo Rio Japurá, Maraã, a 630 quilômetros de Manaus, viveu dias de guerra civil em fevereiro, quando o prefeito do PROS, de 65 anos, foi alvejado com um tiro de espingarda nas costas, numa emboscada. O vice-prefeito Magno Moraes, 24 anos, do PT, que tinha divergência com Cícero, assumiu o poder. A família de Cícero o acusa pelo assassinato.

A Polícia Civil, no entanto, indiciou quatro comerciantes que tinham dívida a receber da prefeitura. Destes, dois admitiram o crime: Lázaro e Anderson Moraes, primos de Magno.

A lista de políticos mortos neste ano inclui também candidato a vereador pelo PP do Rio e presidente da tradicional escola de samba Portela, Marcos Vieira de Souza, o Falcon, de 52 anos. Ele foi assassinado a tiros, no dia 26 de setembro, por dois homens que invadiram o seu comitê de campanha, em Madureira. A série de mortes de políticos no Estado nestas eleições é quase a mesma das disputas municipais de quatro anos atrás, quando 11 pessoas morreram.

A busca do poder por meio de crimes de mando ocorre também em cidades pacatas. É o caso de Luiziana, de sete mil habitantes, no Paraná, a 328 quilômetros de Curitiba, onde o secretário municipal de Fazenda, Lindolfo Angelo Cardoso, de 31 anos, foi morto dentro de casa e diante de um filho.

Números oficiais

Desde a redemocratização, entidades de direitos humanos cobram dos três Poderes dados oficiais. Desta vez, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apresentou um número de 20 assassinatos políticos nos últimos nove meses, um avanço nas divulgações da Justiça, que sempre apresentou versões genéricas e números ainda mais baixos.

‘Sangue político’

De agosto de 1979 para cá, 1.269 pessoas morreram por motivações de disputas pelo poder político no País. Este número é fruto de um monitoramento dos homicídios na política feito pelo jornal O Estado de S. Paulo há três anos. Em 2013, o jornal publicou o caderno especial “Sangue Político” que mostrou as conexões entre os mandantes dos assassinatos e grupos políticos estaduais e nacionais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte:mais goiás notícias

Audiência define que Plansaúde deve retomar atendimento nesta sexta-feira

Governo tem 30 dias para quitar dívidas com o plano.
Funcionários públicos enfrentam problemas desde agosto.

Em audiência realizada nesta quinta-feira (29) ficou decidido que o Governo do Estado vai restabelecer de forma integral os atendimentos do Plansaúde a partir desta sexta-feira (30). Em relação a dívida com os prestadores de serviço, o estado tem um prazo de 60 dias para quitar o débito.

Segundo a Secretaria Estadual de Administração, a audiência de conciliação foi realizada com a juíza Silvana Parfieniuk, com a participação do governo, prestadorada de serviço, Ministério Público Estadual (MPE) e a Defensoria Pública.

Desde agosto os funcionários públicos do estado estão enfrentando problemas para realizar consultas médicas, exames e outros procedimentos oferecidos pelo plano. Porém, mesmo com os problemas para realizar os procedimentos, os funcionários estão tendo o percentual descontado nos contracheques. Na segunda-feira (26), o Plansaúde suspendeu de forma geral os serviços oferecidos.

O prazo estabelecido para regularização das dívidas é de 60 dias, portanto, o Governo do Estado tem até novembro para quitar todos os débitos com a empresa e os servidores do plano de saúde.(fonte:g1/to)

Pelo menos dez estados vão proibir venda de bebidas alcoólicas no dia da eleição

A restrição de venda de bebidas alcoólicas no próximo domingo (2), por causa das eleições municipais, será adotada em pelo menos dez estados, segundo levantamento feito pela Agência Brasil. Em alguns, a proibição valerá para todo o estado, mas em outros casos, apenas a capital ou alguns municípios vão aderir à Lei Seca nas eleições.

Em Minas Gerais, no Acre, Pará e Paraná, a proibição da venda, distribuição e do fornecimento de bebidas alcoólicas valerá para todo o estado, das 6h às 18h de domingo.

No Amazonas, a proibição vale para a capital, Manaus, entre as 22h de sábado (1º) e as 18h de domingo (2). Segundo o TRE, a medida é tomada em razão do entendimento de que a bebida alcoólica “afeta a capacidade de discernimento do ser humano”.

No Ceará, a restrição da venda de bebidas alcoólicas está confirmada para Fortaleza, onde já foi assinada uma portaria conjunta proibindo a venda e o consumo de bebidas em bares, restaurantes e locais abertos ao público entre 0h e 18h de domingo. Para os outros municípios, foi dada uma recomendação para que a venda de álcool fosse proibida, mas ainda não há uma definição.

Em Mato Grosso do Sul, será proibido o consumo de bebidas alcoólicas na capital, Campo Grande, das 3h às 17h de domingo, em estabelecimentos comerciais como bares, lanchonetes, restaurantes e em locais abertos ao público. Ainda não há definição sobre a restrição em outros municípios.

No Espírito Santo, a proibição valerá, em princípio, para seis cidades: Ibiraçu, João Neiva, Pinheiros, Boa Esperança, Ibitirama e Dores do Rio Preto. Em Rondônia, a Lei Seca já foi definida para três zonas eleitorais de municípios do interior: Ariquemes, Cerejeiras e Nova Brasilândia d’Oeste, da 0h às 18h. No Tocantins, a restrição vai valer para quatro municípios: Xambioá, Porto Nacional, Gurupi e Araguaína.

Nos estados da Bahia, de Goiás, do Maranhão, de Pernambuco, do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e São Paulo não há previsão de Lei Seca este ano no dia das eleições.

Nos outros estados, a decisão sobre a aplicação da restrição de venda de bebidas alcoólicas está sendo feita individualmente por cada juiz das seções eleitorais. Por isso, a regra pode ser diferente para cada município, e é preciso que os eleitores fiquem atentos ao regulamento adotado em sua cidade. No Distrito Federal, não há eleições municipais.

A restrição da venda e do consumo de bebidas no dia das eleições é determinada pelas secretarias de Segurança Pública estaduais e pela Justiça Eleitoral. Os estabelecimentos comerciais que não cumprirem a restrição da venda e os eleitores que forem flagrados consumindo álcool onde há proibição podem ser enquadrados no crime de desobediência, previsto no Código Eleitoral Brasileiro.(fonte:agência brasil)

Policiais escavam buraco e encontram droga no quintal de casa

Um casal foi preso suspeito de tráfico de droga e associação para o tráfico.
Policiais de Paraíso do TO chegaram ao local após denúncia anônima.

Policiais civis escavaram um buraco no quintal de uma casa e encontraram um saco com três quilos de droga e uma balança de precisão. O flagrante aconteceu em Paraíso do Tocantins, nesta quinta-feira (29). Um casal de jovens foi preso suspeito de tráfico de drogas e associação para o tráfico.

O flagrante aconteceu depois que os policiais receberam uma denúncia de que algumas pessoas estavam cavando um buraco em uma casa, localizada no setor Milena. Os agentes foram até o local e encontram um homem de 21 anos, uma mulher de 20 e um adolescente de 16 anos. Ao serem questionados sobre os motivos de estarem no local, eles disseram que estava chupando manga.

Após serem novamente questionados, os três admitiram que estavam no lugar tentando pegar um objeto. Os policiais, então, terminaram de escavar o buraco e descobriram um saco de adubo. Dentro dele, tinham 54 pedaços de maconha e uma balança de precisão.

A casa é de um traficante que foi preso na última segunda-feira (26) com 800 gramas de maconha. A droga que estava no buraco é de propriedade dele, segundo a polícia, e os dois jovens presos estavam tentando resgatar a substância a pedido de pessoas ligadas ao suspeito.

Os dois jovens foram autuados em flagrante. O homem foi levado para a Casa de Prisão Provisória de Paraíso e a mulher, está em uma delegacia à espera de vaga no sistema carcerário feminino do estado.(fonte:g1/to)

Além dos amigos e familiares, diversos políticos estiveram no local e lamentaram a morte do então candidato a prefeito da cidade

Milhares de pessoas foram ao Teatro da Escola Municipal de Tempo Integral José Gomes Pereira, em Itumbiara, na manhã desta quinta-feira (29) se despedir do ex-prefeito José Gomes (PTB), morto a tiros no final da tarde de ontem. Além dos amigos e familiares, diversos políticos estiveram no local e lamentaram a morte do então candidato a prefeito da cidade.

“Ele era uma pessoa sempre alegre, eu nunca vi o José Gomes triste. Ele estava sempre rindo e nos trazendo alegria. Um cara dinâmico, que fez aqui em Itumbiara uma belíssima administração, tanto é que agora era candidato a reeleição e liderava com uma porcentagem alta, cerca de 80% [das intenções de voto]”, destacou o secretário do Articulação Política do Governo de Goiás, Sérgio Cardoso.

O coordenador da campanha de José Gomes, disse que não estava na carreata e quando recebeu a notícia pensou até que fosse brincadeira. “Estava no meu escritório quando eu recebi uma ligação de uma candidata a vereadora amiga nossa perguntando sobre o incidente. Eu pensei que fosse um trote, uma brincadeira. Logo em seguida eu recebi outra ligação e aí a pessoa me deu mais dados e então eu me dirigi ao Hospital Municipal. Lá a tragédia tinha ocorrido e estava lá pra gente perceber. A equipe do Hospital Municipal tentando reanimar o Zé”, relatou.

O candidato a prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB), foi ao velório no início da manhã. “Ontem, quando recebi a notícia, não tive nem forças para dar prosseguimento a uma programação a noite de reuniões. Procurei vir logo de manhã trazer aqui meus pêsames, os meus sentimentos à família, a população de Itumbiara,” lamentou o peemdebista em entrevista a Rádio Paranaíba. “É momento de dor, de perplexidade. Parece que nós estamos vivendo um pesadelo”, acrescentou.(fonte:mais goiás noticias)

Contra Marconi, Saúde decide manter greve em Goiás

Servidores da Saúde em Goiás decidiram, em assembleia realizada na terça-feira, 27, manter a greve da categoria por tempo indeterminado. Eles se reuniram em frente à Assembleia para definir os rumos da paralisação, que já dura uma semana. O movimento reivindica quatro pontos e alega que não consegue dialogar com o governador Marconi Perillo (PSDB).

Segundo Flaviana Alves Barbosa, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde de Goiás (Sindsaúde), cerca de 1 mil pessoas participaram da reunião. A principal questão é a manutenção da gratificação integral por produtividade.

Além disso, a categoria exige o cumprimento do plano de carreira, melhores condições de trabalho e pagamento da data-base. De acordo com Flaviana, a perda já é de 48% acumulada entre os anos de 2007 a 2010 e 2015 a 2016. A greve foi iniciada no último dia 20.(fonte:goiás real)

Bancários rejeitam proposta salarial e seguem em greve nesta quinta

Os bancários rejeitaram nova proposta salarial dos bancos e seguem em greve, que nesta quinta (29) entrará no seu 24º dia.

A Fenaban (braço sindical da Febraban, que representa os bancos) manteve a proposta de reajuste de 7%, mas aumentou o abono para R$ 3.500 ante os R$ 3.300 oferecidos anteriormente.

A oferta era por acordo para 2016 e também para 2017. No ano que vem, bancários receberiam a inflação mais um aumento real de 0,5%, pela proposta dos bancos.

Os bancários consideraram a proposta insuficiente. Desde o começo da campanha salarial, pedem reajuste salarial de inflação (9,62%) mais aumento real de 5%.

No ano passado, a greve durou 21 dias e garantiu aumento real de 0,11% aos bancários.

O QUE OS BANCÁRIOS PEDEM

> reajuste – 5% mais a inflação de 9,62%

> benefícios – R$ 880 em vales-alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche

> piso – R$ 3.940,24 (equivalente ao salário mínimo do Dieese)

O QUE OS BANCOS OFERECEM

> reajuste – 7% sobre salário e benefícios

> abono – R$ 3.500

> piso – R$ 2.856,31

BANCOS DURANTE A GREVE

1 – Pagar contas

O cliente do banco pode utilizar internet banking e aplicativos para celular do banco para efetuar o pagamento. Para isso, confira se as senhas os aplicativos estão funcionando e vá a agências ainda não paralisadas para atualizá-las. Os caixas eletrônicos e correspondentes bancários, como agências lotéricas, Correios e até alguns supermercados também recebem pagamentos de contas

Em caso de dificuldade, o cliente pode entrar em contato com a empresa e pedir alternativas para realizar o pagamento. É importante registrar o pedido, enviando por e-mail ou anotando o número de protocolo de atendimento. Caso o fornecedor não dê opções para pagar a conta, o consumidor deve usar esses documentos para reclamar junto a um órgão de defesa do consumidor.

2 – Transferências de dinheiro

É possível fazer por internet banking, celular, caixa eletrônico e atendimento por telefone.

Atenção: os valores das transferências podem ser limitados por esses canais, dependendo do seu perfil de renda e padrão de gastos. Se existe a previsão de uma transferência nos próximos dias, procure uma agência que ainda esteja funcionando

3 – Investimentos e resgates

Também podem ser feitos por internet, aplicativo, caixa eletrônico e central de atendimento por telefone. Seja qual for o canal de atendimento, lembre-se de pesquisar o rendimento oferecido e as taxas cobradas para aplicar ou resgatar o dinheiro aplicado

4 – Empréstimos e financiamentos

Os bancos também oferecem crédito pessoal em condições pré-aprovadas nas plataformas de atendimento eletrônico. Lembre-se, no entanto, que as taxas nessas modalidades costumam ser altas e devem ser usadas apenas em emergências.

Para quem precisa renegociar dívidas, os grandes bancos oferecem plataformas de renegociação sem atendimento ou então permitem o envio de propostas pela internet.

A documentação para financiamento imobiliário é entregue na agência. Esse tipo de crédito tende a ficar suspenso durante a greve.(Fonte: FolhaPress)

Empregos informais voltam a crescer durante crise econômica

Entre o primeiro e o segundo trimestres de 2016, foram cortadas 226 mil vagas com carteira assinada e do lado informal, porém, houve uma expansão de 668 mil postos no período

Com o mercado de trabalho cada vez mais escasso, muitos trabalhadores estão deixando de lado a exigência de um emprego legalizado e mergulhando de cabeça nos informais.

A recessão econômica está impulsionando o aumento de vagas sem carteira assinada, salários baixos e sem garantias.

De acordo com o Jornal Folha de S.Paulo, a retomada da economia pode atrasar ainda mais em função deste cenário, pois os rendimentos do trabalho informal são, em média, 40% inferiores aos do setor formal, o que reduz o poder de compra das famílias, um dos principais motores da atividade econômica. Além de reduzir as contribuições à Previdência, prejudicando também o Governo.

Segundo levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, entre o primeiro e o segundo trimestres de 2016, foram cortadas 226 mil vagas com carteira assinada e 259 mil pessoas deixaram de trabalhar por conta própria. Do lado informal, porém, houve uma expansão de 668 mil postos no período. Os dados são do IBGE.

A construção civil foi um dos setores com maior aumento da informalidade. O número de postos de trabalho com carteira assinada caiu 4,16% do primeiro para o segundo trimestre, enquanto as vagas informais cresceram 10,7%.(fonte:notícias ao minuto)

Voto nulo não invalida eleição, diz cientista político

Uma das principais dúvidas que aparecem na época das eleições diz respeito aos votos nulos. Muitos eleitores acreditam que se mais de 50% dos eleitores votarem nulo a eleição é invalidada e, embora a afirmação não seja verdadeira, é recorrente a cada eleição, aparecendo em publicações de redes sociais e conversas com amigos, causando confusão.

“Isso de que se mais de 50% do eleitorado votar nulo a eleição será anulada é puro folclore”, explica o cientista político e professor da Universidade de Brasília (UnB) Flávio Britto.

Na verdade, tanto os votos nulos quanto os votos brancos não são levados em conta na apuração que dá o resultado da eleição. Por isso, mesmo que haja mais de 50% de votos nulos, o pleito não será anulado, uma vez que os votos considerados válidos serão somente os recebidos pelos candidatos e os chamados votos de legenda.

“Esse tipo de voto [branco e nulo] não é considerado no cômputo geral da eleição, ou seja, no cômputo geral, eles não são considerados válidos”, disse o professor à Agência Brasil.

Segundo Britto, mesmo que haja 99% de votos nulos a eleição não será anulada, pois o resultado será definido através do 1% que é válido. “Se hipoteticamente pensarmos em uma cidade que só tenha um candidato a prefeito e que a cidade inteira achou por bem não votar no candidato, votando nulo como protesto. Se só o candidato votar em si próprio, por exemplo, somente o voto dele será considerado válido e ele seria eleito com 100% dos votos válidos”, disse.

Nulidade do pleito

Para o professor, a confusão existe porque as pessoas confundem o voto nulo com a possibilidade de nulidade da eleição. De acordo com o Código Eleitoral, o voto nulo é uma escolha do eleitor, e a nulidade se dá em casos de fraude na eleição.

A Justiça Eleitoral pode anular uma eleição se ocorrerem fraudes em mais da metade dos votos ou ainda quando o candidato eleito tiver o registro de candidatura cassado. Caso isto ocorra, uma nova eleição é marcada em prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias. “Isso pode se dar em razão do abuso de poder econômico ou quando um candidato concorre com o registro sub judice. Nesses casos, se ele sair vencedor e, mais na frente, a Justiça Eleitoral cassar o registro da candidatura, teríamos novas eleições”, observou Britto.

O cientista político lembra que a nulidade da eleição também pode ser decretada caso haja a quebra do sigilo da votação, caso o encerramento ocorra antes das 17 horas ou se houver fraude na urna eletrônica. “Estas são algumas hipóteses para que a eleição seja anulada”, afirmou.

Urna eletrônica

 
 

No próximo domingo (2), diante da urna eletrônica, o eleitor terá um teclado para digitar o número do seu candidato a vereador (cinco dígitos) e depois do seu candidato a prefeito (três dígitos). Qualquer número inexistente, como 00, anula o voto. Já no caso do voto em branco, existe uma tecla específica na urna ao lado das teclas corrige e confirma.

Para Flávio Britto é fundamental que o eleitor tenha clareza de que votar nulo ou em branco são direitos, mas que os votos não influenciam no resultado final da eleição. “Esses votos podem servir como uma forma de protesto, mas é preciso deixar claro que eles não influenciam no resultado final e muito menos numa possível anulação. Acho que as pessoas já estão razoavelmente esclarecidas a este respeito, mas não custa nada reforçar”, disse.(fonte:agência brasil)